A estação de comboios de alta velocidade mais profunda do mundo fica por baixo da Grande Muralha da China

CNN , Maggie Hiufu Wong
9 fev, 08:00
Uma escada rolante no interior da Estação Ferroviária de Badaling. Créditos: Peng Ziyang/Xinhua/Alamy

Com os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, em Pequim, o primeiro comboio autónomo de alta velocidade já está em funcionamento, transportando atletas e oficiais entre as duas grandes cidades que recebem os Jogos, na estação histórica intercidades Pequim-Zhangjiakou.

O facto de este comboio-bala ser autónomo é suficientemente impressionante. Mas uma parte do caminho de 56 minutos passa através de outra maravilha da engenharia: a Estação de Badaling na Grande Muralha.

Concluída em 2019, a estação fica muito próxima da entrada de Badaling, a secção mais popular da muralha centenária. Para proteger o monumento icónico de danos estruturais, a linha férrea e a estação correspondente foram construídas no subsolo.

Preservar a Grande Muralha

A estação Badaling na Grande Muralha é a estação de comboios de alta velocidade mais profunda do mundo. Ren Chao/Xinhua/Getty Images

Enterrada a 102 metros e cobrindo uma área de mais de 36 mil metros quadrados, diz-se que a estrutura de três andares é a maior e mais profunda estação ferroviária de alta velocidade do mundo.

Construir uma estação tão complexa, que inclui um sistema de túneis com 12 km de comprimento, num Património da Humanidade da Unesco, não foi tarefa fácil.

Segundo a imprensa estatal chinesa, os engenheiros utilizaram um detonador eletrónico para cronometrar ao milímetro os explosivos. Foi a primeira vez que esta tecnologia foi utilizada na China, o que permitiu que os trabalhadores mantivessem a velocidade da vibração abaixo dos 0,2 centímetros por segundo.

Isso significa que cada explosão foi calculada com precisão para garantir que o impacto não seria superior a um simples passo na Grande Muralha.

Foram necessários cuidados para assegurar que a construção não danificava a Grande Muralha.

Iniciada em 2016, a construção do túnel e da estação demorou cerca de três anos a concluir.

A estação de alta velocidade encurta a viagem da capital da China para a Grande Muralha, em Badaling, de cerca de uma hora e meia (o congestionamento do tráfego pode aumentar esse tempo) para cerca de 27 minutos.

A estação fica a poucos minutos dos teleféricos da Grande Muralha e a cerca de 800 metros do ponto de partida da mesma, em Badaling. Também alberga a segunda maior escada rolante da China, com 88 metros de comprimento e 42 metros de altura.

A estação de Badaling na Grande Muralha é parte da estação de comboios de alta velocidade Pequim-Zhangjiakou, com 173 km. Zhang Chenlin/Xinhua/Getty Images

Devido à distância da plataforma, a cancela da estação fica fechada até 12 minutos antes da partida do último comboio, em vez dos habituais cinco minutos nas outras estações chinesas, para assegurar que os passageiros têm tempo suficiente para atravessar a enorme estação.

A estação de comboios de alta velocidade dos Jogos de Inverno

A estação de comboios Pequim-Zhangjiakou, com 173 km de comprimento, tem um novo comboio Fuxing de alta velocidade com unidades múltiplas elétricas (EMU), desenvolvido e operado pela empresa estatal, China State Railway Group.

Apresentado no início de janeiro, pode chegar aos 350 km/h e diminui o tempo de viagem entre as duas maiores cidades que recebem os Jogos de três horas para 56 minutos.

Apesar de o comboio de alta velocidade ser autónomo, há sempre um maquinista presente a controlá-lo. O comboio arranca, para e adapta-se aos diferentes limites de velocidade entre estações automaticamente.

As oito carruagens estão equipadas com sinais 5G, iluminação inteligente e 2718 sensores para recolher dados em tempo real e detetar qualquer anomalia operacional.

O novo comboio de alta velocidade Pequim-Zhangjiakou vai além da secção de Juyongguan da Grande Muralha, a 25 de janeiro de 2022. 
Jia Tianyong/China News Service/Getty Images

Foram concebidas carruagens especiais com as necessidades dos atletas em mente. Por exemplo, algumas das cabines têm compartimentos de arrumação maiores para os equipamentos dos desportos de inverno, que podem ser acedidos através de um código QR.

Além do caminho-de-ferro principal, também há dois secundários, Yanqing e Chongli, que ligam os passageiros autorizados a duas aldeias essenciais dos Jogos de Inverno.

Foi implementado um sistema de controlo de 55 dias de circuito fechado, que teve início a 21 de janeiro, para que aqueles que se dirigem aos Jogos Olímpicos não partilhem as mesmas carruagens que os outros passageiros. 

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados