Comissão Permanente aprova levantamento da imunidade de Eduardo Cabrita

Graça Picão , (com Lusa)
24 fev, 17:01
Eduardo Cabrita

Com esta decisão, o ex-ministro é constituído arguido e será interrogado no âmbito do acidente mortal na A6

A Comissão Permanente aprovou, esta quinta-feira, o levantamento da imunidade de Eduardo Cabrita para que o ex-ministro seja constituído arguido e interrogado no âmbito do acidente mortal na A6.

A decisão já tinha sido aprovada esta quarta-feira, por unanimidade, na Comissão de Transparência, tendo sido formalizada apenas esta quinta-feira, durante a votação na Comissão Permanente.

O Ministério Público solicitou em janeiro à Assembleia da República o levantamento da imunidade parlamentar para que possa ser constituído e interrogado como arguido no caso do acidente mortal na A6 que vitimou um trabalhador.

Na resposta, que se encontra nos autos consultados pela Lusa, o presidente da Comissão de Transparência e Estatuto dos Deputados, Jorge Lacão, refere que o pedido sobre o levantamento de imunidade “caduca no fim da legislatura, se o deputado não for eleito para novo mandato, situação que se verifica com o deputado Eduardo Cabrita”.

“Com o início da próxima legislatura, o processo em causa poderá seguir a sua tramitação normal, não tendo, a partir dessa data, aplicação o estatuto dos deputados em matéria de levantamento de imunidade parlamentar”, acrescenta.

Prevista para 28 de março, a constituição e interrogatório como arguido do ex-ministro Eduardo Cabrita foi adiada devido à alteração da data da posse do novo parlamento, provocada pela repetição das eleições no círculo da Europa.

Quanto aos deputados do BE Mariana Mortágua e Jorge Costa, o pedido de levantamento da imunidade é para que possam responder na sequência de uma queixa contra o partido, indicou à Lusa fonte oficial dos bloquistas.

A 3 de dezembro de 2021, o Ministério Público acusou Marco Pontes, que foi motorista de Eduardo Cabrita quando era ministro, de homicídio por negligência, tendo, nesse mesmo dia, o governante apresentado a sua demissão do cargo.

No passado dia 13 de janeiro, o Ministério Público decidiu a reabertura do inquérito na sequência de um pedido de intervenção hierárquica interposto pelo advogado da Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados (ACA-M), Paulo Graça, assistente no processo.

O acidente que envolveu o atropelamento mortal de Nuno Santos, funcionário de uma empresa que efetuava trabalhos de manutenção na Autoestrada 6 (A6), no sentido Estremoz-Évora, ocorreu no dia 18 de junho de 2021.

Política

Mais Política

Patrocinados