Mikhail Gorbatchov, o presidente soviético que derrubou a Cortina de Ferro (obituário)

CNN , Susannah Cullinane e Laura Smith-Spark
30 ago, 23:09

Último líder da antiga União Soviética de 1985 até 1991 morreu aos 91 anos

Gorbatchov morreu após doença prolongada, noticiaram esta terça-feira as agências noticiosas estatais russas: "Mikhail Sergeevich Gorbatchov morreu esta noite após uma doença grave e prolongada", disse o Hospital Central Clínico, citado pela RIA Novosti.

O homem a quem é dado crédito pela introdução de reformas políticas e económicas fundamentais na URSS e pela ajuda para pôr fim à Guerra Fria estava há algum tempo em estado de saúde débil.

Com a sua natureza extrovertida e carismática, Gorbatchov quebrou o molde para os líderes soviéticos que, até então, tinham sido na sua maioria figuras distantes e geladas. Quase desde o início da sua liderança, lutou por reformas significativas, para que o sistema funcionasse de forma mais eficiente e democrática. Daí as duas palavras-chave da era Gorbatchov: "glasnost" (transparência, abertura) e "perestroika" (reestruturação).

"Comecei estas reformas e as estrelas que me guiaram foram a liberdade e a democracia, sem derramamento de sangue. Assim, o povo deixaria de ser um rebanho liderado por um pastor. Tornar-se-iam cidadãos", diria mais tarde.

Do trabalho agrícola à estrela em ascensão no partido

Gorbatchov teve origens humildes: nasceu numa família de camponeses a 2 de março de 1931 perto de Stavropol, e, quando era rapaz, fez trabalho agrícola ao mesmo tempo que estudava, trabalhando com o seu pai, que era um operador de ceifeiras-debulhadoras. Mais tarde, Gorbatchov diria estar "particularmente orgulhoso da minha capacidade de detetar instantaneamente uma falha na ceifeira-debulhadora, apenas pelo som que faz".

Tornou-se membro do Partido Comunista em 1952 e concluiu um curso de Direito na Universidade de Moscovo em 1955. Foi aqui que conheceu a colega Raisa Titarenko, com quem casaria.

No início dos anos 60, Gorbatchov tornou-se chefe do departamento de agricultura para a região de Stavropol. No final da década, tinha ascendido ao topo da hierarquia do partido na região. O seu nome chegou ao conhecimento de Mikhail Suslov e Yuri Andropov, membros do Politburo, o principal órgão de definição de políticas da União Soviética, que o elegeram para o Comité Central em 1971 e organizaram viagens ao estrangeiro para esta sua estrela em ascensão.

Em 1978, Gorbatchov regressou a Moscovo, e no ano seguinte foi escolhido como candidato a membro do Politburo. A sua gestão da agricultura soviética não foi um sucesso. Como ele veio a aperceber-se, o sistema coletivista era fundamentalmente imperfeito em mais do que uma maneira.

Membro pleno do Politburo desde 1980, Gorbatchov tornou-se mais influente em 1982, quando o seu mentor, Andropov, sucedeu a Leonid Brezhnev como secretário-geral do partido. Construiu uma reputação de inimigo da corrupção e da ineficiência, subindo finalmente ao topo do partido em março de 1985.

Um homem com quem se pode negociar

Na esperança de transferir recursos para o sector civil da economia soviética, Gorbatchov começou a argumentar a favor do fim da corrida aos armamentos com o Ocidente.

Contudo, ao longo dos seus seis anos de mandato, Gorbatchov parecia estar sempre a avançar demasiado depressa para o establishment do partido - que via os seus privilégios ameaçados - e demasiado lento para os reformadores mais radicais, que esperavam acabar com o Estado de partido único e com a economia centralizada.

Tentando desesperadamente manter o controlo do processo de reforma, ele pareceu ter subestimado a profundidade da crise económica. Pareceu também ter tido um ponto cego para o poder da questão da nacionalidade: a Glasnost criou apelos cada vez mais fortes à independência dos Bálticos e de outras repúblicas soviéticas no final da década de 1980.

Foi bem sucedido na política externa, mas principalmente a partir de uma perspetiva internacional, com outros líderes mundiais a tomarem nota dele. A ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher chamou-lhe "um homem com quem se pode negociar".

Em 1986, face a face com o Presidente americano Ronald Reagan numa cimeira em Reiquiavique, na Islândia, Gorbatchov fez uma proposta impressionante: eliminar todos os mísseis de longo alcance detidos pelos Estados Unidos e pela União Soviética. Era o início do fim da Guerra Fria.

Foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz em 1990 "pelo seu papel de liderança no processo de paz que hoje caracteriza partes importantes da comunidade internacional".

O pacto resultante, o Tratado das Forças Nucleares de Interesse Intermédio, durou três décadas como um pilar do controlo de armas até que, em 2019, os Estados Unidos se retiraram formalmente e o governo russo disse que ele tinha sido remetido para o caixote do lixo.

Revolta da linha dura

Embora os acordos de controlo de armas de Gorbatchov com os EUA pudessem ser vistos como sendo também do interesse soviético, o afastamento de alguns dos países da Europa de Leste, seguido da unificação alemã e da adesão à NATO da nova Alemanha unificada (a Alemanha Ocidental tinha estado anteriormente na NATO), enfureceu os comunistas da velha guarda.

Em agosto de 1991, os adeptos da linha dura já tinham visto o suficiente. Com Gorbatchov em férias na Crimeia, encenaram uma revolta. Boris Ieltsin, o presidente da maior república soviética - a Rússia - e crítico feroz do que considerava serem as reformas a meio caminho de Gorbatchov, veio no entanto em seu socorro, enfrentando e derrotando os conspiradores do golpe.

Mas em toda a União Soviética, as repúblicas - uma após outra - estavam a declarar a independência, e a 25 de dezembro de 1991 Gorbatchov demitiu-se do cargo de presidente soviético. Ao ler o seu discurso de demissão, Gorbatchov definiu o que provavelmente será o seu legado: "O país recebeu a liberdade, foi libertado política e espiritualmente, e essa foi a realização mais importante".

A bandeira vermelha desfraldada sobre o Kremlin, símbolo da URSS, foi baixada. A União Soviética estava terminada e Ieltsin estava no controlo. "Vivemos num novo mundo", disse Gorbatchov.

Em abril de 2012, Christiane Amanpour, da CNN, perguntou a Gorbatchov se ele tinha engendrado o colapso da União Soviética. Gorbatchov respondeu que não tinha havido nada nos seus discursos "até ao fim" que tivesse apoiado a sua desintegração: "A dissolução da união foi o resultado da traição da nomenclatura soviética, da burocracia, e também da traição de Ieltsin. Falou em cooperar comigo, trabalhando comigo num novo tratado de união, assinou o projeto de tratado de união, rubricou esse tratado. Mas, ao mesmo tempo, trabalhava nas minhas costas".

Em 1996 Gorbatchov concorreu contra Ieltsin para a presidência russa, mas obteve menos de 1% dos votos.

Uma voz ativa na pós-presidência

Três anos depois, Gorbatchov perdeu para o cancro o amor da sua vida -- a sua mulher de 46 anos, Raisa. O casal teve uma filha, Irina. "Nos piores momentos, estava sempre muito calma e equilibrada. Mas agora que ela se foi -- eu não quero viver. O ponto central das nossas vidas desapareceu", disse ele.

Mas Gorbatchov continuou, falando sobre desarmamento nuclear, ambiente, pobreza - e na memória da sua mulher, criou com a família a Fundação Raisa Gorbatchov para combater o cancro infantil.

Anteriormente, tinha estabelecido a Cruz Verde -- para tratar de questões ecológicas -- e a Fundação Internacional de Estudos Sócio-Económicos e Políticos, ou Fundação Gorbatchov. Em 2011, lançou também os "Prémios Gorbatchov" anuais para celebrar "aqueles que mudaram o mundo para melhor".

O envolvimento de Gorbatchov na política russa também continuou. Foi chefe do Partido Social Democrata da Rússia desde 2001 até à sua demissão em 2004 por conflitos com direção e liderança partidária.

Em 2007, tornou-se chefe de um novo movimento político russo - a União dos Sociais-Democratas, que por sua vez criou o Partido Democrata Independente da Rússia, da oposição.

Em 2012, disse a Christiane Amanpour, da CNN, que concordava que a democracia russa estava "viva", mas acrescentou: "Que está 'bem'... não é assim. Estou viva, mas não posso dizer que estou bem". Explicou que "as instituições da democracia não estão a funcionar eficientemente na Rússia, porque, em última análise, não são livres".

Legado misto

Numa entrevista à CNN em 2019, Gorbatchov disse que os EUA e a Rússia deviam esforçar-se para evitar o desenvolvimento de uma "Nova Guerra Fria", apesar do agravamento das tensões. "Esta pode vir a ser uma guerra quente que pode significar a destruição de toda a nossa civilização. Isto não deve ser permitido", disse Gorbatchov.

E questionado sobre o fim do tratado que assinou com Reagan em 1987, Gorbatchov expressou a esperança de que tais acordos de controlo de armas pudessem ser revividos. "Todos os acordos que existem são preservados e não destruídos", disse. "Mas estes são os primeiros passos para a destruição [daquilo que] não deve ser destruído em caso algum". O objectivo final do controlo de armas, acrescentou, deve ser o de se livrar completamente das armas nucleares.

A vida pós-URSS de Gorbatchov incluiu também algumas surpresas, uma vez que ele trabalhou para angariar dinheiro para as suas causas com aparições em anúncios para a Pizza Hut e Louis Vuitton. Em 2004 Gorbatchov ganhou um prémio Grammy para o melhor álbum de palav ra dita para crianças por "Prokofiev: Pedro e o Lobo / Beintus: Wolf Tracks", que gravou com o ex-presidente dos EUA Bill Clinton e a atriz Sophia Loren.

Outros prémios incluíram a Medalha da Liberdade 2008 do Centro de Constituição Nacional dos EUA e a maior honra da Rússia, a Ordem de Santo André, que lhe foi dada no seu 80º aniversário em 2011 pelo então Presidente russo Dmitry Medvedev.

Mas até ao fim, Gorbatchov foi um líder mais respeitado noutros países do que em casa. Na Rússia, foi injuriado por uns por destruir o império soviético e por outros por avançar demasiado devagar na libertação da sua nação das garras do comunismo. No Ocidente, porém, ele continua a ser o vencedor do Prémio Nobel da Paz que ajudou a pôr fim à Guerra Fria.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados