Harriet, a gata, desapareceu de casa. Foi encontrada nove anos depois, a mais de 1.600 quilómetros

5 out, 19:59
Gata encontrada nove anos depois (Maureen Wright)

Quando lhe ligaram do abrigo de animais, Susan Moore achou que se tratava de uma brincadeira. Mas não: era mesmo a gata dela. Harriet agora tem uma nova vida - e um novo lar, porque não regressou à Califórnia.

Harriet desapareceu da casa onde morava, numa quinta da Califórnia, há nove anos. Susan Moore, a dona, não conseguia esconder a preocupação. Percorreu a pente fino toda a propriedade, visitou os abrigos locais, colocou anúncios na Internet. E não teve qualquer sinal do animal. O marido até a avisou para o cenário mais provável, a gata ter sido apanhada por um coiote.

“Fiquei muito perturbada com o desaparecimento dela”, contou Susan Moore, hoje com 57 anos. Foram três anos de uma relação próxima, com Harriet a ser uma presença assídua no trabalho da dona. Com o tempo, ela acabou por aceitar a perda.

Até que, no passado dia 19 de setembro, o telefone tocou. Do outro lado estava um funcionário de um abrigo de animais, dizendo que tinham encontrado a gata dela. Susan Moore ficou confusa, mas confirmaram-lhe que foi feita uma leitura do microchip e que a gata estava agora num abrigo em Hayden. “E onde fica Hayden, na Califórnia?”, questionou ela, desconfiada com aquela localização. Era de Hayden, sim, mas no estado de Idaho.

Harriet estava a mais de 1600 quilómetros de casa, uma distância que levaria cerca de 17 horas a fazer de carro – algo como ir de Lisboa a Paris a pé. Harriet foi encontrada por uma moradora e entregue no abrigo Kootenai Humane Society. “Fiquei em choque”, resumiu a antiga dona. O mesmo aconteceu com Vicky Nelson, a responsável do abrigo.

Mesmo que nunca vão saber que caminhos fez a gata, as duas têm uma teoria mais forte para o que lhe aconteceu: depois de se perder na Califórnia, terá sido acolhida por uma família que se terá mudado depois para Idaho. Mas são só suposições. “Eu gostava que ela pudesse falar, porque gostava de saber como raio é que aquela gata fez o caminho todo até ao Idaho”, brincou a dona.

Susan Moore ainda pensou ligar ao irmão, que vive no estado do Idaho, para ir buscar Harriet e trazê-la depois de avião para a Califórnia. Ponderou mesmo que o animal fosse viver com a mãe, fazendo companhia à idosa. Mas depois lembrou-se que a gata, agora com 13 anos, podia não se lembrar dela nem do ambiente da casa – e queria também evitar-lhe o stress de uma viagem tão longa.

Harriet tem uma nova dona - e um novo nome (Maureen Wright)

E é então que entra outra protagonista nesta história. No dia em que a imprensa local contou a história, Maureen Wright, de 75 anos, uma das voluntárias do abrigo, conheceu Harriet e quis levá-la logo para casa, onde acolhe também outros animais de idade avançada. Após a autorização de Susan Moore, Harriet partilhou o pátio da casa com outros gatos e cães.

Só que, recentemente, a gata que vivia com Maureen Wright dentro de casa morreu. E a mulher sentiu necessidade de lhe preencher o lugar. “Ela tem um lar comigo para o resto da vida ela. Está fora do mercado”, garantiu. Harriet agora chama-se Isis, em homenagem à deusa egípcia.
 

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados