Eles casaram-se no dia da invasão da Rússia. Tem sido o ano mais longo das suas vidas

CNN , Ivana Kottasová
26 fev 2023, 13:13

Olhando para o ano que passou, o casal disse que sente que “passaram 40 anos”.

Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin não celebraram o seu primeiro aniversário de casamento esta sexta-feira.

O casal ucraniano casou-se no dia em que a Rússia lançou um ataque em larga escala ao seu país. Um ano mais tarde, a Ucrânia ainda está em guerra. Continuam a cair do céu mísseis russos e continuam a morrer pessoas.

Não há muito para celebrar, disseram eles. “Um ano passou e todas as memórias começam a regressar”, disse à CNN Arieva, na sua casa e na de Fursin, em Kiev.

Segundo contou, ela evitou durante meses vestir um fato que recebeu poucos dias antes da invasão, porque trazia de volta memórias dos momentos mais sombrios da sua vida.

“Não são as memórias que queres ter sempre na tua cabeça”, afirmou.

Arieva, de 22 anos, e Fursin, de 25, apressaram-se a dar o nó no Mosteiro de cúpula dourada de São Miguel a 24 de Fevereiro, meses antes da data que tinham planeado para o seu casamento, previsto para maio. Eles queriam estar juntos independentemente do que acontecesse a seguir. Desde então, o local tornou-se um dos favoritos nas visitas de dignitários estrangeiros nas viagens de demonstração de apoio a Kiev. Recentemente, o Presidente dos EUA, Joe Biden, foi lá fotografado com o líder da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, durante a sua visita surpresa na segunda-feira.

“Lembro-me da minha cerimónia de casamento e da sensação de não saber nada. Aquele futuro imprevisível e assustador”, disse Arieva.

No mesmo dia, recolheram as suas armas e inscreveram-se como voluntários na unidade local de força de defesa territorial, o ramo voluntário das forças armadas da Ucrânia, determinados em defender a sua cidade. Arieva presta serviço público como vereadora eleita da cidade de Kiev, uma posição governamental não remunerada em part-time, e que significou que lhe foi dada uma arma.

Fursin e Arieva continuam a ter as armas que lhes foram entregues no início da guerra. Dizem que estão prontos a regressar ao serviço se surgir a necessidade. Fotografia Brendan Hoffman para a CNN

Fursin foi imediatamente enviado para a linha da frente. Segundo contou à CNN, viu um autocarro cheio de voluntários e simplesmente saltou lá para dentro, sem saber para onde se dirigia.

Ele e outros voluntários estavam a formar a segunda linha de defesa a norte de Kiev, em Irpin, Hostomel e outras áreas que rapidamente se tornaram campos-chave de batalha.

“Na primeira noite, estávamos totalmente impreparados. Não tínhamos nenhuma trincheira, nada”, disse ele.

Fursin foi colocado à frente de um grupo de 10 pessoas, na sua maioria outros homens muito jovens. As suas qualificações? Ele era o único dos 11 que tinha segurado uma arma automática antes.

“O comandante viu como eu manuseei a arma e disse: ‘Pega nestas pessoas e faz abrigos e posições de emboscada e pensa em que direção irás correr’", relatou Fursin. “Estávamos a cavar trincheiras. Apenas a cavar, a cavar, a cavar, toda a noite”.

Arieva, entretanto, estava de volta à base da sua unidade de defesa territorial em Kiev, tentando ser útil.

“Na primeira noite em que estava à espera do meu marido, quando ele partiu para a sua primeira batalha, penso que foi a noite mais assustadora da minha vida, porque, claro, não podia telefonar-lhe porque ele tinha de desligar o telefone”, relembrou ela.

“Eu não era religiosa, mas naquele momento rezei a todos [os] deuses que conheço para que ele voltasse são e salvo”.

Apesar de ser voluntário, Fursin esteve perto das linhas de frente e foi treinado para usar armas anti-tanque. Foto cortesia Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin

O mês e meio seguinte é um nevoeiro.

Fursin continuou a sair em missões. Ele esteve sobretudo em postos de controlo e na formação de uma segunda linha de defesa, mas viu-se confrontado algumas vezes com tropas russas e foi treinado para disparar mísseis antitanque. Recusa-se a entrar em pormenores além de dizer que usou as suas armas durante esse tempo. “Foi-nos dito para não falarmos sobre isso”, justificou.

Arieva, entretanto, trabalhava num pequeno escritório com outras oito pessoas, das 7 da manhã até às 10 da noite todos os dias. Havia três pequenas mesas com pouco espaço para os computadores e muito menos para as pessoas. As barras de chocolate Bounty e Snickers, cigarros e maços de tabaco tornaram-se moeda forte durante esse tempo.

Ambos admitem que a experiência foi dura.

“Nos nossos sonhos, quando estávamos a imaginar a coisa, éramos heróicos e fortes. E a realidade era que nos lavávamos uma vez por semana porque não havia duches e não era muito agradável, [com] a falta de sono e por vezes de comida”, conta ela.

Ainda assim, olham para trás com orgulho e carinho.

“Todos se esqueceram de quem são, se eram muito famosos ou muito ricos ou políticos muito influentes, estavam apenas a ajudar-se uns aos outros, juntos a fumar e sem saber o que se estava a passar”, disse Arieva.

Arieva disse ter deixado de fumar dias antes do início da guerra, mas a sua determinação não durou muito.

“Eu disse que deixaria de fumar no dia da vitória, mas talvez tivesse de tentar antes”, disse ela.

Arieva mostra a sua coleção de recordações de cúpulas de neve recolhidas durante as suas viagens. Fotografia Brendan Hoffman para a CNN

Vida civil

Quando as tropas russas se retiraram da região de Kiev no início de abril, o tempo de Arieva e Fursin na defesa territorial chegou ao fim. Os militares decidiram que era necessário tornar as unidades voluntárias mais profissionais e apenas aqueles com experiência militar anterior foram autorizados a permanecer.

Foi pedido a Fursin e a Arieva que abandonassem a força.

“Foi difícil voltarmos a ser civis, porque não queríamos ser protegidos, queríamos fazer algo”, disse ela.

Tentaram desfrutar das pequenas coisas, como o primeiro cappuccino desde o início da guerra. “Era a coisa mais saborosa. Aquele cappuccino com espuma, aquela beleza, aquele gosto… [a guerra] fez-nos realmente dar muito mais valor às coisas”, disse ela.

Para Fursin, a invasão do ano passado foi a segunda da sua vida. Ele cresceu na Crimeia e vivia na península ucraniana quando a Rússia a anexou à força, em 2014. A sua avó estava demasiado doente para viajar na altura, pelo que eles ficaram.

“Lembro-me de como o lugar mudou depois disso. Costumávamos brincar dizendo que se ia dormir num país e acordar num outro”, conta.

Quando a família de Fursin finalmente deixou a Crimeia, instalou-se em Irpin. Apenas três anos mais tarde, a sua casa foi, mais uma vez, invadida pelas tropas russas.

Fursin e Arieva voltaram-se para o voluntariado assim que deixaram a força militar, distribuindo ajuda humanitária em áreas recentemente libertadas. Fotografia cortesia Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin
A casa da família de Fursin em Irpin foi gravemente danificada durante a invasão. Fotografia: cortesia Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin

O casal descreve o choque ao voltar a Irpin depois da sua libertação, no início de abril. A cidade a norte de Kiev tornou-se a linha da frente durante a batalha pela capital. Foi aqui que as forças ucranianas conseguiram repelir o ataque.

A casa da família ainda estava de pé, mas estava gravemente danificada, com janelas estilhaçadas e metade do edifício queimado.

De volta ao mundo civil, o casal começou a voluntariar-se, levando comida e mantimentos básicos para as povoações libertadas a norte de Kiev. A procura era tão avassaladora que por vezes tinham de fazer várias viagens por dia.

“Lembro-me de Katyuzhanka, porque trouxemos muito pão, macarrão e algum molho, pilhas elétricas, e havia uma enorme quantidade de pessoas à espera. Demos tudo o que tínhamos e tivemos de voltar e trazer mais pão, porque mais de metade das pessoas não recebeu nada e não tinha uma fatia de pão”, disse Arieva.

Ela ainda se lembra de pessoas que partilharam histórias aterradoras da vida sob ocupação, e que rebentaram em lágrimas quando ouviram estranhos a falar ucraniano.

“Foi realmente... difícil ouvir estas histórias, dói”, disse ela.

Lentamente, a vida começou a voltar ao normal. Era primavera e Kiev estava em plena floração. Era realmente uma renovação, disseram eles.

Tiveram o seu casamento oficial na Câmara Municipal e uma pequena celebração em maio, principalmente porque o depósito estava pago e não era reembolsável. Arieva conseguiu finalmente apresentar o seu marido à sua bisavó de 97 anos.

Arieva conseguiu finalmente apresentar Fursin à sua bisavó na Primavera. Foto: cortesia Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin

Ambos tinham perdido os seus empregos logo no início da invasão. Arieva estava a trabalhar para o Comité de Eleitores da Ucrânia, uma organização de observadores, e Fursin para uma cooperativa habitacional em Irpin.

Quando começaram a ficar sem dinheiro, decidiram concentrar-se no trabalho e nos seus estudos.

Durante o Verão, Fursin acabou por formar-se na universidade. Começou o seu curso na Crimeia mas, quando a sua família fugiu da península ocupada em 2019, teve de recomeçar. Agora está a trabalhar em projetos de programação de software.

Arieva, entretanto, decidiu concentrar-se em aprender a programar. A tecnologia é o único sector que ainda está a crescer na Ucrânia, porque permite que as pessoas trabalhem à distância.

Mas o seu plano para trabalhar e estudar à distância descarrilou quando a Rússia lançou uma onda de ataques às infraestruturas energéticas da Ucrânia no Outono. Rapidamente o trabalho tornou-se impossível.

“Teríamos duas horas de eletricidade, depois cinco horas sem eletricidade, depois três horas de eletricidade, foi realmente desmoralizante”, disse Arieva.

“O pior de tudo foi que as ruas não estavam iluminadas. E nem todas as pessoas usam as suas tochas ou têm casacos [com reflectores] para serem vistos na estrada. E todas as semanas eu via um acidente de carro da minha varanda e algumas pessoas morriam", acrescentou ela.

No Outono, adotaram um gato e chamaram-lhe Kus, ucraniano para “morder”. Mesmo agora, meses mais tarde, os braços de Fursin estão cobertos de arranhões de gato.

O casal adotou um gato no Outono. Quando chegou o Natal, decidiram que iriam celebrar o feriado de Natal a 24 de dezembro, em oposição a 7 de Janeiro. Foto: cortesia Yaryna Arieva e Sviatoslav Fursin

Quando o Natal começou a aproximar-se, o casal, juntamente com as suas famílias, decidiu mudar a data em que celebrariam o Natal. Em vez do dia 7 de Janeiro, que marca o nascimento de Jesus segundo o calendário juliano, ainda utilizado pela Igreja Ortodoxa Russa, celebraram a 24 de dezembro, que marca o nascimento de Jesus segundo o calendário gregoriano.

“Por isso tivemos dois Natais em 2022”, disse Arieva.

A Igreja Ortodoxa da Ucrânia anunciou no Outono que iria permitir às suas igrejas celebrar o Natal em dezembro.

“Faz mais sentido. Foi mais simbólico e eu gostei muito. E também é bom já não celebrarmos com os russos”, disse Arieva.

A família não tinha a habitual distribuição completa de 12 pratos para o jantar de Natal, porque a eletricidade esteve ligada apenas durante seis horas nesse dia. Cozinharam Kutia, a tradicional refeição de Natal ucraniana em forma de papa que consiste em trigo ou arroz, passas, nozes, mel e sementes de papoila, utilizando o cilindro de gás de emergência.

Ao aproximar-se o primeiro aniversário da guerra - e do seu casamento -, Arieva e Fursin estão a refletir sobre a forma como este ano os mudou.

Arieva disse que é uma pessoa completamente diferente. “Tornei-me menos ingénua e menos infantil. E talvez isso me tenha tornado um pouco mais forte. Porque o que não nos mata, torna-nos mais fortes, é claro”, disse ela.

“Só quando se vê isto é que se compreende o valor da vida. E para mim, isto é 100%”, disse Fursin. “O que passámos juntos… eu compreendo que [somos] completamente diferentes. E que [continuamos] a amar-nos, isso, para mim, é talvez o maior sinal de que é amor verdadeiro”, disse ele.

Olhando para o ano que passou, o casal disse que sente que “passaram 40 anos”. Foto Brendan Hoffman para a CNN
Fursin e Arieva há um ano, em fevereiro de 2022.

Yulia Kesaieva, Ingrid Formanek, Dasha Markina-Tarasova e Mark Phillips contribuíram para este relatório.

Família

Mais Família

Patrocinados