Mobilização de Putin pode fazer cair o acordo que o manteve no poder

CNN , Análise por Nathan Hodge
28 set, 16:00
Mobilização militar parcial pode mudar futuro de Putin à frente do Kremlin (Imagem Getty)

O presidente russo, Vladimir Putin, conseguiu o inesperado em pouco menos de uma semana: derrubar o contrato social que o manteve no poder durante mais de duas décadas.

Há muito tempo que o acordo de Putin com o eleitorado russo passa por ficarem de fora da política enquanto ele garante alguma estabilidade – e esse parecia ser o pacto quando lançou a invasão em larga escala da Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Na altura, Putin teve o cuidado de sublinhar que o ataque - eufemisticamente apelidado de “operação militar especial” - seria travado apenas por militares profissionais. Isso era, afinal, um conto que permitiu que muitos russos fossem embalados num certo sonho de normalidade, vivendo as suas vidas em Moscovo ou São Petersburgo, indiferentes à carnificina na Ucrânia.

A “mobilização parcial” declarada na semana passada pelo líder do Kremlin terminou abruptamente com isso, e agora o medo está a convulsionar o corpo político da Rússia. As longas filas de carros nas fronteiras da Rússia com a Finlândia, a Geórgia e a Mongólia, mostram que milhares de homens russos, elegíveis para o serviço militar, optam por fugir. Surgiram os protestos em regiões de minorias étnicas. Há gabinetes de recrutamento militar a serem incendiados e um oficial de recrutamento foi atingido a tiro.

Viajantes da Rússia atravessam a fronteira para a Geórgia na estação Zemo Larsi/Verkhny Lars, a 26 de setembro

Surgem agora rumores de que o governo russo pode estar a preparar-se para fechar as fronteiras para impedir que os homens em idade militar deixem o país, ou então pode anunciar alguma forma de lei marcial.

As negações do Kremlin não são tranquilizadoras

“Não sei nada sobre isso”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas, quando questionado sobre possíveis encerramentos das fronteiras. “Ainda não há decisões.”

Putin construiu o seu poder na Rússia posicionando-se como o oposto do antigo líder Boris Yeltsin, que presidiu a caótica transição pós-soviética da Rússia na década de 90. Mas hoje, as imagens das multidões enfurecidas a confrontarem as autoridades e a lutarem com a polícia por causa do recrutamento de maridos e filhos parecem muito as imagens daquela década.

O mesmo vale para as cenas que surgem nos canais russos do Telegram e de outras redes sociais. Alguns parecem mostrar recrutas russos a receber notícias de que serão enviados para a frente com pouquíssimo treino. Um vídeo amplamente partilhado mostra uma mulher vestida com uma farda militar a dizer aos novos elementos que eles devem trazer o seu próprio kit essencial, desde os sacos-cama aos torniquetes.

“Peçam às namoradas, às esposas, às mães os pensos higiénicos, os mais baratos e também por tampões dos mais baratos”, diz a mulher no vídeo não confirmado. “Sabem para que servem os tampões? Para os ferimentos de bala. Põem o tampão lá dentro, começa a inchar e aguenta as paredes do corpo. Homens, aprendi isto na Chechénia.”

A primeira guerra na Chechénia, de 1994 a 1996, terminou com uma derrota humilhante para a Federação Russa. Expôs tanto a corrupção nas fileiras quanto o colapso do poderio militar do país.

Putin chegou ao poder na segunda guerra chechena que começou em 1999. Nessa guerra, o Kremlin foi muito mais cuidadoso em controlar os média, o que ajudou Putin a criar uma aura de competência e dureza.

Mas as imagens de soldados russos mortos e capturados e de equipamentos destruídos na Ucrânia oferecem hoje fortes paralelos visuais com a desastrosa primeira guerra chechena, quando os fotógrafos captaram imagens de recrutas assustados e mal equipados, detidos pelos chechenos.

Putin presidiu a uma profissionalização dos militares russos que deveria reduzir o uso de recrutas a favor do uso de militares contratados. Há uma razão para isso. O tratamento de recrutas nas forças armadas russas é tradicionalmente brutal e os grupos ativistas, como a Comissão das Mães de Soldados, mobilizaram-se durante as guerras da Chechénia para ajudar a fornecer aconselhamento jurídico aos recrutas. As mães russas organizaram-se para resgatar os filhos que tinham sido feitos prisioneiros pelos chechenos e, muitas vezes, desafiavam as autoridades pelo tratamento que davam aos soldados.

Os recentes protestos contra a mobilização parcial de Putin são um lembrete de que o projeto continua a ser o carril condutor na vida política russa. Em protestos acalorados contra a mobilização de domingo em Makhachkala, a capital regional da região norte do Cáucaso, no Daguestão, foram filmadas mulheres, nos vídeos divulgados nas redes sociais, a confrontar a polícia dizendo: “Porque levam os nossos filhos? Quem atacou quem? Foi a Rússia que atacou a Ucrânia!”

Isso explica a razão para os propagandistas mais fervorosos de Putin também estarem a canalizar parte da raiva pública sobre o que parece ser uma rede de autoridades locais, com as autoridades a emitir convocatórias para homens clinicamente inaptos e a baterem às portas para fazerem cumprir as quotas aparentes.

Margarita Simonyan, editora-chefe do canal de televisão do Estado, RT, (a anterior Russia Today) publicou nas redes sociais uma série de reclamações sobre a mão pesada dos funcionários, incluindo um caso que envolve um funcionário que ia de férias e que tinha na mão o bilhete de regresso, mas que teve de dar meia-volta na fronteira.

Ainda assim, essas críticas aos funcionários com excesso de zelo ou incompetência não são direcionadas a Putin. É uma reminiscência de um velho conto russo do “bom czar” e dos “maus boiardos”. O czar - neste caso, Putin - é visto popularmente como um governante sábio e generoso (embora distante), enquanto os seus subordinados locais e funcionários de nível inferior são os culpados por minar as boas intenções do czar. São eles, e não o governante, os alvos da ira popular.

Há também aqui uma ameaça implícita. Não são apenas os maus funcionários que podem ser punidos por não cumprirem adequadamente as suas quotas. A convocação também é uma ferramenta destinada a incutir medo e passividade. Noutra publicação nas redes sociais, Simonyan observou com satisfação que a convocação foi emitida para homens que participaram num protesto antimobilização em Arbat, uma artéria central de Moscovo.

“Todos os homens que participaram na manifestação contra a mobilização no Arbat receberam mais de 200 avisos de mobilização. Mais uma remessa preparada”, escreveu ela. “Na minha opinião, é melhor do que o Professor do Ano de Pskov.”

Realizada com competência ou não, a mobilização parcial pode ser uma das jogadas mais arriscadas de Putin até hoje. E embora o seu controlo do poder permaneça forte, ele está a puxar um dos blocos de base do puzzle.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados