A Rússia acelera o realojamento de civis em Kherson. Pode perder em breve uma das maiores conquistas da sua guerra

CNN , Mick Krever
20 out, 21:00
Esta vila, localizada na fronteira da região de Kherson, foi recentemente reconquistada pelas forças ucranianas. Foto: Metin Aktas/Anadolu Agency/Getty images

Sete meses depois do início da guerra, o Kremlin considera a região ucraniana de Kherson como fazendo parte da Rússia. No entanto, estão a soar os alarmes sobre a sua capacidade de resistir a uma ofensiva ucraniana na região

Esta quarta-feira, os líderes russos instalados na região de Kherson, na Ucrânia, começaram a aumentar em massa o realojamento de até 60 000 pessoas entre os avisos sobre a capacidade de a Rússia resistir a uma contraofensiva ucraniana.

Os oficiais ucranianos acusaram a Rússia de gerar “histeria” para obrigar as pessoas a partir. Os residentes na cidade de Kherson começaram a receber mensagens de texto, na quarta-feira de manhã, da administração pró-russa.

“Caros residentes”, lê-se. “Evacuem imediatamente. Haverá bombardeamentos de áreas residenciais pelas Forças Armadas da Ucrânia. Haverá autocarros a partir das 7:00, de Rechport [porto fluvial] até à Margem Esquerda”.

Entretanto, na quarta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que tinha assinado uma lei que introduzia a lei marcial em Kherson e em três outras regiões ucranianas que o Kremlin afirma ter anexado, em violação da lei internacional. As outras regiões são Zaporíjia, Donetsk e Lugansk.

Na sua primeira aparição na televisão estatal russa como novo comandante do Kremlin para a Ucrânia, o general Sergey Surovikin disse, na terça-feira à noite, que a situação em Kherson estava “longe de ser simples” e “muito difícil”.

“Os nossos planos e ações futuras em relação à cidade de Kherson dependerão da situação militar e tática no terreno”, disse ele.

As forças ucranianas têm vindo a avançar em várias partes da região de Kherson nas últimas semanas, capturando aldeias e terras agrícolas ao longo da margem ocidental do rio Dnipro, também conhecida como a margem direita.

A capacidade da Rússia de reabastecer as suas tropas em Kherson tem sido severamente prejudicada pelos frequentes ataques de mísseis e artilharia ucraniana nas pontes controladas pela Rússia que atravessam o Dnipro. A explosão, no início deste mês, que danificou gravemente a ponte de Kerch, que liga a Rússia à Crimeia, veio estrangular ainda mais a logística russa.

Na semana passada, o chefe da administração apoiada pela Rússia apelou ao Kremlin para ajudar na evacuação de civis perto da linha da frente.

Na terça-feira, a retórica atingiu um novo nível. Pouco depois das 23:00, hora local, Kirill Stremousov, o chefe adjunto da administração apoiada pela Rússia, colocou um vídeo no seu canal do Telegram.

Dados de 17 de Outubro. Fonte: Institute for the Study of War e AEI's Critical Threats Project

“Os nazis ucranianos empurrados pelo Ocidente vão começar o seu ataque a Kherson muito em breve”, disse ele. “Aconselhamos vivamente a abandonar a zona da margem direita”.

Esta manhã, pouco depois das 8:00, deu seguimento à recomendação: “atravessem o mais depressa possível para a margem esquerda [o lado oriental] do rio Dnipro”. Horas mais tarde, a administração apoiada pela Rússia chegou ao ponto de fechar todas as entradas na margem direita do rio Dnipro durante sete dias.

Os funcionários ucranianos acreditam que menos de metade da população civil de Kherson se encontra na cidade, cerca de 130 000 pessoas.

Vladimir Saldo, o líder apoiado pela Rússia na região de Kherson, disse à televisão estatal russa, na terça-feira à noite, que planeavam transferir 50 000 a 60 000 pessoas da margem direita para a esquerda do rio Dnipro.

Os líderes ucranianos exilados na região de Kherson acusam os líderes russos de “histeria” para intimidar a população e decretar “deportações voluntárias” para a Rússia, onde lhes foi prometida ajuda quanto a habitação.

“Por um lado, compreendemos que as Forças Armadas da Ucrânia libertarão Kherson e a região. Consequentemente, poderão existir hostilidades ativas e isto é um risco para a população local”, disse Yurii Sobolevskyi, chefe adjunto do conselho regional da Ucrânia para Kherson, à CNN, na quarta-feira.

“Por outro lado, não há garantias de que as pessoas evacuadas estarão a salvo lá e longe da linha da frente. Agora, as pessoas tomam as suas próprias decisões, de partir ou ficar. É difícil dizer que decisão irão tomar”.

A “deportação em massa de civis” pela Rússia poderia, juntamente com outros alegados abusos, constituir crimes contra a humanidade, de acordo com um relatório de julho da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Em setembro, o Conselho de Segurança das Nações Unidas também afirmou que a deportação forçada da Rússia de 2,5 milhões de pessoas da Ucrânia, incluindo 38 000 crianças, constitui uma violação dos direitos humanos.

A Ucrânia denunciou o esquema de “filtragem” da Rússia numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, na semana passada. A embaixadora adjunta da Ucrânia junto da ONU, Khrystyna Hayovyshyn, disse que os ucranianos forçados a dirigirem-se para a Rússia, ou território controlado pela Rússia, estão a ser mortos e torturados.

Hayovyshyn disse ao Conselho de Segurança que milhares de cidadãos ucranianos estão a ser deportados à força para “regiões isoladas e deprimidas da Sibéria e do Extremo Oriente”.

Os cidadãos ucranianos estão aterrorizados, sob o pretexto de uma busca de pessoas “perigosas” pelas autoridades russas, disse Hayovyshyn. Aqueles que têm opiniões políticas diferentes ou estão afiliados ao governo ucraniano ou aos meios de comunicação social, desaparecem numa área cinzenta. As crianças são arrancadas dos braços dos seus pais, declarou a representante da Ucrânia.

Cidade estratégica vital

Nos primeiros dias da invasão total da Ucrânia pela Rússia, quando se instalou a confusão, a captura da cidade de Kherson, no Sul, foi uma vitória estratégica e propagandística fundamental para o Kremlin.

Apenas no sétimo dia da guerra, o presidente da câmara de Kherson anunciou que soldados russos tinham entrado no seu gabinete e que a cidade tinha caído.
Geograficamente, era vital: Kherson encontra-se na foz da artéria central da Ucrânia, o rio Dnipro, e não muito longe do canal que fornece água à Crimeia. O governo da Ucrânia tinha encerrado esse canal em 2014, quando a Rússia anexou ilegalmente a península.

Foi a primeira grande cidade capturada pela Rússia e a única capital regional tomada desde fevereiro. (Para além da Crimeia, as forças apoiadas pela Rússia controlam as cidades de Donetsk e Lugansk desde 2014). É o segundo maior centro populacional que a Rússia capturou depois de Mariupol.

Sete meses depois, o Kremlin considera a região de Kherson como fazendo parte da Rússia, depois de ter afirmado que a anexou no mês anterior. No entanto, todos, desde os líderes designados pela Rússia na região até ao novo comandante de todos os seus esforços pela sua guerra na Ucrânia, estão a soar o alarme sobre a sua capacidade de resistir a uma ofensiva ucraniana na região.

A administração fantoche russa prometeu que não há nenhum plano para abandonar a cidade de Kherson e que, quando os militares “resolverem todas as tarefas”, a vida normal regressará.

Nas suas observações na televisão russa, Surovikin, o comandante russo, repetiu o que se tornou um argumento típico nos círculos russos: que os militares ucranianos se preparavam para bombardear o centro da cidade de Kherson ou mesmo para atacar a barragem que faz parte de uma central hidroelétrica em Nova Kakhovka e desencadear inundações nas zonas baixas a jusante.

Os oficiais ucranianos desmentiram esta ideia como propaganda russa. Não será fácil para a Ucrânia retomar a cidade de Kherson se a Rússia a contestar seriamente e os militares ucranianos estarão relutantes em atacar um centro urbano onde dezenas de milhares de civis poderão permanecer.

Mas os militares ucranianos de topo continuam otimistas em relação à ofensiva de Kherson.

“Faremos progressos significativos até ao final do ano”, disse, na terça-feira o chefe da Agência de Inteligência da Defesa da Ucrânia, o major-general Kyrylo Budanov.
“Serão vitórias significativas. Irão vê-las em breve”.

Jo Shelley, Olga Voitovych e Olly Racz contribuíram para este artigo.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados