Deputado do Chega que defende não haver racismo em Portugal diz-se vítima de racismo no Parlamento

Agência Lusa , PF
31 mar, 20:20
Gabriel Mithá Ribeiro

Gabriel Mithá Ribeiro é conhecido por publicações académicas em que defende que não existe racismo no país, posição que também assume publicamente

O deputado do Chega Gabriel Mithá Ribeiro considerou esta quinta-feira que não foi eleito vice-presidente da Assembleia da República por uma “questão racial”. “Fui rejeitado num país e num regime que anda há décadas a dizer que combate o racismo”, disse Gabriel Mithá Ribeiro, em conferência de imprensa, nos Passos Perdidos, depois da rejeição do seu nome para vice-presidente da Assembleia da República.

O deputado obteve 37 votos a favor, 177 brancos e 11 nulos, aquém dos 116 deputados necessários para conseguir a maioria absoluta e ser eleito vice-presidente. O Chega começou por apresentar a votos para a vice-presidência da Assembleia da República Diogo Pacheco de Amorim, que falhou a eleição com 35 votos a favor, 183 brancos e seis nulos.

Gabriel Mithá Ribeiro, que falou depois do presidente do partido, André Ventura, disse não poder “deixar de acrescentar neste episódio a questão racial”. “Isto tem de ter uma interpretação racial”, argumentou.

Gabriel Mithá Ribeiro é conhecido por publicações académicas em que defende que não existe racismo em Portugal, posição que também assume publicamente. Face às declarações que fez, o deputado foi questionado várias vezes pelos jornalistas sobre se então assume que existe racismo em Portugal e se o 'chumbo' para a vice-presidência da Assembleia da República está relacionado com isso.

O deputado não respondeu diretamente a nenhuma das questões. “Eu digo que o racismo é um fenómeno histórico que entretanto foi ultrapassado, mas aqueles que andam a encher o discurso de que o racismo existe na hora da verdade fazem isto”, disse o deputado.

O deputado, que nasceu em Moçambique, disse também que há uma diferença de tratamento entre as pessoas que pertencem a uma minoria mas têm orientações políticas diferentes: “Se uma pessoa é negra e é de esquerda é tratada com dignidade - ou pelo menos com alguma dignidade. Se uma pessoa é negra e é politicamente neutra, tende a ser apagada das instituições. Se uma pessoa é negra e é de direita, é tratada, desculpem a força da expressão, como se tratam os pretos”.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados