Governo recusa adiar reinício das aulas: "É uma decisão fundamental para a saúde mental das crianças"

Agência Lusa , BMA
3 jan, 12:32

Regresso mantém-se para o dia imediatamente a seguir ao fim da semana de contenção

PUB

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Lacerda Sales, afirmou esta segunda-feira que as aulas vão ser retomadas a 10 de janeiro, afastando a hipótese de serem adiadas devido ao aumento de casos de covid-19 - quase todos os dias têm sido batidos os recordes de casos covid e a ministra da Saúde já anunciou novo pico para 7 de janeiro. O reinício das aulas acontece assim no dia imediatamente a seguir ao fim da semana de contenção atualmente em curso e na qual o teletrabalho é obrigatório.

“Penso que essa medida [adiamento] não está garantidamente sobre a mesa. E, portanto, as aulas começam no dia 10 de janeiro para as crianças, porque essa é uma medida fundamental para a saúde física, mental, social e psicológica das nossas crianças”, afirmou o governante, em Coimbra.

PUB

O secretário de Estado respondia a questões dos jornalistas à margem da cerimónia de receção aos médicos internos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), tendo considerado que o ensino presencial “é fundamental para as crianças”.

PUB
PUB
PUB

Salientando que não há alterações de medidas previstas, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde referiu, no entanto, que posteriormente, e de acordo com a evolução epidemiológica, o Conselho de Ministros avaliará a situação.

Em resposta aos jornalistas, o governante disse ainda que o país tem capacidade de testagem à covid-19 através das mais de 1.400 farmácias aderentes e 700 postos de laboratoriais, salientando que Portugal é o quarto país europeu com mais testes realizados.

Segundo Lacerda Sales, Portugal tem mais de 26 milhões de testes efetuados e só na quinta-feira foram realizados mais de 400 mil testes.

“Temos capacidade de testagem, temos testes, muitas instituições a testar, pelo que queremos que as pessoas se testem porque é muito importante para controlarmos estas crise sanitária”, disse.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde apelou ainda à população para não se dirigir aos hospitais e às urgências para realizarem testes covid-19, “porque tendo esta capacidade de testagem noutros locais podem libertar o tempo aos profissionais de saúde para situações mais graves”.

PUB
PUB
PUB

“O apelo que faço é para que quando o Serviço Saúde 24 passa o teste vão aos respetivos locais onde se podem testar: laboratórios ou farmácias”, frisou Lacerda Sales.

 

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Educação

Mais Educação

Patrocinados