Águias “contratadas” para afugentar gaivotas. Nem precisam de voar - e funciona

CNN , Jack Bantock
15 jul, 19:11
Águias afugentam gaivotas

Aves de rapina estão a ser utilizadas para afugentar as problemáticas gaivotas no 150º Campeonato Open de golfe

Todos os golfistas que jogarem esta semana no Campeonato Open ficarão entusiasmados por ver uma águia. Milhares de adeptos também.

Situada na costa leste da Escócia, St. Andrews pode ser carinhosamente conhecida como a "casa do golfe", mas é uma residência partilhada por alguns companheiros de quarto altamente perturbadores: gaivotas.

Enquanto os espectadores observam educadamente os sinais silenciosos mostrados pelos stewards à medida os jogadores dão as suas tacadas, as aves marinhas -- acima da famosa tabela de classificação amarela no 18º buraco -- fazem um barulho impressionante.

À medida que elas circulam em busca de comida, o medo de estar no infeliz local para o seu desperdício cria uma ansiedade constante, com vários funcionários e adeptos a já terem caído em falta.

Uma gaivota verifica os refrescos oferecidos no Open.

No entanto, nos céus sobre a praça de alimentação e arquibancadas próximas, não há uma única gaivota à vista. Este é o resultado de um recrutamento inteligente por parte dos organizadores do evento: quatro aves de rapina.

Os fãs que navegarem no Old Course ao longo da semana habituar-se-ão a ver um par de gaviões - um gavião-de-costas-vermelhas e uma gavião asa-de-telha – um bufo-de-Bengala e uma águia rapace.

Chamados Enya, Nailer, Sage e Fearnley, respectivamente, os guardiões empoleiram-se nas luvas do seu tratador para afastar as gaivotas da zona de piquenique, bem como da 1ª e 18ª bancadas.

As aves vêm da falcoaria vizinha Elite Falconry - contratada para o evento -, com o tratador John em serviço à hora do almoço para a ronda de abertura de quinta-feira, após uma enxurrada de atividade das gaivotas em torno do primeiro tee durante a madrugada.

"Se não estivéssemos aqui, as gaivotas estariam literalmente a bombardear pessoas tentando roubar a sua comida", disse John à CNN.

Fearnley, a águia rapace, com o tratador John, da Elite Falconry, empresa contratada pela R&A para afugentar as problemáticas gaivotas do Old Course no 150º Open.

Não sendo as gaivotas um “prato” típico das quatro aves de rapina, elas não voam à volta do campo e, em vez disso, sentam-se calmamente na luva do seu tratador durante o “horário de trabalho”, mas a sua presença é o suficiente para afastar as indesejadas visitantes.

O golfe não é o único desporto a recorrer à ajuda das aves de rapina nos eventos. Em Wimbledon, Rufus o Falcão é há muito um herói do ténis local pelos seus esforços no All England Tennis Club.

Ao manter os campos livres de pombos - cuja bicada nas sementes da relva pode interromper o jogo no Grand Slam de ténis - Rufus tornou-se como que um herói local no sudoeste de Londres, tendo já um super-fã se vestido de falcão nos campeonatos de 2017.

Se os organizadores do Open quiserem realmente melhorar o seu jogo, há rumores de que haverá um Tigre na cidade esta semana que pode assustar tanto os golfistas como as gaivotas [nota da tradução: Tiger – em português, tigre, é uma referência ao jogador Tiger Woods] .

Desporto

Mais Desporto

Patrocinados