Rudy Giuliani está sem dinheiro para as enormes despesas legais depois de defender Trump

CNN , Katelyn Polantz, Tierney Sneed e Jeremy Herb
16 ago 2023, 09:56
O processo de Donald Trump (ver identificação e créditos na próprio foto)

Ex-presidente da Câmara de Nova Iorque e defensor das teses de Trump contra as eleições de 2020 está atolado em dívidas.

Rudy Giuliani está a enfrentar centenas de milhares de dólares em contas legais, multas e sanções resultantes dos vários processos judiciais em que está envolvido – incluindo as novas acusações criminais - relacionadas com o seu trabalho para Donald Trump após a eleição de 2020.

Esta segunda-feira em tribunal, o antigo presidente da Câmara de Nova Iorque disse que os problemas legais o deixaram efetivamente sem dinheiro. Ele parece aliás ter respondido a algumas das dificuldades financeiras colocando à venda um apartamento de três quartos em Manhattan de que é proprietário, por 6,5 milhões de dólares (seis milhões de euros).

Sem contar com os honorários legais habituais, Giuliani enfrenta quase 90 mil dólares (82 mil euros) em sanções de um juiz num caso de difamação, uma avença mensal de 20 mil dólares (18,3 mil euros) a uma empresa para alojar os seus registos eletrónicos, 15 mil dólares (13,7 mil euros) ou mais para uma busca aos seus registos e até uma sentença de 57 mil dólares (52 mil euros) contra a sua empresa por contas de telefone que não foram pagas.

Embora se tenha recusado em tribunal a fornecer pormenores sobre a sua situação financeira, os seus advogados escreveram esta semana que “a elaboração de um relatório financeiro pormenorizado só tem como objetivo embaraçar o Sr. Giuliani e chamar a atenção para os seus infortúnios”.

É provável que a situação financeira de Giuliani se torne ainda mais difícil de gerir nos próximos dias. Ele enfrenta já esta semana decisões judiciais potencialmente perigosas contra ele em dois processos de difamação nas eleições de 2020.

Embora os honorários dos advogados de Giuliani não tenham sido pagos diretamente pela Comissão de Ação Política de Trump [PAC, na sigla original, a organização isenta de impostos que gere os dinheiros e doações de candidaturas], a PAC de Trump pagou em maio mais de 300 mil dólares (275 mil euros) a uma empresa que gere os arquivos de Giuliani para preservação de provas em processos judiciais, de acordo com registos de financiamento de campanha federal e processos judiciais.

“Ele está a ter dificuldades financeiras”, afirmaram os advogados de Giuliani num processo de difamação civil apresentado este mês por dois funcionários eleitorais da Geórgia contra ele. “Giuliani precisa de mais tempo para pagar os honorários dos advogados e gostaria de ter a oportunidade de pedir uma prorrogação ao Tribunal”. 

Giuliani está a enfrentar processos de expulsão da Ordem dos Advogados em Washington e Nova Iorque. A sua licença de advogado já está suspensa - uma situação que, segundo os seus advogados, o deixa ainda mais impedido de ganhar dinheiro. Além disso, enfrenta um processo pessoal de um ex-empregado, instaurado em maio, que ele contesta. 

As acusações criminais que o Procurador Distrital do Condado de Fulton, Fani Willis, apresentou contra Trump, Giuliani e 17 outros, irão sem dúvida aumentar as contas legais do antigo presidente da câmara.

Essa acusação é separada da investigação federal de subversão eleitoral que paira sobre Giuliani. Ele é o “Co-conspirador 1” de Trump na acusação do advogado especial Jack Smith relacionada com os esforços para destruir a eleição de 2020. Embora ele não tenha sido indiciado, os promotores continuam a investigar, inclusive falando com o aliado de Giuliani, Bernie Kerik, sobre o que Giuliani fez para provar que Trump realmente ganhara a eleição, entre outras coisas, disse o advogado de Kerik à CNN. 

Robert Costello, advogado de Giuliani, não quis fazer comentários.

Após a sua acusação na Geórgia, o assessor político de Giuliani, Ted Goodman, divulgou uma declaração chamando o caso de “uma afronta à democracia americana”.

Dívidas de 320 mil dólares por pesquisas de registos depois de apreensão do telemóvel

Embora os riscos legais que Giuliani enfrenta girem agora em torno de seu trabalho para Trump, questionando o resultado das eleições, uma primeira consequência que ele enfrentou antes da acusação criminal de segunda-feira na Geórgia veio de sua incapacidade em responder totalmente aos processos judiciais relacionados com as eleições presidenciais de 2020.

Quando o FBI apreendeu vários dos seus telemóveis em abril de 2021, numa investigação agora encerrada, muitos dos registos eletrónicos de Giuliani foram mantidos num banco de dados operado por uma empresa chamada Trustpoint.One. Mas eles foram arquivados, e fazer pesquisas em arquivos que a empresa mantinha para litígios mais recentes não é barato. Mesmo o alojamento dos seus registos na empresa custa 20 mil dólares por mês, de acordo com um processo judicial recente.

Giuliani queria pesquisar os registos para poder responder a cada uma das ações judiciais relacionadas com as eleições, de acordo com os documentos do tribunal.

Em maio, Giuliani tinha mais de 320 mil dólares de atraso nos pagamentos à empresa de alojamento de documentos, de acordo com uma declaração que fez em tribunal sob juramento. “Não tenho fundos para pagar esta quantia neste momento”, escreveu. 

Ele negociou durante um ano com o que os seus advogados dizem ser “fontes de financiamento de terceiros” para ter ajuda no pagamento das suas contas legais e aguardou financiamento durante seis meses para obter ajuda com a fatura da Trustpoint, de acordo com o processo apresentado por Giuliani esta semana no caso Smartmatic.

O ex-advogado de Trump parece ter tido algum alívio das dívidas em maio, além de uma cobertura adicional de 20 mil dólares para pesquisas de dados adicionais, de acordo com os documentos do tribunal, graças à PAC do ex-presidente. A PAC não está a pagar os honorários legais de Giluiani - ao contrário dos de muitos outros aliados de Trump - mas pagou mais de 400 mil dólares à Trustpoint este ano, com uma soma invulgarmente elevada a ir para a empresa no final de maio por 340 mil dólares, de acordo com os registos federais da campanha.

Dias depois dessa distribuição, Giuliani afirmou, num dos processos judiciais que enfrenta, que “obteve financiamento para pagar os atrasos” e “liquidou” a sua conta pendente com a Trustpoint. Também falou sobre o facto de ter recebido esse “donativo” no seu último processo judicial, dizendo que pensou que ajudaria a cobrir a resposta que precisava de dar no caso Smartmatic.

Mas o pagamento de 340 mil dólares não é suficiente para cobrir mais pesquisas, a Trustpoint “não lhe concederá mais crédito” e a sua fatura para manter os seus dados na posse da empresa continuará a aumentar todos os meses, dizem os seus processos judiciais.

“Não se trata de uma mera desculpa que Giuliani inventa quando lhe é exigida a apresentação de documentos”, diz o seu último processo.

Os executivos da Trustpoint não responderam aos pedidos de comentário. 

Acumulação de ações judiciais por difamação

Giuliani é réu em vários processos de difamação pelas declarações que fez depois das eleições de 2020.

Um juiz federal em Washington ordenou que ele pagasse uma parte das contas legais dos funcionários eleitorais da Geórgia Shaye Moss e Ruby Freeman para cobrir o que eles gastaram com advogados litigando disputas de coleta de provas no caso, até 25 de julho.  Ainda não pagou esses 89 mil dólares, de acordo com os registos do tribunal.   

Duas semanas depois, Giuliani desistiu de contestar as alegações de Moss e Freeman de que fez declarações falsas sobre eles em 2020, dizendo que queria “evitar despesas desnecessárias em litígios”. 

Moss e Freeman ainda estão a tentar ganhar o processo, e um juiz admite decidir em última instância a seu favor. Mas, entretanto, pediram ao juiz que ordenasse a Giuliani que pagasse mais 44 mil dólares de honorários legais resultantes dos seus esforços para o forçar a entregar provas no processo.

Este é apenas um processo. A Smartmatic, no seu processo de difamação contra Giuliani, que levou à sua crescente fatura de alojamento de dados, pediu a um juiz que sancionasse Giuliani - incluindo ordenando-lhe que reembolsasse os honorários legais da empresa - por não ter fornecido à empresa os seus registos.

A Dominion Voting Systems, que também está a processar Giuliani por difamação, está a procurar documentos para o seu caso, mas ainda não apresentou a questão das sanções a um juiz. Giuliani também enfrenta um quarto processo por difamação relacionado com a eleição, movido por um executivo da Dominion. 

A Smartmatic apontou os pagamentos do PAC de Trump à Trustpoint como razão para que Giuliani possa cumprir as suas exigências de que pesquise os seus registos e forneça à empresa provas para a construção do seu caso, porque agora é evidente que outros podem pagar as despesas crescentes de Giuliani.

Mas o antigo presidente da câmara disse, nos seus documentos judiciais de segunda-feira, que não era esse o caso.

Giuliani “não se pode dar ao luxo de pagar nesta altura” mais 15 mil a 23 mil dólares por mais buscas de documentos no processo, escreveram os seus advogados.

O juiz do estado de Nova Iorque que supervisiona o processo de difamação da Smartmatic tem uma audiência marcada para quarta-feira.

 

Paula Reid, Marshall Cohen e Kara Scannell, da CNN, contribuíram para este artigo.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados