opinião
Diretor TVI Norte

Quem pensa positivo vive mais anos, dizia ele. Vamos ter saudades suas, professor (uma carta de despedida dedicada a José Eduardo Pinto da Costa)

9 dez 2021, 11:51
José Eduardo Pinto da Costa
José Eduardo Pinto da Costa

O médico legista José Eduardo Pinto da Costa tinha 87 anos. Morreu quarta-feira. João Fernando Ramos, diretor da TVI Norte, escreve-lhe uma carta de despedida

PUB

Ninguém ficava indiferente ao olhar, levemente sorridente, entre umas barbas que amareleceram com o tempo e tornavam aquela cara, levemente pálida, enigmaticamente mais longa.

O professor entendia a vida, que saboreava com prazer, mas sabia efetivamente explicar a morte.

PUB

Quem não gosta de si próprio não pode gostar dos outros, afirmava sempre Pinto da Costa - e fundamentava a sua teoria com um sorriso desconcertante; quem pensa positivo vive em média mais sete anos. Ele terá sido um desses, tenho a certeza.

Dizia sempre que a medicina não tem agora apenas a missão de curar, mas sim de ajudar a lidar com as doenças que nos acompanham até aos cem anos. Ele não chegou lá e nunca assumia como seria a sua morte e o depois. Varia vezes me disse que a maioria acredita que há uma nova vida depois desse momento, por isso tudo se torna mais simples. Morrer é apenas o virar de mais uma página.

Não sei quantas vezes nos cruzámos, mas foram muitas, normalmente em momentos de crise em que a sua sabedoria acrescentava dados inquietantes ao que não conseguíamos explicar.

PUB
PUB
PUB

Recordo a tragédia de Entre-os-Rios e o pragmatismo como abordou o que iria acontecer, construindo o doloroso processo de luto das famílias. A forma clara como nos falava chegava a ser desconcertante.

Sabia ler o olhar dos vivos e nunca deixava de largar uma gargalhada compassada com um comentário carregado de humor, mas eram os sinais que ficam num corpo inerte que o fascinavam. Falava de cada um desses momentos de descoberta com paixão, que só o conhecimento profundo permite.

Tentou fazer um museu da medicina legal, mas comprou uma daquelas polémicas que só as cabecinhas pequenas sabem alimentar. Foi inaugurado, mas o politicamente correto dos cinzentos lá tratou de o fechar. Guardava alguma mágoa com isso, mas era uma questão pequena que não lhe deve ter nunca tirado o sono.

Acredito que ele efetivamente sempre procurou explicar o fim da vida num corpo, mas verdadeiramente o que procurava era entender melhor o reino dos vivos, para nele estar plenamente.

Afável, carregado de saber que cultivava e acrescentava em cada dia, tinha o encanto de manter plateias sempre atentas e de fazer debates notáveis.

PUB
PUB
PUB

Moderei uns quando e confesso que são inesquecíveis, cheios de prazer de ver como se pode comunicar de forma simples, mesmo que o tema seja complicado.

Dizia sempre que o nosso corpo, o nosso olhar, explica tudo o que aconteceu num dado momento. Sabia ler esses sinais e agarrou causas como a violência contra as mulheres. Foi contra o aborto, embora defenda a liberdade da mulher de terminar uma gravidez em determinadas condições, e nunca conseguiu entender quem defende uma morte assistida, mas entrou inúmeras vezes no debate com argumentos que dão mesmo que pensar.

O professor, sempre que o tema era fraturante, lá deixava mais uma daquelas ideias que fechava a conversa; nós nascemos desinformados, vivemos desinformados e morremos desinformados. Quem vive informado é um marginal.

Lá tinha a sua teoria, a do carro elétrico, que tem de andar sempre nos trilhos. Quando se sai dos carris há sempre um problema, que pode até não ser mau.

Vamos ter saudades suas, professor.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados