Alemanha irá “acender” as centrais elétricas a carvão à medida que a Rússia reduz fornecimento de gás

CNN , Inke Kappeler e Tara John
20 jun, 07:00
Central do Pego

Robert Habeck, político dos Verdes, anunciou um regresso às "centrais elétricas alimentadas a carvão durante um período transitório", a fim de reduzir o consumo de gás para a produção de eletricidade. Portugal acabou no ano passado com a produção elétrica a carvão, nas centrais termoelétrica do Pego e de Sines

A Alemanha deve reduzir o consumo de gás natural e aumentar a queima de carvão, para ajudar a encher as instalações de armazenamento de gás para o próximo Inverno,  anunciou este domingo o ministro da Economia alemão, Robert Habeck, à medida que o país se afasta da redução do fornecimento de gás russo.

"A situação é grave", disse Habeck numa declaração. "Por conseguinte, continuamos a reforçar as precauções e a tomar medidas adicionais para reduzir o consumo de gás. Isto significa que o consumo de gás tem de diminuir ainda mais, mas mais gás tem de ser colocado nas instalações de armazenamento, caso contrário, as coisas ficarão realmente apertadas no Inverno".

A Alemanha está fortemente dependente do gás de Moscovo para alimentar as suas casas e indústria pesada, mas conseguiu reduzir para 35% o peso de Moscovo nas suas importações, de 55% antes do início da guerra na Ucrânia.

Habeck disse que a segurança do abastecimento está atualmente garantida apesar de uma "situação ter piorado no mercado do gás" nos últimos dias. A subida dos preços foi "a estratégia definida por (o Presidente russo Vladimir) Putin para nos desestabilizar, aumentar os preços e dividir-nos", afirmou Habeck.

"Não vamos permitir isso. Estamos a lutar de forma decisiva, precisa e ponderada", disse.

Apesar dos planos da Alemanha de abandonar a produção de energia alimentada a carvão, Habeck, que é um político do Partido Verde na coligação governamental de centro-esquerda, anunciou um regresso às "centrais elétricas alimentadas a carvão durante um período transitório", a fim de reduzir o consumo de gás para a produção de eletricidade.

"Estamos a criar uma reserva de substituição de gás em regime de disponibilidade. Isso é amargo, mas é quase necessário nesta situação para reduzir o consumo de gás", disse.

Regras de armazenamento de gás

O ministério de Habeck está a preparar um "modelo de leilão de gás a ser lançado este Verão para incentivar os consumidores de gás industrial a poupar gás", de acordo com o comunicado de imprensa. A indústria foi um fator chave para reduzir o consumo de gás, acrescentou.

Em março, os deputados alemães aprovaram uma lei de armazenamento de gás que estipula que as instalações de armazenamento de gás devem estar quase completamente cheias no início do período de aquecimento, a fim de se poder passar o Inverno em segurança.

"Os níveis de reservas foram especificados para este fim: até 1 de Outubro, as instalações de armazenamento devem estar 80% cheias, até 1 de Novembro 90%, e a 1 de Fevereiro, ainda 40%", de acordo com a lei.

Atualmente com cerca de 56%, os tanques de armazenamento de gás na Alemanha estão a um nível acima da média, em comparação com anos anteriores, apesar de os níveis de armazenamento terem atingido um mínimo histórico no início do ano.

"Devemos e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para armazenar o máximo de gás possível no Verão e no Outono. As instalações de armazenamento de gás devem estar cheias no Inverno. Esta é a prioridade máxima", disse Habeck.

Em março, Putin ameaçou cortar as entregas de gás a países "hostis" que se recusassem a pagar em rublos, em vez dos euros ou dólares indicados nos contratos.

Desde então, A gigante estatal russa de energia Gazprom tem proposto aos clientes uma solução. Os compradores poderiam fazer pagamentos em euros ou dólares numa conta no Gazprombank russo, que converteria então os fundos em rublos e transferi-los-ia para uma segunda conta a partir da qual seria feito o pagamento para a Rússia.

Mas muitas empresas europeias, incluindo a Shell Energy, recusaram-se a cumprir, o que levou a Gazprom a suspender o fornecimento de gás natural aos clientes alemães da Shell em junho.

Na quinta-feira, a Gazprom cortou os fluxos através do gasoduto Nord Stream 1 da Gazprom - uma importante artéria que liga o gás da Rússia à Alemanha - pela segunda vez em dias, atirando os preços para a Alemanha para uma subida.

O gigante russo da energia disse ter reduzido as entregas de gás porque a empresa alemã Siemens Energy tinha atrasado o regresso das turbinas que necessitavam de reparações.

A Siemens tinha levado as turbinas para uma das suas fábricas canadianas para manutenção. E Afirmou numa declaração na terça-feira que era "impossível" devolver o equipamento à Rússia por causa das sanções que o Canadá tinha imposto ao país pela sua invasão da Ucrânia.

Em resposta à iniciativa da Gazprom, Habeck disse que a justificação para anunciar mais cortes no fornecimento de gás à Europa era um "pretexto" e uma estratégia para aumentar os preços.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados