"Costa escuta, os guardas florestais estão em Luta": cerca de 100 militares do SEPNA manifestam-se em Lisboa

Agência Lusa , RL
12 jan, 13:49
Manifestação dos guardas florestais

Profissionais reivindicam a valorização da carreira, aumentos salariais e suplementos remuneratórios

Cerca de 100 guardas florestais afetos ao Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente da GNR, SEPNA, concentraram-se esta quarta-feira pelas 11:00 no Largo do Carmo, em Lisboa, para reivindicarem a valorização da carreira, aumentos salariais e suplementos remuneratórios.

A manifestação, que teve início em frente ao quartel general da GNR, seguiu pelas 11:30 para o ministério da Administração Interna, onde será entregue à tutela uma resolução para exigir negociações.

As reivindicações dos trabalhadores datam de 2015, ano em que foi criado um estatuto para estes profissionais, explicou à Lusa Elizabete Gonçalves, dirigente da Federação dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (CGTP), que convocou o protesto.

"Costa escuta, os guardas florestais estão em Luta" e "Os guardas florestais querem aumentos salariais" foram algumas das palavras de ordem gritadas pelos trabalhadores durante o percurso até ao Terreiro do Paço, onde chegaram por volta das 12:00.

Os guardas cumprem hoje um dia de greve que de acordo com dados provisórios transmitidos à lusa pela estrutura sindical regista uma adesão entre 90 e 95 por cento.

Os manifestantes reclamam "direitos iguais aos outros policiais" e dizem que há "mais fogos sem os guardas florestais".

Ao som de tambores e trombetas, os guardas florestais exigiram ainda mais efetivos para o serviço, que conta com 460 elementos, e prometeram continuar a luta "nos serviços e na rua".

País

Mais País

Patrocinados