Itália autoriza desembarque de navio com 89 migrantes resgatados

Agência Lusa , AM
8 nov, 08:40
Geo Barents (Associated Press)

Quatro migrantes tinham sido resgatados, no domingo, por razões médicas

O Rise Above, um navio humanitário que resgata migrantes no Mediterrâneo, atracou na Sicília esta madrugada após receber luz verde das autoridades italianas, anunciou a organização não governamental (ONG) alemã Mission Lifeline.

"A odisseia dos 89 sobreviventes e nove tripulantes parece ter acabado. O Rise Above entrou no porto de Reggio Calabria. Vamos torcer para que tudo corra bem e todos a bordo possam desembarcar", escreveu a ONG na rede social Twitter.

Quatro migrantes tinham sido resgatados no domingo, por razões médicas, do navio, pequeno em comparação com os outros três barcos de ONG, com cerca de 500 pessoas a bordo, que estão ao largo das costas de Itália, que mantém restrições severas ou até proibições ao desembarque.

Depois de semanas no mar, o navio de bandeira alemã Humanity 1, da ONG SOS Humanity, foi autorizado a atracar em Catania no domingo para desembarcar 144 pessoas, principalmente mulheres e menores.

A bordo, no entanto, permanecem 35 migrantes adultos do sexo masculino aos quais a Itália não permitiu a entrada no país.

O Geo Barents, um navio dos Médicos Sem Fronteiras (MSF), de bandeira norueguesa, também atracou em Catania na noite de domingo e as autoridades italianas autorizaram o desembarque de 357 pessoas, incluindo crianças, recusando a entrada de outras 215.

O desespero das pessoas retidas a bordo tinha levado na segunda-feira três migrantes resgatados pelo Geo Barents a saltarem ao mar.

O Ocean Viking, da ONG europeia SOS Méditerranée, também de bandeira norueguesa, ainda não conseguiu entrar em um porto italiano e estava a navegar na manhã de hoje, ao largo de Siracusa, disse à agência de notícias France-Presse um fotógrafo a bordo.

"A situação a bordo do Ocean Viking tornou-se insuportável para 234 sobreviventes. Após 17 dias a bordo, a sua saúde mental está gravemente afetada: muitos sofrem de insónias e apresentam sinais significativos de ansiedade e depressão", alertou a ONG na segunda-feira.

No mesmo dia, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) instaram os governos europeus a garantirem o desembarque seguro, partilhando responsabilidades, das centenas de migrantes resgatados retidos em navios de ONG.

A maioria das 88.000 pessoas que já chegaram por mar a Itália este ano foram resgatadas pela Guarda Costeira italiana e outros navios de resgate liderados pelo Estado italiano ou chegaram de forma autónoma, revelam o ACNUR e a OIM no comunicado.

O novo Governo da Itália prometeu adotar uma linha dura com os imigrantes. O ministro do Interior, Matteo Piantedosi, disse que os migrantes resgatados no mar são de responsabilidade do Estado sob cuja bandeira os barcos navegam.

Pelo menos 1.337 pessoas desapareceram na rota de migração do Mediterrâneo Central este ano, de acordo com o Projeto de Migrantes Desaparecidos da OIM.

Europa

Mais Europa

Patrocinados