Revisores da CP em greve no domingo. Sindicato antecipa forte impacto

Agência Lusa , DCT
11 jun, 14:14
Greve da CP (Lusa/Estela Silva)

Para o dia 23 de junho está também agendada uma greve de 24 horas para os trabalhadores ferroviários operacionais, a norte de Pombal.

Os trabalhadores ferroviários operacionais, onde se incluem os revisores e os trabalhadores das bilheteiras, cuja sede está a sul de Pombal, estão em greve no domingo por aumentos salariais e o sindicato antecipa um forte impacto.

“Vai ser uma greve muito forte, possivelmente não haverá quase comboios. Sabemos que é um dia de festa, mas [a greve] perturba menos os utentes. Aqueles que nós transportamos, sabemos que são da mesma condição social que nós e tentamos procurar não prejudicar quem vem trabalhar”, afirmou o dirigente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), Luís Bravo, em declarações à Lusa.

A CP também já alertou para perturbações significativas devido à greve.

De acordo com o sindicalista, em causa está o facto de os trabalhadores continuarem com os ordenados congelados há mais de 10 anos.

Luís Bravo lamentou que o setor ainda não tenha recebido a atualização de 0,9%, aprovada para a função pública, que classificou como “miserável”, representando entre cerca de cinco e nove euros, consoante o escalão.

De acordo com o sindicato, para isso, a Administração da CP “impõe” a subscrição de um novo acordo de empresa, “com piores condições de trabalho”.

O dirigente do SFRCI lamentou que os trabalhadores estejam “completamente desprotegidos” face ao aumento inflação e dos custos energéticos.

“Os trabalhadores dos transportes, afetos aos comboios e às bilheteiras, que começam o seu turno às cinco, seis ou sete da manhã e que se retiram depois da meia noite, têm que se deslocar em viaturas próprias e, com o aumento dos combustíveis, neste momento, cerca de 20% do seu salário já vai só para se fazerem deslocar para o trabalho”, apontou.

A isto somam-se os turnos de trabalho e as folgas rotativas e um “aumento brutal do custo de vida”, fatores que têm levado até os trabalhadores mais novos a pedir rescisão da empresa.

Por outro lado, os concursos de adesão de novos colaboradores têm ficado vagos, porque “não há ninguém que se candidate com estes salários e em laboração contínua”, neste sentido, conforme apontou, existem comboios esgotados, que estão a ser suprimidos por falta de trabalhadores, lamentou, defendendo que a administração da CP e a tutela parecem estar “confortáveis” com esta situação.

“É um dia que gostaríamos que tivesse impacto e que houvesse reação do Governo e da Administração da CP, mas possivelmente foram todos de férias prolongadas”, concluiu.

Mês de junho pautado por greves

Para o dia 23 de junho está também agendada uma greve de 24 horas para os trabalhadores ferroviários operacionais, a norte de Pombal.

A CP - Comboios de Portugal já alertou que a circulação de comboios da empresa deverá ter perturbações “significativas nos dias 12, 13 e 16 de junho devido a greve.

A CP refere que aos clientes que já tenham adquirido bilhete para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Interregional e Regional, será permitido o reembolso no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação, sem custos.

A empresa “lamenta os incómodos causados aos seus clientes” e “recomenda a obtenção de informação sobre o estado da circulação de comboios”, através do contacto com os canais de informação da empresa, no site ou na linha de atendimento.

Desde o início do mês tem estado a decorrer uma greve dos trabalhadores da CP ao trabalho extraordinário e aos feriados, que se prolonga até ao final do mês, mas não provocou supressões, indicou à Lusa, em 03 de junho, fonte oficial da empresa.

Em 16 de maio, a CP anunciou que chegou a um acordo com 12 sindicatos, para revisão do Acordo de Empresa, ficando de fora três estruturas sindicais.

Do acordo alcançado resultou o aumento salarial de 0,9%, com efeitos retroativos a 01 de janeiro de 2022, a uniformização do subsídio de refeição para 7,74 euros e a integração dos trabalhadores da ex-EMEF na tabela salarial da CP, com efeitos retroativos a 01 de janeiro.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Economia

Mais Economia

Patrocinados