UE concorda em taxar lucros extraordinários numa altura de “corrida louca" para domar crise energética

CNN , Anna Cooban
1 out, 16:19
Gás Natural

Governos europeus (incluindo o Reino Unido) já se comprometeram com 730 mil milhões de euros de despesa desde setembro de 2021 - quando os preços globais da energia começaram a subir.

Os governos da União Europeia concordaram na sexta-feira em tributar os lucros inesperados das empresas petrolíferas e de gás e em limitar as receitas de alguns produtores de eletricidade, à medida que o custo da crise energética da Europa aumenta em espiral.

Mas os ministros da energia dos 27 estados-membros da UE não chegaram a acordo sobre uma proposta da Comissão Europeia para impor um limite de preços às importações de gás natural russo. A crise energética foi largamente desencadeada pela invasão russa da Ucrânia

“Ainda não temos um consenso sobre este passo”, disse Kadri Simson, o principal funcionário da Comissão Europeia para a energia, numa conferência de imprensa na sexta-feira.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, acusou na semana passada os gigantes do petróleo e do gás de “se banquetearem com centenas de biliões de dólares em subsídios e lucros inesperados, enquanto os orçamentos familiares diminuem e o nosso planeta arde”. E exortou as economias ricas a imporem impostos inesperados para financiar a ajuda a pessoas que lutam com contas de energia e aos países atingidos pela crise climática.

Claude Turmes, ministro da Energia do Luxemburgo, disse que a Europa precisa de encontrar alternativas à “corrida louca” entre países que tentam ultrapassar-se uns aos outros para proteger os consumidores e as empresas de aumentos dolorosos nas suas contas.

O ministro falava menos de 24 horas depois de o governo alemão ter dito que iria pedir emprestados 200 mil milhões de euros para ajudar a reduzir os custos energéticos, incluindo um limite máximo nos preços do gás natural para famílias e empresas.

“Isso envia o sinal errado, porque parece que a Alemanha está a flexibilizar o seu músculo fiscal para subsidiar o consumo de gás na Alemanha à custa dos consumidores de gás noutros pontos da Europa”, disse à CNN Jeromin Zettelmeyer, diretor do instituto Bruegel, um grupo de reflexão sediado em Bruxelas.

730 mil milhões e a subir

O empréstimo da Alemanha soma-se aos 530 mil milhões de euros com que os governos europeus e do Reino Unido se comprometeram até agora, para proteger os consumidores contra aumentos incomportáveis das suas contas, de acordo com o Bruegel.

Esse total de 730 mil milhões de euros cobre os compromissos de despesa assumidos desde setembro de 2021 - quando os preços globais da energia começaram a subir - e inclui algumas medidas tomadas para ajudar com outras pressões sobre o custo de vida.

O Reino Unido está também a planear uma onda de empréstimos para conter a crise energética. Na semana passada, o ministro das finanças, Kwasi Kwarteng, disse que um plano para congelar as contas de energia das famílias e das empresas custaria 60 mil milhões de libras (68 mil milhões de euros) só durante os primeiros seis meses.

Mas o custo total da limitação dos preços - que durará dois anos para as famílias - poderá ascender a cerca de 150 mil milhões de libras (170 mil milhões de euros), segundo alguns especialistas, um valor que foi incluído na análise do instituto Bruegel.

O preço limitado será inteiramente financiado através de dívida adicional do governo, disse um porta-voz do departamento financeiro do Reino Unido à CNN na sexta-feira.

As medidas acordadas pelos ministros da energia da UE na sexta-feira incluem um corte obrigatório na procura de eletricidade, um limite às receitas de alguns produtores de eletricidade que não utilizam gás natural, e um imposto sobre os lucros inesperados “windfall tax”) das empresas de combustíveis fósseis, que a Comissão espera que ascenda a 143 mil milhões de euros.

Espera-se que os preços da energia a retalho aumentem 40,8% em setembro, contra 38,6% em agosto, nos 19 países que utilizam o euro, disse na sexta-feira o gabinete de estatísticas da UE.

O preço grossista do gás - que alimenta diretamente o preço retalhista do aquecimento e energia pagos pelos consumidores - começou a subir no último outono, à medida que as economias se abriam dos seus confinamentos pandémicos, causando um pico na procura.

Mas a invasão russa da Ucrânia em finais de fevereiro, e o consequente impasse energético entre Moscovo e a União Europeia, fez subir o preço de referência europeu do gás natural em 327% face há um ano.

Recessão à frente

A subida dos preços da energia está a aumentar os custos em toda a economia e a pesar no crescimento.

A inflação da zona euro atingiu um recorde em Setembro, impulsionada pelo preço da energia. Os preços ao consumidor nos 19 países que utilizam o euro aumentaram 10% em relação ao mesmo mês do ano passado - a mais alta taxa de inflação nos 25 anos desde que a moeda foi introduzida.

O Banco Central Europeu aumentou as taxas de juro num valor recorde de 0,75 pontos de base no início deste mês, numa tentativa de domar os preços em espiral, e poderá fazê-lo novamente na sua próxima reunião em outubro.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) prevê que os choques nos preços dos alimentos e da energia irão reduzir o crescimento económico na Europa em mais de 1,25 pontos percentuais no próximo ano.

“Isto empurrará muitos países para uma recessão de um ano inteiro em 2023, enquanto o crescimento do PIB também será enfraquecido em 2024”, disse a OCDE num relatório no início desta semana.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados