Croácia
Finalizado
2 - 2
Albânia

Ricardo Arroja é o novo presidente da AICEP

3 jun, 19:38
Ricardo Arroja (DR)

Objetivo do Governo é dar um "novo impulso à agência"

O Governo escolheu o nome de Ricardo Arroja para presidir ao conselho de administração da AICEP, depois de ter sido conhecido que o atual quadro dirigente ia ser dissolvido.

Em comunicado enviado às redações, o Ministério da Economia informa que o objetivo é dar um "novo impulso à agência", substituindo um conselho de administração que ainda tinha mais ano e meio de mandato.

"A nova liderança, uma vez aprovada, estará alinhada com o desígnio de robustecer o papel da diplomacia económica e de reforçar os laços entre a agência e as embaixadas portuguesas, a rede de câmaras de comércio e indústria portuguesas e o Conselho da Diáspora", pode ler-se.

O nome de Ricardo Arroja, bem como dos restantes escolhidos para o acompanhar, terá ainda de ser avaliado e aprovado pelo CRESAP.

Ricardo Arroja, que desempenhou cargos de administração e fiscalização de empresas, conta ainda com experiência como consultor em temas como finanças empresariais e banca.

Por outro lado, foi consultor em organizações internacionais como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Fontes ligadas ao processo tinham confirmado à CNN Portugal que o Governo tinha dissolvido a administração da AICEP liderada por Filipe Santos Costa.

A mudança de administração da agência responsável por captar investimento prende-se com o objetivo de dar um "novo impulso e visão à AICEP, de acordo com o programa do Governo, segundo as mesmas fontes.

Filipe Santos Costa iniciou funções de presidente da AICEP em 05 de junho de 2023, para um mandato de três anos.

Segundo a nota agora divulgada, para administradores executivos vão ser nomeados Madalena Oliveira e Silva, atual quadro da AICEP, a antiga embaixadora Joana Gaspar, Francisco Catalão, que é doutorado em gestão, e Paulo Rios de Oliveira, advogado e consultor.

Os nomes indicados pelo Governo estão sujeitos à avaliação da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (Cresap). Contudo, esta avaliação não é vinculativa.

O mandato destes membros terá a duração de três anos.

“O Governo está seguro de que a nomeação de um novo presidente e novos administradores permitirá dotar o AICEP de uma nova dinâmica. Tal como previsto no programa do Governo, pretende-se robustecer o papel da AICEP no apoio à estratégia de internacionalização e de atração de investimento nacional e estrangeiro”, assinalou.

Economia

Mais Economia

Patrocinados