Quatro coisas que pode fazer para reforçar o sistema imunitário em época de constipações e gripes

CNN Portugal , FMC
23 out, 13:00
Persistência de sintomas. (Pexels)

A combinação de uma alimentação adequada e equilibrada, com exercício físico regular, uma vida sem stress, vacinação e com a adoção de alguns cuidados deixados pelos anos pandémicos da covid-19 é ideal

Com o fim do verão e o começo do outono regressam os resfriados, mas também a gripe e a covid-19.

Ainda que o mês de outubro não tenha sido o mais típico, as temperaturas vão baixar e com a chegada do frio surgem também as doenças. Teoricamente, o frio pode afetar a sensibilidade das células e torná-las mais suscetíveis à infeção.

A epidemiologista e infeciologista Helen Chu, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Washington, explica que os vírus se transmitem com maior facilidade em ambientes mais secos e frios, o que resulta a que nos meses com temperaturas mais baixas, como dezembro e janeiro, as gripes atinjam o seu auge.  

Ficar doente é, por isso, um pesadelo para muitas pessoas. Os calafrios, o nariz entupido, a tosse, as dores no corpo, garganta e cabeça, a febre, o mal-estar e tantos outros sintomas associados. Apesar de não existir "uma solução mágica ou um alimento dourado", que evite que sejamos contagiados, como sublinha à CNN Portugal o médico especialista de Saúde Pública Bernardo Gomes, certos aspetos do estilo de vida podem ajudar a reforçar o sistema imunitário e, consequentemente, ser menos suscetível a doenças.  

Segundo o especialista, a fórmula - que apenas ajuda e não é infalível - combina alimentação equilibrada, exercício físico regular, uma vida sem stress, vacinação e a adoção de alguns cuidados deixados pelos anos pandémicos da covid-19.  

Alimentação saudável

Seguir uma dieta saudável é, talvez, um dos pontos mais importantes para reforçar o sistema imunitário. Os nutrientes e complementos presentes, especialmente nas frutas e vegetais, são essenciais para que o corpo tenha a capacidade de combater os vírus, afirma Bernardo Gomes, reiterando que não existem “alimentos dourados”.  O truque está no equilíbrio.  

Segundo um estudo publicado em 2011, por David Nieman, professor norte-americano de biologia, descobriu que adultos que comiam pelo menos três frutas por dia tinham menos infeções respiratórias ao longo dos anos dos que comiam menos.  

Além disso, outros fatores como fumar ou beber álcool em excesso podem suprimir o sistema imunitário.  

Exercício físico ajuda 

Fazer exercício físico com alguma regularidade pode ser um bom aliado para prevenir doenças, explica Bernardo Gomes. O estudo da equipa de Nieman concluiu que os que treinavam cinco ou mais vezes por semana eram cerca de 43% menos prováveis de contrair doenças dos que se exercitavam menos de uma vez por semana. Ainda assim, estes últimos, mesmo que apenas façam uma pequena caminhada em toda a semana, apresentaram melhores resultados dos que nada faziam.  

O exercício estimula as células que "patrulham o corpo" em busca de células infetadas, identificando-as e eliminando-as. Ser ativo durante a semana não obriga a exercícios de grande intensidade, apenas significa que o sedentarismo deve ser contrariado alguns dias por semana, seja através de passeios ou de, por exemplo, momentos de dança.  

Descanso não deve ser sobrestimado

Se por um lado, o exercício físico é um fator essencial, por outro, uma boa noite dormida, assim como uma vida sem grande exposição ao stress, é fundamental para o sistema imunitário. Tal implica ainda que exercício em excesso pode também ser nefasto. Estudos indicam que quem dorme menos horas do que o recomendado - um adulto deve dormir entre seis a oito horas – ou quem não tenha noites com qualidade poderá ter a capacidade de combater os vírus enfraquecida. 

Apesar da dificuldade em reduzir o stress, certas técnicas podem ajudar, tal como a meditação ou o ioga, bem como o desfrutar de atividades de lazer durante uns minutos. 

Vacinação e cuidados pandémicos

A vacinação é uma forte aliada contra os vírus, diz Bernardo Gomes, especialmente para os grupos mais fragilizados. Levar a dose de reforço contra a covid-19, nomeadamente as adaptadas às novas variantes que estão, atualmente, a ser administradas em Portugal, e a imunização contra as diversas estirpes da gripe são uma mais-valia contra as doenças, ou pelo menos, contra a doença grave. 

Além disso, o médico de Saúde Pública recomenda que certos hábitos, antigamente obrigatórios aquando do Estado de Emergência, sejam mantidos “de forma voluntária”. O especialista afirma que, principalmente nesta altura do ano e em espaços fechados, as máscaras são um meio de proteção contra todo o tipo de vírus.  

Kathi Heffner, professora de enfermagem, citada pelo The New York Times, acrescenta que a pandemia ensinou o mundo sobre a “importância de lavar as mãos e manter a distância caso haja sinais de constipação”, que deve ainda ser seguida. Chu deixa ainda o aviso que na presença de sintomas “as pessoas devem ficar em casa e descansar", para evitar a propagação dos vírus. 

Relacionados

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados