Tensão arterial subiu durante a pandemia, sobretudo nas mulheres

CNN , Jacqueline Howard
25 dez 2021, 11:00
Tensão arterial. Foto: bnenin/Adobe Stock
Tensão arterial. Foto: bnenin/Adobe Stock

PUB

Os adultos americanos, especialmente as mulheres, viram a sua tensão arterial aumentar durante a pandemia do coronavírus, sugere um novo estudo.

O estudo, publicado na revista Circulation, incluiu dados sobre 464.585 funcionários de várias empresas e respetivos cônjuges ou parceiros, que participaram anualmente em programas de bem-estar patrocinados pelo empregador e levados a cabo pela Quest Diagnostics.

PUB

Como parte do programa, os trabalhadores e os seus parceiros de todos os 50 estados e do Distrito de Columbia mediram a sua tensão arterial durante três anos, em 2018, 2019 e 2020. Luke Laffin, codirector do Centro de Doenças de Tensão Arterial na Cleveland Clinic, e os seus colegas da Cleveland Clinic e da Quest Diagnostics analisaram os valores da tensão arterial.

Os investigadores descobriram que os valores da tensão arterial pareciam ser significativamente mais elevados durante a pandemia, de abril a dezembro de 2020, em comparação com 2019, com aumentos que variaram em média entre 1,1 a 2,5 milímetros de mercúrio ou mmHg para a tensão arterial sistólica e de 0,14 a 0,53 mmHg para a tensão arterial diastólica.

PUB
PUB
PUB

A pressão arterial é medida em unidades de mmHg, que consiste em dois números, a tensão alta ou sistólica e a tensão baixa ou diastólica.

Embora tenham sido registados aumentos da pressão arterial sistólica e diastólica tanto nos homens como nas mulheres e em todas as faixas etárias, os investigadores detetaram aumentos maiores nas mulheres.

"Vimos aumentos na tensão arterial mais pronunciados nas mulheres. Mas não sabemos a razão exata que causou isso. No entanto, sabemos e há dados que sugerem que a pandemia sobrecarregou tendencialmente mais as mulheres, particularmente as mulheres que trabalham, e este é um programa de bem-estar patrocinado pelos empregadores", disse Laffin.

O estudo concluiu que o aumento de peso não foi a razão aparente para a subida dos níveis de tensão arterial durante a pandemia, embora as más escolhas alimentares feitas durante a pandemia possam ter desempenhado um papel, entre outros fatores.

"O controlo da tensão sanguínea é algo multifatorial. Está relacionado com o que comemos, entre outros fatores", disse Laffin à CNN.

PUB
PUB
PUB

"Ingerir demasiado sal ou beber mais álcool, fatores que foram bem documentados durante a pandemia, aumentam a tensão arterial", disse Laffin. "E sabemos ainda que a tensão arterial também é afetada por fatores como o sono, a toma de medicamentos, tudo isso tem o seu impacto".

Laffin afirmou que, embora o stress agudo possa aumentar a tensão arterial, a pandemia tem sido mais associada ao stress crónico de longo prazo.

"Sabemos que, em cenários de stress crónico, as mudanças na tensão arterial devem-se provavelmente a algumas das opções de estilo de vida que fazemos quando estamos stressados", disse Laffin. "Optamos por comer nachos e cerveja, em vez de uma salada saudável, ou não dormimos tanto, optamos por não ir ao ginásio, decidimos não tomar a nossa medicação. É provavelmente assim que o stress mais se manifesta no aumento da tensão arterial".

A tensão arterial elevada aumenta o risco de doença cardíaca e AVC, duas das principais causas de morte dos adultos americanos, de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA. Os investigadores observaram no seu estudo que um aumento de 2 mmHg na tensão arterial sistólica está associado a um grande aumento de mortes por acidente vascular cerebral e doença cardíaca nos adultos de meia-idade. O aumento da tensão arterial sistólica nos adultos americanos que participaram no estudo "poderá indicar um futuro aumento da mortalidade por doenças cardiovasculares", concluíram os investigadores.

PUB
PUB
PUB

No geral, "durante a pandemia, as medidas de saúde pública como a vacinação e o uso de máscara são muito importantes, mas provavelmente tão importante quanto isso, durante uma pandemia, é não negligenciar os fatores de risco crónico para as doenças cardiovasculares ou outras doenças crónicas", acrescentou Laffin. "Por isso, certifique-se de que adota um estilo de vida saudável, vá regularmente ao médico, não deixe de tomar a medicação se tomar medicamentos para a tensão arterial elevada, tudo isso é muito importante".

Mesmo antes da pressão da pandemia, um estudo global publicado na revista The Lancet em agosto concluiu que o número de pessoas entre os 30 e os 79 anos com tensão arterial elevada duplicou no período de 1990 a 2019 e mais de metade delas não estão a ser medicadas para esse problema.

Segundo a Clínica Mayo, existem 10 formas de controlar a tensão arterial elevada:

  1. Perder peso
  2. Fazer exercício físico regular
  3. Ter uma dieta saudável
  4. Reduzir o sal na dieta
  5. Limitar a quantidade de bebidas alcoólicas ingeridas
  6. Deixar de fumar
  7. Reduzir o consumo de cafeína
  8. Reduzir o stress
  9. Controlar a tensão arterial em casa e nas consultas médicas
  10. Obter o apoio necessário de família e amigos.
PUB
PUB
PUB

 

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados