Imagens de Gaza mostram fuga em massa em direção ao sul

CNN , Jessie Yeung, Kareem El Damanhoury, Eyad Kourdi, Niamh Kennedy, Sophie Jeong, Abeer Salman e Sophie Tanno
14 out, 18:03
Palestinianos fogem de Gaza para o sul após ordem israelita de evacuação  (AP)

Explosão mortal atinge rota de evacuação de Gaza depois de Israel ter dado prazo.

Uma explosão atingiu um comboio numa rota de evacuação em Gaza, matando várias pessoas, incluindo várias crianças, depois de ter sido estabelecido um prazo rigoroso antes de um possível ataque terrestre israelita.

As FDI informaram na sexta-feira os civis da cidade de Gaza e arredores que deviam deslocar-se para sul para evitar serem apanhados pelas operações militares israelitas, tendo anunciado um prazo de evacuação de seis horas já no sábado.

Israel tem concentrado tropas e equipamento militar na fronteira com Gaza e continuou a bombardear o território densamente povoado em resposta aos mortíferos ataques de 7 de outubro do grupo islâmico Hamas.

Vídeos autenticados pela CNN mostram um cenário de grande destruição após a explosão de sexta-feira na rua Salah Al-Deen. Vários corpos, incluindo de crianças, podem ser vistos num reboque de caixa aberta que parece ter sido utilizado para transportar pessoas para fora da cidade de Gaza. Há também uma série de automóveis muito queimados e danificados.

Não se sabe ao certo o que causou a devastação generalizada. A CNN contactou as IDF para obter comentários sobre eventuais ataques aéreos no mesmo local.

Mesmo antes do aviso de evacuação, mais de 400 mil palestinianos já tinham sido deslocados internamente durante a última semana de combates, à medida que as condições se agravavam no interior da faixa bombardeada.

Mas a declaração de evacuação e a perspetiva de uma potencial incursão foram duramente criticadas por grupos de defesa dos direitos humanos, incluindo pelo diretor do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA), que alertou para o facto de tal medida poder ter "consequências humanitárias catastróficas".

As FDI anunciaram no sábado que permitiriam que as pessoas se deslocassem para sul "para sua própria segurança" em ruas específicas de Gaza, das 10h00 às 16h00, hora local, de acordo com uma declaração partilhada pelo porta-voz árabe das FDI, Avishay Adraee, no X, anteriormente conhecido como Twitter.

As IDF afirmaram que os líderes do Hamas já tinham tomado medidas para se protegerem dos ataques na zona.

Não se sabe até que ponto a mensagem foi recebida no terreno, dado o atual corte de eletricidade e da Internet.

Quando questionado pela CNN sobre a forma como esta janela de seis horas foi comunicada aos cidadãos em Gaza, o porta-voz das IDF, Major Doron Spielman, disse que "toda a gente na Cidade de Gaza sabe agora exatamente o que está a acontecer".

"Foram notificados em árabe, em várias línguas, em todas as plataformas disponíveis, tanto electrónicas como não electrónicas. Toda a gente na Cidade de Gaza sabe que tem de passar por Wadi Gaza".

Spielman confirmou que as IDF lançaram panfletos informando a população de Gaza sobre o anúncio das IDF.

No entanto, a CNN falou com um funcionário de uma escola da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados, com um paramédico e com um jornalista no terreno, que não tinham conhecimento deste último aviso no sábado.

O posto fronteiriço "não está aberto"

Os palestinianos-americanos têm estado à espera que a passagem fronteiriça de Rafah para o Egipto abra no sábado, depois de o Departamento de Estado dos EUA ter enviado orientações às famílias na sexta-feira, dizendo-lhes que "pode estar aberta" no sábado à tarde.

"Disseram a toda a gente para estar aqui às 12 horas, já passaram quase duas horas, ninguém apareceu, ninguém está aqui para abrir os portões". Haneen Okal, uma residente de Nova Jersey, à espera com os seus três filhos, disse.

"As pessoas estão à espera no ponto de passagem de Rafah, mas não está aberto e não há uma orientação clara da embaixada", disse Mai Abushaaban, uma jovem de 22 anos de Houston que está em contacto com a sua família na fronteira.

A CNN contactou o Departamento de Estado e o Conselho de Segurança Nacional dos EUA para obter comentários.

Palestinianos com os seus pertences fogem para áreas mais seguras na Cidade de Gaza após ataques aéreos israelitas em 13 de outubro de 2023. Mohammed Abed/AFP/Getty Images

Mais de dois milhões de palestinianos - incluindo mais de um milhão de crianças - vivem na Faixa de Gaza, um dos locais mais densamente povoados do planeta.

Imagens exemplificam a densidade populacional, permitindo imaginar o impacto por exemplo de bombas. Grafismo CNN adaptado pela CNN Portugal  

Imagens de Gaza mostraram uma corrida em massa em direção ao sul do enclave costeiro a partir de sexta-feira. Os civis amontoavam-se em carros, táxis, camionetas e até em carroças puxadas por burros. As estradas estavam cheias de filas serpenteantes de veículos carregados de malas e colchões.

Aqueles que não tinham outras opções caminhavam, carregando o que podiam. Alguns permaneceram no local, dizendo à CNN que sentiam que não havia lugar seguro.

Desde que a ordem de evacuação foi emitida na sexta-feira, os ataques aéreos militares israelitas mataram 70 pessoas evacuadas e feriram outras 200, informou o gabinete de imprensa do Hamas à CNN.

Os serviços médicos palestinianos e as equipas de defesa civil foram alvo de um ataque israelita no local de uma operação de salvamento no norte de Gaza, no sábado, de acordo com o Ministério do Interior e da Segurança Nacional palestiniano.

"As forças de ocupação têm como alvo as equipas de defesa civil e os serviços médicos enquanto trabalhavam no resgate de mártires e feridos da casa da família Dahman, no norte da Faixa de Gaza, na madrugada de sábado", afirmou o Ministério em comunicado.

Alguns estabelecimentos de saúde no norte de Gaza e na cidade de Gaza afirmaram que não vão cumprir as ordens de evacuação de Israel, uma vez que estas "ameaças funcionam efetivamente como uma 'sentença de morte' para os milhares de feridos e doentes alojados nestes estabelecimentos".

 

Locais dos ataques do Hamas e dos ataques israelitas

Israel está a bombardear Gaza, densamente povoada, com ataques aéreos e o grupo militante Hamas tem lançado barragem após barragem de rockets contra cidades israelitas, na sequência do ataque sem precedentes do grupo militante no fim de semana passado.

Dados de 12 de outubro de 2023 às 7h30 ET. Fontes: Forças de Defesa de Israel, Hamas, reportagem da CNN. Gráficos: Lou Robinson, Rosa de Acosta e Renée Rigdon, CNN

 

A manhã deste sábado assinalou uma semana desde o ataque sangrento e sem precedentes do Hamas a Israel, que matou mais de 1300 pessoas e levou à captura de reféns civis e militares que se crê estarem atualmente detidos em Gaza.

O ataque surpresa, amplamente descrito como o 11 de setembro de Israel, viu vagas de combatentes do Hamas, fortemente armados, a invadir cidades rurais israelitas, kibutzim e bases militares.

Em reação, Israel ordenou um "cerco total" a Gaza, incluindo o bloqueio de alimentos, água e combustível, ao mesmo tempo que efectuava os ataques aéreos mais pesados de sempre contra o enclave.

Os observadores internacionais alertam para o facto de o corte de acesso a Gaza poder provocar a morte de civis por fome, doenças e falta de cuidados médicos para o número crescente de moribundos e feridos.

No sábado, as hostilidades entre o grupo militante libanês Hezbollah e as forças das Forças Armadas israelitas estenderam-se às disputadas quintas de Shebaa, perto da fronteira entre Israel e o Líbano. Israel afirmou ter respondido ao fogo depois de o Hezbollah ter lançado um ataque contra o território - uma faixa de terra disputada entre o Líbano e a Síria, adjacente aos Montes Golã, sob controlo israelita.

As Nações Unidas descreveram a situação na Faixa de Gaza como uma questão de "vida ou de morte", alertando para o facto de o abastecimento de água potável aos dois milhões de pessoas que ali vivem estar a diminuir perigosamente. A ONU alertou também para o aumento do risco de doenças transmitidas pela água.

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA) apelou no sábado a Israel para não atacar os seus abrigos em Gaza, alertando para o facto de muitas pessoas, incluindo mulheres grávidas e pessoas idosas ou deficientes, não poderem fugir da zona.

Pelo menos 2 215 palestinianos foram mortos em Gaza devido aos ataques israelitas, informou o Ministério da Saúde palestiniano numa atualização feita no sábado. Este número inclui 724 crianças.

Um hospital de Gaza, sobrecarregado, recorreu à utilização de camiões de gelados de fábricas locais como morgues improvisadas para complementar as mortuárias do hospital, que estão a transbordar.

Yasser Khatab, patologista forense do hospital dos Mártires de al-Aqsa, disse numa mensagem de vídeo enviada à CNN no sábado que o hospital de Deir al-Balah não tem capacidade para acolher o número crescente de mortos.

 

Crise humanitária aumenta com o isolamento de Gaza por Israel

O número de pessoas deslocadas internamente em Gaza está a aumentar à medida que continuam os ataques aéreos israelitas. Com todos os pontos de passagem fechados, os fornecimentos essenciais, incluindo combustível, alimentos e água, não podem chegar ao território, deixando os residentes numa situação de extrema necessidade. Os hospitais e os residentes dependem de geradores de energia, que estão a ficar sem combustível, e o acesso à água é afetado pelos cortes de energia.

Tradução, começando em cima à esquerda e continuando na direção dos ponteiros do relógio:

Acesso proibido por Israel - a zona de pesca está limitada a 11 km a norte e a 28 km a sul.

Vedação israelita - a vedação com 60 km de comprimento é constituída por uma barreira subterrânea de betão, arame farpado, equipamento de deteção de intrusão e torres de vigia.

Passagem de Erez - a única forma de sair de Gaza é através de duas passagens designadas, embora estas só deixem passar pessoas autorizadas.

Central eléctrica de Gaza - com capacidade para gerar apenas 16% da procura de eletricidade de Gaza (2022), o enclave depende de Israel para colmatar o défice.

No interior da vedação existe uma área restrita de 300 metros, apenas acessível a agricultores.

Aeroporto Internacional de Gaza - encerrado desde 2002

Vedação egípcia - esta secção tem 12,6 km de comprimento e foi construída pelo Egipto, que gere uma passagem para peões e mercadorias.

Nota: Número de pessoas deslocadas em 11 de outubro de 2023.

Fontes: Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários, Ministério da Defesa de Israel, Companhia de Distribuição de Eletricidade de Gaza Gráficos: Lou Robinson e Rachel Wilson, CNN

Fontes: Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários, Companhia de Distribuição de Eletricidade de Gaza Gráficos: Lou Robinson e Rachel Wilson, CNN

 

Os funcionários da ONU foram inicialmente informados por Israel, na quinta-feira, de que a deslocação dos residentes de Gaza deveria ocorrer no prazo de 24 horas. Mas, desde então, Israel reconheceu que a ordem de migração em massa levará algum tempo e o porta-voz das FDI, o tenente-coronel Peter Lerner, disse na sexta-feira que qualquer prazo "pode ser ultrapassado", aumentando a incerteza que paira no ar.

Um outro porta-voz das FDI, o tenente-coronel Jonathan Conricus, afirmou no sábado que o Hamas estava a tentar impedir a evacuação dos civis palestinianos "através de mensagens e também de postos de controlo e paragens no terreno", citando relatos da comunicação social.

Quando questionado pela CNN sobre se a ordem de evacuação sugeria uma incursão terrestre iminente, Conricus disse que as IDF iriam "avaliar a situação no terreno" e "ver quantos civis restam na área... Assim que virmos que a situação é permissível para operações de combate significativas, então elas começarão".

As Forças Armadas israelitas afirmaram também no sábado que os seus caças atingiram o quartel-general operacional utilizado pelos militantes do Hamas, matando o chefe do Sistema Aéreo do Hamas na cidade de Gaza, que os militares afirmam ser "o principal responsável pela direção dos terroristas" durante o ataque da semana passada a Israel.

O prazo de evacuação imposto por Israel suscitou alarme a nível internacional e fortes críticas por parte de alguns grupos de defesa dos direitos humanos, especialmente à medida que se esgotam os bens essenciais e aumentam as mortes no enclave isolado, do qual os residentes dizem não ter escapatória.

"A ordem de evacuar 1,1 milhões de pessoas do norte de Gaza desafia as regras da guerra e a humanidade básica", escreveu o diretor do OCHA, Martin Griffiths, numa declaração na sexta-feira. "As estradas e as casas (em Gaza) foram reduzidas a escombros. Não há sítio seguro para onde ir".

 

Número de mortos nos conflitos israelo-palestinianos nos últimos 15 anos

A violência mais recente causou mais de 1300 mortes em Israel e mais de 2200 em Gaza até 14 de outubro, segundo as autoridades de ambos os lados.

Última atualização: 14 de outubro de 2023 às 6:30 a.m. ET. Fontes: Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários; Forças de Defesa Israelitas; Ministério da Saúde Palestiniano Gráficos: Henrik Pettersson e Alex Leeds Matthews

 

O território tem estado sob um bloqueio terrestre, marítimo e aéreo imposto por Israel desde 2007, com mais de metade dos seus residentes a viver abaixo do limiar da pobreza, mesmo antes do último conflito. Agora só resta um corredor para os palestinianos fugirem ou para a ajuda entrar, que liga Gaza ao Egipto - e não se sabe se está sequer operacional.

Entretanto, o Programa Alimentar Mundial afirmou ter distribuído alimentos a 135.000 pessoas em abrigos em Gaza na sexta-feira, mas advertiu que "os fornecimentos humanitários estão a escassear".

O OCHA acrescentou que a maioria das pessoas não tem atualmente acesso a água na faixa. "Como último recurso, as pessoas estão a consumir água salobra de poços agrícolas, o que suscita sérias preocupações quanto à propagação de doenças transmitidas pela água", acrescentou.

Em resposta, o embaixador de Israel na ONU disse na sexta-feira que o governo está a fazer "tudo o que pode para minimizar as vítimas civis" ao emitir a ordem de evacuação, e acusou a ONU de não querer que Israel "se defenda".

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados