Trabalhadores do metro de Lisboa voltam à greve

Agência Lusa , AM - notícia atualizada às 6:57
22 abr, 06:12
Greve do Metropolitano de Lisboa

Circulação só deverá ser retomada a partir das 10:30

As estações do Metropolitano de Lisboa estão fechadas desde as 06:00 devido à greve parcial dos trabalhadores, segundo Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

“À semelhança das greves anteriores, a adesão à greve, que abrange o setor operacional e maquinistas, é elevada”, disse à Lusa a sindicalista, acrescentando que as estações do metro estão encerradas.

Anabela Carvalheira realçou ainda que os trabalhadores continuam determinados na luta por melhores condições de trabalho.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa cumprem uma nova greve parcial, entre as 05:00 e as 10:00, pelo que a circulação só deverá ser retomada a partir das 10:30.

Normalmente, o metro funciona entre as 06:30 e a 01:00.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa já tinham realizado uma greve parcial (05:00-09:00) nos dias 11 e 18 de março e 14 de abril, alegando a “falta de condições de trabalho na área operacional dos maquinistas".

Segundo disse à Lusa na semana passada Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS), a paralisação convocada para dia 14 de abril e hoje assenta nos mesmos pressupostos das duas greves parciais realizadas em março.

“É a continuação da luta anterior. Portanto, tem a ver com as condições de trabalho da área operacional dos maquinistas e das chefias do posto de comando central. Infelizmente, ainda não se conseguiu chegar a acordo, o que motiva a continuação da luta”, justificou a sindicalista.

Segundo Anabela Carvalheira, os sindicatos pretendem que a empresa “coloque em prática uma série de compromissos assumidos para com os trabalhadores há muito tempo”.

Em janeiro, maquinistas e inspetores do Metropolitano de Lisboa enviaram um ofício ao conselho de administração da empresa com as reivindicações dos trabalhadores, não descartando novas formas de luta, como a greve, caso as suas pretensões não fossem atendidas.

Na altura, deram um prazo de oito dias à empresa para que fosse dada uma resposta e apontadas soluções, sendo que há cerca de 300 pessoas no universo de trabalhadores maquinistas, encarregados e inspetores de tração.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados