Nova linha circular do metro de Lisboa que liga Rato ao Cais do Sodré envolta em polémica

17 dez 2021, 19:56

Ministro do Ambiente falou aos jornalistas sobre as 33 frações na zona da Madragoa (Santos) que a Metro de Lisboa vai ocupar durante 5 semanas

PUB

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, visitou as obras da linha circular do Metropolitano de Lisboa (Metro de Lisboa) e considerou que as obras vão decorrendo “sem sobressaltos”.

Segundo o ministro, estas obras são essenciais para a mobilidade dos lisboetas e “para quem vem para Lisboa todos os dias”, sendo que vão permitir uma melhor circulação e fluidez “com os comboios a passarem de 3 em 3 minutos”.

PUB

Com o final da construção do primeiro lote, que terminará com a construção da estação “Santos”, espera-se que no mês de janeiro seja consignado o troço que ligará a futura estação “Santos” à estação terminal “Cais do Sodré”.

Mas é na zona de Santos que se instala a polémica. Avançou o jornal Público que moradores e empresários foram sendo notificados sem aviso prévio através de cartas que lhes foram enviadas no início do mês de novembro, e onde lhes foi dado o prazo de cerca de um mês e meio para desocuparem as casas e/ou instalações. Nalguns casos, foram feitas propostas de indeminização de 3 mil euros para despesas de alojamento, durante as 5 semanas em que as obras vão decorrer.

PUB
PUB
PUB

Questionado pela comunicação social, o ministro João Pedro Matos Fernandes não negou “que se calhar podia ter sido mais cuidadoso, contactar as pessoas primeiro, antes de enviar a carta”, mas que “não havia outra forma de fazer isto”.

Sobre o valor das indemnizações, o presidente da Metro de Lisboa, em declarações à CNN Portugal, disse que não consegue confirmar que este seja suficiente, mas pediu calma às pessoas e garantiu que “não vai ser por problemas económicos que as pessoas vão ter problemas”. Vítor Domingues dos Santos afirmou ainda que a Metro de Lisboa fará face às necessidades que as pessoas possam vir a ter e que estejam relacionadas com a sua deslocação: “fiquem tranquilos sobre isso”, concluiu.

Segundo o sítio da internet da Metro de Lisboa, a nova linha circular ligará as linhas amarela e verde entre a estação “Rato” e a estação “Cais do Sodré”. O tempo de execução total é de 960 dias (2 anos e meio) e custará cerca de 48,6 milhões de euros.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

País

Mais País

Patrocinados