Ao cuidado das cidades de Portugal: peguem em "todo o vosso dinheiro" e leiam isto

9 dez 2022, 22:14
Mau tempo

Portugal tem sido palco de fenómenos climatéricos extremos e as chuvas que deixaram cidades alagadas nos últimos dias (e não só) são prova disso mesmo. Este fenómenos vão repetir-se e vão ser piores

“As mudanças climáticas existem, estão para ficar e Lisboa teve três fenómenos desta dimensão desde outubro", disse Carlos Moedas, presidente da Câmara de Lisboa, durante uma visita aos locais inundados quarta-feira. E facto é que, nesse dia, em poucas horas choveu mais de metade da média do que chove normalmente em todo o mês de dezembro na cidade.

A chuva intensa inundou casas, garagens, lojas e transformou ruas em rios. Uma pessoa morreu (não em Lisboas mas em Algés). "Tivemos mais de 300 ocorrências em Lisboa. Basicamente choveu entre as 17:00 e as 01:00 87 milímetros de água, algo que não se via desde 2014", salientou Moedas. 

E a previsão é que este tipo de fenómenos vai passar a ser mais frequente e mais grave. O motivo? Esse mesmo: alterações climáticas. Ora, segundo explica o investigador e especialista em alterações climáticas Pedro Garrett, por cada grau de aquecimento médio global temos um aumento da humidade da atmosfera de 7%. "Significa isto que uma atmosfera mais húmida - e também provocada por um oceano mais quente - tem mais energia e, quando essas massas mais húmidas chegam à parte continental, transformam-se em precipitação intensa - que dá origem a cheias urbanas. Além disso, o aquecimento global faz com que seja mais difícil de prever e de controlar este tipo de chuvas porque são muito localizadas", aponta.

"Se formos analisar estes fenómenos, verificamos que estão a aumentar. E temos de questionar o porquê. E sim, em termos de frequência e intensidade têm vindo a aumentar e não há dúvidas de que o aquecimento global tem contribuído e amplifica estes fenómenos", afirma Pedro Garrett.  O mesmo defende Luís Miguel Costa: "É um facto - a temperatura média global está a aumentar e isso faz com que os ecossistemas se estejam a alterar". E a prova de que somos nós que estamos a mudar esse ecossistema é quase irrefutável, afirma: "Só os céticos mais extremos é que podem pôr isso em causa. 

Ponham todo o vosso dinheiro aqui

Apesar de estarem por trás das chuvas intensas como as que assistimos esta semana, as alterações climáticas não são as únicas responsáveis pelo resultado calamitoso na região de Lisboa e arredores. Até porque, neste caso em específico, há vários factores a ter em consideração, como o estado da maré e a drenagem da própria cidade.

"As alterações climáticas potenciam um fenómeno que já existia. Depois, a ação humana também tem impacto - e a verdade é que o que tem vindo a aumentar são os danos", indica Pedro Garrett. Na noite de quarta-feira houve uma combinação destes três factores em Lisboa: a maré cheia coincidiu com uma queda abundante de chuva e com uma drenagem que se revelou ineficaz.

"A prevenção é fundamental. Fala-se muito dos túneis de drenagem, mas há também quem defenda o conceito de cidades-esponja, com espaços verdes que façam a drenagem", defende Pedro Garrett, indicando que em Lisboa já há "pequenas florestas" que fazem esse trabalho e que até na Praça de Espanha o jardim foi pensado para responder a esse tipo de fenómenos.

"Hoje, quem não estiver a pôr todo o seu dinheiro nesta área de tentar saber como pôr o nosso mundo a funcionar de uma forma melhor, principalmente nesta área das alterações climáticas, vai estar atrasado. É o grande dilema da nossa geração", defende Luís Miguel Costa.

Ainda assim, a prevenção (apesar de ter melhorado) tem-se revelado insuficiente e, para os especialistas, o resultado não surpreende. "As áreas de maior vulnerabilidade estão identificadas. Não existe um problema de não saber onde é que os maiores impactos vão ocorrer. As zonas onde ocorreram estão perfeitamente identificadas há já algum tempo, por isso não é uma surpresa", afirma Pedro Garrett.

Ora, o plano existe mas ainda não se executou. Depois de uma noite preocupante na capital, Carlos Moedas apontou a soluções futuras e destacou a importância dos túneis de drenagem previstos para Lisboa: são dois túneis, um que irá desde Campolide até Santa Apolónia e outro entre Chelas e Beato, permitindo "escoar toda esta água em caso de chuva, com reservatório de 17 mil metros cúbicos". Uma infraestrutura que irá preparar Lisboa para o futuro, para que "estas situações não aconteçam na nossa cidade", sublinhou.

Mas a sociedade também pode ser um ator ativo na gestão do risco, defende Pedro Garrett. "Apesar dos avanços, tenho convicção que existe espaço para uma melhoria dos sistemas de alerta, tornando a informação dos impactos mais democratizada, para que as varias entidades - como o IPMA, a Proteção Civil, etc - consigam acionar os planos de prevenção e de salvamento", encorajando sempre a prevenção como base. "Por exemplo, na Baixa de Lisboa todas as lojas antigas têm um taipal. Logo aí já estão a prevenir."

Patrocinados