Saiba tudo sobre o Euro aqui

Alemanha intercetou comunicações de soldados russos a falarem sobre as mortes em Bucha

7 abr 2022, 11:21

Há uma outra comunicação que não foi possível localizar, o que faz com que as autoridades admitam que situações semelhantes tenham ocorrido noutras cidades

Os serviços secretos da Alemanha intercetaram mensagens de rádio de soldados russos a discutirem a morte de civis na cidade ucraniana de Bucha, onde dezenas de corpos foram encontrados nas ruas abandonadas, na sequência da invasão russa. A notícia é avançada pela Der Spiegel.

Os Serviços Federais de Inteligência apresentaram as descobertas ao parlamento esta quarta-feira, não revelando a forma ou a fonte de obtenção da informação.

Numa das mensagens intercetadas, um soldado é apanhado a falar sobre disparos contra uma pessoa que ia a passar de bicicleta. Uma das fotografias que surgiram do local mostra precisamente um corpo ao lado de uma bicicleta.

A Der Spiegel dá conta ainda da gravação de sons cuja localização não foi possível de precisar, o que pode antever que situações semelhantes possam estar a ocorrer noutras cidades ucranianas.

A Ucrânia tem insistido nos crimes de guerra cometidos pelo exército russo, mas as atrocidades testemunhadas em Bucha aumentaram os pedidos de ajuda e as pressões internacionais.

Se o Kremlin diz que as imagens são uma “encenação monstruosa”, com o objetivo de justificar as sanções do Ocidente, vários países europeus decidiram reagir, nomeadamente através da expulsão de diplomatas, como fizeram Alemanha e França. Em Portugal foram também expulsos 10 funcionários da embaixada russa.

Só que uma notícia do The New York Times desmentiu a tese russa, mostrando imagens de satélite em que se veem corpos no chão semanas antes da libertação da cidade.

À Der Spiegel, o porta-voz do governo alemão recusou comentar.

A cidade de Bucha, que fica a cerca de 37 quilómetros de Kiev, esteve ocupada durante mais de um mês pelas tropas russas. As autoridades locais dizem que mais de 300 pessoas morreram ali, 50 das quais terão sido executadas. Entretanto surgiram várias imagens do local, incluindo da CNN Portugal (que visitou a cidade). 

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados