Putin foi "forçado" a invadir a Ucrânia para substituir governo de Zelensky por um com "pessoas decentes", diz Berlusconi

23 set, 16:01
Berlusconi

O atual líder do partido nacionalista de direita Forza Italia desdramatizou as intenções de Vladimir Putin em utilizar armas nucleares

O antigo primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi considera que Vladimir Putin foi "forçado" a invadir a Ucrânia e a instalar um novo governo em Kiev "com pessoas decentes".

"Putin foi forçado pelo povo russo, pelo seu partido, pelos seus ministros, a inventar esta operação especial", disse Berlusconi, amigo pessoal do presidente russo, à televisão estatal italiana RAI.

O atual líder do partido nacionalista de direita Forza Italia desdramatizou as intenções de Vladimir Putin em utilizar armas nucleares, e manifestou alguma perplexidade em relação à estratégia adotada pela Rússia durante a invasão.

"Ainda nem percebi porque é que as tropas russas se espalharam pela Ucrânia, quando no meu entender eles só deveriam ter ficado por Kiev", disse, assumindo que a intenção original da Rússia era "conquistar Kiev numa semana", substituir o governo de Zelensky por um com "pessoas decentes" e sair "na semana seguinte".

Berlusconi sugeriu que a invasão foi feita também a pedido dos separatistas, referindo que os líderes pró-russos foram ao Kremlin e disseram "por favor defendam-nos porque, se não o fizerem, não sabemos onde vamos acabar".

O partido Forza Italia faz parte de uma coligação de extrema-direita com outros dois partidos, o Fratelli d'Italia e a Lega. Giorgia Meloni, líder do Fratelli, comprometeu-se em continuar a apoiar a Ucrânia, linha adotada pelo primeiro-ministro Mario Draghi, mas o líder da Lega, Matteo Salvini, tem ligações próximas ao Kremlin e tem hesitado em defender Kiev.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados