Factos Primeiro: Trump e outros republicanos já estão a lançar dúvidas sobre os resultados das intercalares

CNN , Daniel Dale
7 nov, 19:00
Donald Trump

O antigo presidente Donald Trump fez uma publicação nas redes sociais, na terça-feira, para lançar dúvidas quanto à legitimidade das eleições intercalares no crítico estado da Pensilvânia. “Cá vamos nós outra vez!”, escreveu. “Eleições manipuladas!”

A alegada prova de Trump? Um artigo num site de notícias de direita que nem sequer falava de qualquer manipulação. Em vez disso, o artigo levantava suspeitas infundadas sobre os dados dos boletins dos votos à distância que o próprio artigo não explicava claramente.

Em 2020, Trump e os seus aliados fizeram um esforço contínuo para desacreditar antecipadamente os resultados das eleições presidenciais, passando meses a preparar as bases para as suas alegações falsas pós-eleitorais de que a eleição teria sido manipulada. Agora, nas semanas que antecedem o dia das eleições em 2022, alguns republicanos estão a usar uma retórica semelhante - e igualmente desonesta.

Semear dúvidas infundadas sobre a contagem na Pensilvânia

Trump não é o único republicano que tenta, sem fundamento, promover suspeitas sobre as eleições intercalares na Pensilvânia, um Estado que pode determinar que partido controla o Senado dos EUA.

Depois de a diretora interina da Comissão Eleitoral da Pensilvânia, Leigh Chapman, ter dito à NBC News na semana passada que poderia demorar “dias” a concluir a contagem de votos, o candidato republicano Doug Mastiano, que repetidamente promoveu falsas teorias da conspiração sobre as eleições de 2020, disse num programa de direita mediado pela organização liberal Media Matters for America: “É uma tentativa de manipulação.”

Não é. Simplesmente demora tempo a contar os votos - especialmente, como observou Chapman, porque a legislatura do Estado, controlada pelos republicanos, recusou-se a aprovar um projeto de lei sem compromissos que permitiria aos condados processarem os boletins enviados por correio mais cedo do que na manhã do dia das eleições.

Mas logo se seguiram outros republicanos proeminentes. O senador Ted Cruz do Texas publicou no Twitter um link para um artigo sobre os comentários de Chapman e acrescentou: “Porque são apenas as cidades democratas que demoram ‘dias’ a contar os votos? O resto do país consegue fazê-lo na noite das eleições.”

Mesmo tirando o facto de as grandes cidades com uma tendência democrata terem muito mais votos para contar do que os pequenos condados rurais com tendência republicana, a afirmação de Cruz é completamente falsa.

Condados de todos os tipos em todo o país - incluindo, como observou o PolitiFact, alguns condados republicanos no Estado de Cruz, no Texas - não concluem a contagem de votos na noite das eleições. Na verdade, é impossível para muitos condados terem uma contagem final na noite das eleições.

Mesmo alguns dos Estados mais republicanos do país contam os votos à distância (ou, em alguns casos, os votos à distância específicos de membros das Forças Armadas e de cidadãos a viver no estrangeiro) que chegam dias após o dia das eleições, desde que tenham o carimbo dos correios do dia da eleição. E alguns Estados, incluindo aqueles liderados por republicanos, dão aos eleitores alguns dias após o dia das eleições para corrigirem problemas com as suas assinaturas ou para fazerem prova de identidade que poderiam não ter no dia da eleição.

As autoridades eleitorais norte-americanas não declaram vencedores nem totais oficiais na noite das eleições.

Rejeitar antecipadamente uma possível vitória de Fetterman

Os desafios de saúde do candidato democrata à corrida ao Senado na Pensilvânia, o vice-governador John Fetterman, também foram usados ​​para lançar dúvidas antecipadas sobre o possível resultado.

Depois de Trump ter sido derrotado por Joe Biden em 2020, algumas personalidades de direita insistiram que a eleição deve ter sido roubada porque Biden era um candidato muito mau. Na passada semana, na Fox, como observou o Media Matters, o apresentador do horário nobre Tucker Carlson fez um argumento semelhante sobre a corrida ao Senado na Pensilvânia - sugerindo que as pessoas não deviam aceitar uma vitória de Fetterman porque seria “transparentemente absurdo” esperar que um candidato que tem tido dificuldades em falar em público desde o acidente vascular cerebral de que foi vítima, em maio, seja capaz de triunfar.

Mas não haveria nada suspeito se Fetterman vencesse num Estado onde Biden venceu por mais de 80.000 votos em 2020. Fetterman liderou muitas (embora não todas) sondagens de opinião - e as sondagens revelaram repetidamente que os eleitores da Pensilvânia continuam a encará-lo de forma muito mais favorável do que o seu adversário republicano, o médico Mehmet Oz.

Questionar a legalidade dos votos em Detroit

A cidade de Detroit, como outras cidades dominadas pelos democratas com uma grande população negra, tem sido alvo de falsas teorias da conspiração relativas a 2020, por parte de Trump e de outros. E agora o republicano candidato a diretor da Comissão Eleitoral do Michigan já está a contestar a validade de dezenas de milhares de votos de Detroit, em 2022.

A menos de duas semanas do dia das eleições, Kristina Karamo, que nega os resultados eleitorais de 2020 e é a nomeada republicana para Secretária de Estado do Michigan, deu entrada de uma ação a pedir ao tribunal que “impeça” o uso dos votos à distância em Detroit se não forem obtidos em pessoa, num cartório, e que declare que apenas os votos obtidos por solicitação presencial poderão ser considerados “votos válidos” nesta eleição. Esse pedido significaria potencialmente a rejeição de milhares de votos já emitidos legalmente pelos residentes de Detroit - num Estado cuja constituição dá aos moradores o direito de solicitar por correio os boletins dos votos à distância.

O advogado de Karamo suavizou ligeiramente o pedido durante as alegações finais na sexta-feira, informou o “The Detroit News”. E outros republicanos proeminentes mantiveram, até agora, alguma distância do processo.

Ainda assim, o processo prepara a mesa para Karamo, que está a perder nas sondagens de opinião, para rejeitar, sem fundamentos, a legitimidade de uma derrota.

Lançar difamações vagas

Outros candidatos republicanos sugeriram vagamente a possibilidade de os democratas poderem, de alguma forma, fazer batota no dia das eleições ou durante a contagem dos votos.

O senador republicano Ron Johnson, do Wisconsin, disse aos jornalistas esta semana que “vamos ver o que acontece” no que toca a aceitar os resultados da sua corrida à reeleição, informou o “The Washington Post”, acrescentando: “Bem, vai acontecer alguma coisa no dia das eleições? Os democratas têm algum truque na manga?”

O Daily Beast informou que Blake Masters, o candidato republicano ao Senado na corrida renhida no Arizona, contou uma história num evento em outubro sobre como não pode provar que não seja verdade que, se ele vencer o senador democrata Mark Kelly por 30.000 votos, pessoas não identificadas não arranjem “40.000 votos” para Kelly. Ele contou uma história semelhante num evento em junho.

Não há qualquer base para a sugestão de que podem existir dezenas de milhares de votos fraudulentos adicionados à contagem de qualquer Estado. Mas o comentário de Masters e o processo de Karamo surtem o efeito de muitas das histórias pré-eleitorais de Trump, em 2020: os principais eleitores republicanos desconfiam de qualquer resultado que não seja uma vitória.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados