O mais avançado navio de guerra norte-americano está na Ásia, com uma missão que vai chamar a atenção da China

CNN , Por Brad Ledon
28 set, 11:17
USS Zumwalt é o primeiro de uma classe de três contratorpedeiros (Imagem Getty)

O navio de guerra de superfície mais avançado da Marinha dos EUA está a exibir o seu perfil furtivo no Pacífico ocidental, numa missão que pode preparar o terreno para uma eventual colocação de mísseis hipersónicos norte-americanos na região.

O USS Zumwalt é o primeiro de uma classe de três contratorpedeiros de mísseis guiados que, segundo a Marinha, “criará um novo nível de complexidade no espaço de batalha para os potenciais adversários.”

No Pacífico, um desses potenciais adversários é obviamente a China, e não há qualquer dúvida de que o Zumwalt chamará a atenção de Pequim.

“A presença de um navio de guerra furtivo atrairá muito interesse (chinês)”, especialmente se o Zumwalt estiver equipado com armas hipersónicas, disse o analista Carl Schuster, antigo capitão da Marinha dos EUA.

E esse tempo pode não estar muito longe.

Um relatório de agosto do Instituto Naval dos EUA disse que o Zumwalt será atualizado no próximo ano para receber o Common Hypersonic Glide Body (C-HGB) do Pentágono, um sistema de armas que usa um motor de reforço para disparar mísseis a uma velocidade hipersónica.

Segundo um relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso de maio de 2022, “o C-HGB deve ser manobrável, tornando-o mais difícil de detetar e de intercetar, e pode viajar a Mach 5 ou superior… Ou seja, pelo menos cinco vezes mais depressa do que a velocidade do som ou até cerca dos 20.900 quilómetros por hora.

“O C-HGB destina-se a destruir alvos usando apenas a sua velocidade”, disse o relatório.

Depois de fazer uma escala em Guam na semana passada, o Zumwalt chegou ao Japão nesta segunda-feira, disse o porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA, o tenente Mark Langford.

Um comunicado da Marinha disse que o navio de guerra foi destacado para a Esquadra 15 de Contratorpedeiros, a maior da Marinha dos EUA destacada fora do país, operando na Base Naval de Yokosuka, perto de Tóquio.

O Zumwalt “desempenha um papel fundamental na manutenção de nossa vantagem competitiva e nas garantias aos nossos aliados e parceiros na região”, disse a tenente Katherine Serrano, porta-voz da Esquadra 15 de Contratorpedeiros.

USS Zumwalt será equipado com armas hipersónicas no próximo ano.

O Zumwalt supera em muito os outros contratorpedeiros dos EUA

Com 185 metros de comprimento e deslocando 16.000 toneladas métricas, o Zumwalt é “o maior e mais avançado combatente de superfície do mundo”, segundo uma ficha técnica da Marinha.

Em contraste, os contratorpedeiros da classe Arleigh Burke, a espinha dorsal da frota da Marinha dos EUA, são cerca de 30 metros mais curtos com um deslocamento inferior a 10.000 toneladas.

O maior combatente de superfície da China, o contratorpedeiro Type 055, desloca cerca de 12 000 a 13 000 toneladas métricas.

Mas, embora a Marinha do Exército de Libertação Popular da China não possa igualar o tamanho de Zumwalt, não há dúvida de que tem a vantagem da quantidade.

A Marinha dos EUA terá apenas três navios da classe Zumwalt, sendo os outros o USS Michael Mansoor e o futuro USS Lyndon B. Johnson.

A Marinha da China tem seis Type 055 ativos e espera-se mais como parte de um enorme programa de construção naval que fez a frota naval chinesa ultrapassar a dos EUA e tornar-se a maior do mundo.

O USS Zumwalt está armado com 80 células de lançamento vertical para mísseis que podem atingir alvos terrestres e marítimos, bem como foguetes antissubmarinos, mas o Type 055 possui 112 células de lançamento capazes das mesmas funções.

A Marinha dos EUA diz que o Zumwalt possui uma série de inovações, sendo a mais impressionante o seu design furtivo.

“O design do casco que perfura as ondas facilitou uma ampla gama de avanços. A superestrutura reduz significativamente a secção transversal do radar e outras assinaturas, tornando o navio mais difícil de detetar pelos inimigos no mar”, de acordo com a ficha técnica da Marinha.

Um programa problemático

A classe de contratorpedeiros Zumwalt tem sido um programa controverso e caro para a Marinha dos EUA. Com os custos de pesquisa e desenvolvimento acumulados, os três navios da classe têm um preço de cerca de 8 mil milhões de dólares cada, segundo um relatório de 2018 do Gabinete de Responsabilização do Governo (GAO) ao Congresso.

Esse preço por navio teria sido consideravelmente reduzido se a Marinha tivesse prosseguido com o seu plano original de construir 32 dos contratorpedeiros maciços, mas esse número foi reduzido para os três atuais depois de o serviço ter decidido que a classe Zumwalt precisaria de alterações substanciais para realizar uma missão de defesa antimísseis balísticos, algo que os Arleigh Burkes poderiam fazer a um custo mais baixo, segundo o Serviço de Pesquisa do Congresso.

Os navios também demoraram a entrar em operação. O Zumwalt foi encomendado em 2016, mas demorou quatro anos até a Marinha aceitar a entrega final do construtor naval General Dynamics, depois de todos os sistemas terem sido verificados.

Embora os movimentos de um navio de guerra sejam normalmente chamados destacamentos, a Marinha não usa esse termo para a presença atual do Zumwalt no Pacífico, disse um oficial da Marinha.

“Embora o navio e a tripulação tenham as tarefas que os navios normalmente teriam, a presença deles faz parte do processo de integração na frota de introduzir uma classe de navio no ambiente de operações e perceber como pode operar melhor com outros navios e plataformas”, disse o oficial.

Schuster, o analista do Havai, disse que os movimentos do Zumwalt são “mais políticos do que militares” até a Marinha conseguir colocar as armas hipersónicas a bordo.

“Com um custo superior a 8 mil milhões de dólares cada, a Marinha debate-se para encontrar uma missão para estes navios atualmente apenas levemente armados”, acrescentou.

Ainda assim, disse ele, isto dará à Marinha da China algo em que pensar.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados