Galp adianta que tem adquirido "gás de outras fontes com perdas significativas"

Agência Lusa , MJC
19 out, 21:41
Gás, preços, inflação, energia. Foto: Artur Widak/NurPhoto via Getty Images

A empresa afirma que “está a monitorizar os desenvolvimentos na Nigéria”

A Galp adiantou que “tem vido a adquirir ao longo deste ano gás proveniente de outras fontes com perdas significativas”, após o Presidente da República ter dito que o problema no fornecimento da Nigéria estava “parcialmente ultrapassado”.

“Devido a restrições de fornecimento da Nigéria e por forma a assegurar o fornecimento aos seus clientes, particularmente em Portugal, a Galp tem vindo a adquirir ao longo deste ano gás proveniente de outras fontes com perdas significativas”, lê-se numa nota da petrolífera portuguesa enviada à Lusa.

A Galp afirma que “está a monitorizar os desenvolvimentos na Nigéria”.

“Continua a não ser claro quando é que as operações no país serão restauradas ou se os impactos das cheias poderão resultar em ruturas adicionais de abastecimento para a Galp”, acrescenta.

O esclarecimento da Galp surge depois de o chefe de Estado português ter relativizado a perspetiva da Galp sobre o assunto.

"Há outros países, por exemplo, que mostram interesse em fornecer a Galp e a Galp não tem mostrado interesse em ter esse fornecimento. A perspetiva da Galp é a perspetiva da Galp. A perspetiva do Governo português é a perspetiva de Portugal", declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas, em Dublin.

Interrogado se não são preocupantes os avisos da Galp, considerou que "não", acrescentando: "Uma coisa são as prevenções que determinadas companhias fazem de vez em quando, outra coisa é a movimentação a nível de governos para ultrapassar esses problemas".

Questionado se os portugueses devem estar preocupados ou não com o fornecimento de gás da Nigéria, o chefe de Estado respondeu: "Não está em causa um corte de gás da Nigéria".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "a Nigéria tem sido um cumpridor zeloso, e tenciona ser um cumpridor zeloso e recuperar as entregas que entretanto se tinham atrasado, e a preocupação é se isso poderá acontecer ou não, uma vez que tem um peso muito grande no fornecimento de gás a Portugal".

"Está parcialmente ultrapassado, porque o Governo português tem desenvolvido várias diligências, e essas diligências tiveram uma reação muito positiva dos responsáveis, a começar no Presidente nigeriano [Muhammadu Buhari], no sentido de até ao fim do ano tudo fazer para ultrapassar aquilo que aconteceu quanto a alguns fornecimentos no passado recente", acrescentou.

"Portanto, eu diria que a preocupação neste momento já tem um começo de resposta que é positivo", concluiu.

O Presidente da República está na Irlanda em visita de Estado, acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e por deputados dos cinco partidos com maior representação parlamentar: PS, PSD, Chega, Iniciativa Liberal e PCP.

Relacionados

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados