opinião
Diretor executivo CNN Portugal

Meloni: o (nosso) diabo veste Prada?

26 set, 21:19
Giorgia Meloni Fratelli d'Italia Irmãos de Itália Getty Images

A União Europeia falhou. Tentou, mas falhou. Há dois anos, em pandemia, fez o que nunca tinha feito para travar a ascensão da extrema-direita e com medo de Itália. Agora, a extrema-direita ascende… e em Itália. Depois de se afirmar na Suécia, de crescer em França, de se normalizar na Alemanha. E com uma Alemanha à beira da recessão, uma inflação espiralada, os mercados a lançar as garras e o euro a roer as unhas - a pergunta avançada é: como vai o núcleo da UE aguentar e com que custo periférico, incluindo para Portugal? É que… viu os juros hoje? Não são esses, os da Euribor você sabe-os de cor – são os outros, aqueles onde o diabo tece, os que olhávamos em 2011, os das obrigações das dívidas públicas a dez anos. Viu?

Hoje à tarde: Itália 4,5%. Grécia 4,7%. Espanha 3,3%. Portugal 3,2%. França 2,7%. Alemanha 2,1%.
Há um ano: Itália 0,8%. Grécia 0,8%. Espanha 0,4%. Portugal 0,3%. França 0,1%. Alemanha -0,2%.

São os juros mais altos em cinco anos. São indicadores de risco tal como são percebidos pelos mercados. E os mercados, os “filhos da mãe” que adoramos odiar, têm humores nervosos. Incluindo hoje.

Hoje os juros hoje subiram porque Itália é um susto. Um susto político que numa década oscila do populismo fino de esquerda para o ultranacionalismo grosso de direita. Um susto financeiro pela dívida pública Gulliver. Um susto social, de quem vota no ou-vai-ou-racha. Meloni diz tantas coisas e os seus contrários que só se conhecerá depois de abrir. É uma antieuropeísta equívoca no alinhamento com Bruxelas, que com Salvini e Berlusconi forma um trio mata-e-esfola que sobe ao poder.

Quando, no verão de 2020, a UE armou uma bazuca e, sobretudo, quebrou o tabu das emissões de dívidas conjuntas, não o fez por uma paixão à segunda vista pelo sul e pelo leste. Fê-lo por pavor político do crescimento da extrema-direita antieuropeísta e por um medo específico de Itália, o país que mais dinheiro então recebeu, o país demasiado grande – política e financeiramente – para falhar sem nisso arrastar tudo o resto.

O plano falhou. Os antieuropeístas raivosos crescem, a Itália que não ata o crescimento nem desata a dívida elege Giorgia Meloni, partidos como o Vox em Espanha exultam, partidos de direita tradicional rendem-se a emparelhar com cavalos de corrida extremistas.

Mas olhe o verbo: “elegeu”. Ao contrário de Mario Draghi, que foi escolhido, Giorgia Meloni foi eleita. O que defende é-nos politicamente abominável, mas atacá-la com sobranceria moral será também estupidificar os italianos que a elegeram. E como a Europa são povos, não é insultando nem ameaçando com represálias que se conquista, antes se repele.

É paradoxal que, no momento em que o Ocidente se une em torno da NATO contra a Rússia, a União Europeia se esfarele.

Quando Alexis Tsipas ganhou as eleições na Grécia, pelo Syriza, foi chamado à Alemanha. Entrou radical de esquerda, saiu social-democrata alinhado. Só que Itália não é a Grécia, nem é o Portugal das “contas certas” com Passos ou com Costa, Itália tem outra força política e, com Meloni, terá agora outros amigos, a Polónia e a Hungria. Como escreveu hoje Steven Forti no El Pais, enfrentamos “um cenário polaco, resumível na tríade atlantismo-soberanismo-ultraconservadorismo”, em que Meloni fortalecerá o eixo dos países de Visegrado contra Bruxelas, no que, resume Forti, será “Itália, capital Varsóvia”. Muda tudo.

Há outra novidade: a Alemanha está agora em crise, enquanto potência política, depois da vergonha de ficar subjugada ao gás russo, e em recessão económica, o que a tornará mais ensimesmada. Não por acaso, veio de Paris – não de Berlim - a reação mais determinada sobre Itália.

A UE está em profunda reconfiguração desde a saída do Reino Unido, o que fortaleceu o eixo Paris-Berlim, Berlim que agora esmaece. Com esta inflação, com os juros a metralhar, com estas montanhas de dívidas e baixos crescimentos, não é possível não temer pelo futuro do projeto europeu. Os resgates de 2010/2011 não se repetirão, a UE mudou muito e hoje o problema já não são só países pequenos – veja como Espanha está a pagar juros mais altos que Portugal. As soluções serão diferentes, mas o problema é maior.

Ao eleger os Fratelli d’Italia (FdI), o país virou a mesa e deu um murro na União Europeia. Provavelmente, a UE vai usar os apoios financeiros como forma de pressão, mas não tem força para domar este leão, que por sua vez usará a seu favor o risco sistémico, é grande de mais para ser deixado cair. Entretanto os juros sobem e o BCE procura fórmulas de prevenção a resgates e a juros desembestados nos mercados. Se desembestarem, levam tudo à frente e vai tudo atrás. Incluindo Portugal, cujo plano parece ser o do costume, ser bom aluno, superar Espanha, descer a dívida pública.

Vamos voltar a acordar com medo dos juros, porque continuamos pendentes e dependentes. O que se passa em Itália ecoa cá e, mesmo se não votámos FdI, ou os juros param de subir ou, constando nas listas vermelhas dos ceticismos financeiros, também acabamos FdIdos.

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados