Atenção: fim de semana prolongado marcado por greves nos transportes na região de Lisboa

Agência Lusa , FMC
9 jun, 21:14
Greve do Metropolitano de Lisboa

O fim de semana dedicado às festas de Santo António terá falta de meios de deslocação. Em ambas as margens da região de Lisboa os trabalhadores de transportes estão em protesto e reivindicam aumentos salariais

O fim de semana vai ficar marcado por greves nos transportes urbanos na Área Metropolitana de Lisboa devido a greves, reivindicando sobretudo aumentos salariais, e o Metro de Lisboa não deverá prolongar o horário na noite de Santo António.

Trabalhadores da Transtejo e da Soflusa, empresas com uma administração única que operam a travessia fluvial entre Lisboa e a denominada Margem Sul, vão cumprir paralisações entre sábado e segunda-feira (entre 11 e 13 de junho, feriado municipal na capital) pela valorização salarial e pela contratação de mais funcionários.

A reivindicação central desta luta, de acordo com a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), é a exigência do aumento dos salários, que considera não ser razoável com a proposta de 0,9% da administração/Governo, num momento em que a inflação está acima dos 7%.

Além da questão salarial, os trabalhadores da Soflusa exigem a contratação de trabalhadores, porque a empresa precisa de "mais 13 maquinistas para completar as 34 tripulações", segundo o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores Fluviais, Costeiros e Marinha Mercante Carlos Costa. Atualmente, referiu, só há 11 maquinistas, sendo uma tripulação composta por um maquinista, um mestre e dois marinheiros.

Na Transtejo (responsável pelos terminais do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal), a greve decorre no sábado e no domingo, entre as 08:00 e as 17:00 nos dois dias.

A paralisação na Soflusa começa no domingo a partir das 15:00 e termina na segunda-feira pelas 08:00, podendo assim condicionar o serviço da travessia entre o Barreiro (distrito de Setúbal) e o Terreiro do Paço, em Lisboa.

Também o prolongamento do serviço do Metropolitano de Lisboa, na noite de 12 para 13 de junho (de domingo para segunda), devido às festas de Santo António na cidade, não deverá funcionar devido à greve ao trabalho suplementar e a eventos especiais a decorrer neste mês de junho, já que a proposta apresentada pela empresa aos sindicatos é considerada “muito insuficiente”.

Anabela Carvalheira, da Fectrans, indicou esta quinta-feira que “nesta altura não está assegurado o serviço especial”, mas sublinhou que, apesar de não estar agendada qualquer reunião com a administração da empresa ou com a tutela, “não significa que a qualquer hora não possa existir”.

“Estamos [organizações sindicais] sempre disponíveis para isso”, salientou, depois de na quarta-feira os trabalhadores em plenário terem decidido manter o pré-aviso de greve.

Também na CP – Comboios de Portugal poderá haver perturbações nos comboios, devido à greve dos trabalhadores ao trabalho extraordinário e aos feriados, que se prolonga até ao final do mês. Para este domingo foi entretanto marcada também uma paralisação de 24 horas, no território a sul de Pombal (a norte deste concelho haverá greve em 23 de junho).

Num fim de semana que junta dois feriados - um nacional na sexta-feira, 10 de junho, e o de Lisboa (13) -, as ligações fluviais entre Setúbal e Troia, no rio Sado, devem ser afetadas no sábado e no domingo, devido a greves parciais de duas horas por turno na Atlantic Ferries.

Porém, foi marcado para esta quinta-feira um plenário de trabalhadores para apreciar a contraproposta da empresa ao caderno reivindicativo.

Segundo o sindicalista Carlos Costa, os trabalhadores da Atlantic Ferries exigem a revisão do Acordo de Empresa, incluindo uma atualização salarial de 5% para este ano.

A nível rodoviário, os trabalhadores da CarrisTur, um dos maiores operadores locais de circuitos turísticos, sob a marca Yellow Bus, vão estar em greve a todo o trabalho para além das oito horas de serviço diário, no sábado e no domingo.

A CarrisTur está presente em Lisboa, Porto, Funchal, Coimbra, Braga, Guimarães e em São Miguel, nos Açores.

Em Lisboa, opera, em regime de exclusividade, circuitos em elétrico histórico e um serviço de ligação regular em autocarro entre o Aeroporto e os principais hotéis da cidade (Aerobus).

Em reunião de conciliação entre o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP) e o Ministério do Trabalho, no final do mês de maio, a CarrisTur reconheceu a necessidade de retoma do processo de negociação, indicou o sindicato.

No entanto, o STRUP frisou que o processo de luta por um aumento salarial de 70 euros, entre muitas outras reivindicações, só seria levantado se houvesse “desenvolvimentos concretos com resultados positivos” face às reivindicações.

A central sindical CGTP-IN definiu um período de ações de luta nacional que decorre entre 27 de março e 7 de julho, sob o lema "Pelo Aumento dos Salários e Pensões! Contra o Aumento do Custo de Vida e o Ataque aos Direitos!".

Embora não sendo uma empresa de transportes, a Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL) está esta quinta-feira novamente em greve, exigindo as negociações para aumentos salariais de 90 euros.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

País

Mais País

Patrocinados