Turquia
Finalizado
3 - 1
Geórgia

Da guerra na Ucrânia à ascensão da China: 5 razões que explicam a importância desta reunião do G7

CNN , Brad Lendon
18 mai 2023, 22:00
O presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, num encontro que antecede a cimeira do G7 em Hiroshima. Foto: Susan Walsh/AP

ANÁLISE. A reunião deste ano do G7 no Japão tem um significado especial, e não apenas pela sua localização

A reunião deste ano do G7 no Japão tem um significado especial, e não apenas pela sua localização. 

Os líderes das democracias mais avançadas do mundo estão a reunir-se em Hiroshima, o alvo do primeiro ataque nuclear do mundo – um lembrete adequado dos riscos da guerra nuclear – enquanto discutem a Rússia e o conflito na Ucrânia. 

A China, a apenas um curto voo de distância, também estará na ordem do dia, quando se debater a sua oferta para desempenhar o papel de mediador de paz, apesar da sua estreita relação com o agressor.  

Há muito a fazer antes de o Presidente dos EUA, Joe Biden, regressar aos EUA para lidar com a crise iminente do teto da dívida. 

Eis aquilo a que deve estar atento:

Simbolismo nuclear 

Não muito longe do local da reunião dos líderes, encontra-se o Museu Memorial da Paz de Hiroshima, onde estão expostos dezenas de relógios, muitos deles ainda parados nas 8:16 da manhã. 

Foi a essa hora que, a 6 de agosto de 1945, um bombardeiro B-29 da Força Aérea do exército dos EUA lançou uma única bomba atómica sobre a cidade, matando 70.000 pessoas com a sua explosão inicial e deixando dezenas de milhares de outras a morrer lentamente devido a queimaduras ou doenças relacionadas com a radiação. 

A bomba, apelidada de "Little Boy", foi o primeiro passo de uma corrida às armas nucleares que, quase 80 anos depois, vê um mundo com cerca de 12 500 ogivas nucleares – muitas delas exponencialmente mais potentes do que a Little Boy – na posse de nove países com armas nucleares, segundo a Federação de Cientistas Americanos. 

Dois anos após o bombardeamento de Hiroshima e Nagasaki, alguns dos cientistas norte-americanos que desenvolveram essas armas atómicas criaram o Relógio do Apocalipse, um indicador anual da proximidade do desastre nuclear. 

De acordo com o Boletim de Cientistas Atómicos, "o relógio está agora a 90 segundos da meia-noite – o mais próximo de uma catástrofe global que alguma vez esteve". 

Há várias razões para isso: a China está a aumentar o seu arsenal nuclear; a Coreia do Norte tem vindo a testar mísseis com capacidade nuclear a um ritmo recorde; o Irão continua a avançar para o desenvolvimento das suas próprias armas nucleares. 

Mas o boletim diz que a principal razão para o relógio estar no seu nível mais perigoso é o tema mais difícil que os líderes do G7 vão enfrentar em Hiroshima – a guerra da Rússia contra a Ucrânia – e o potencial para o conflito escalar "por acidente, intenção ou erro de cálculo". 

Ameaças de Moscovo 

A invasão russa do seu vizinho ocidental já vai no seu segundo ano. 

O arsenal de Moscovo, com cerca de 6.000 ogivas nucleares, é sempre muito importante, especialmente porque a guerra tem estado num impasse – se não mesmo a favor da Ucrânia – uma vez que as forças de Kiev são reforçadas por armas fornecidas pela maioria dos países reunidos em Hiroshima. 

Quando o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida – natural de Hiroshima – visitou Kiev, em março, o Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky elogiou-o por manter o G7 unido em prol da Ucrânia. 

"O Primeiro-Ministro Kishida afirmou que, na qualidade de Presidência do G7, o Japão manterá a unidade do G7 na imposição de sanções rigorosas contra a Rússia e na prestação de apoio à Ucrânia", refere uma declaração conjunta dos dois líderes. 

Não se espera que a unidade do G7 em relação à Ucrânia seja quebrada na cimeira. 

A Grã-Bretanha acaba de entregar mísseis tecnologicamente avançados à Ucrânia e compromete-se a liderar uma coligação para fornecer a Kiev caças F-16; a Alemanha acaba de anunciar o seu maior pacote de ajuda à Ucrânia, no valor de 2,7 mil milhões de euros em tanques, veículos blindados, drones de reconhecimento e munições; no início deste mês, o Departamento de Defesa dos EUA anunciou um pacote de 1,1 mil milhões de euros para reforçar as defesas aéreas e os stocks de artilharia da Ucrânia. 

O maior desafio para os líderes do G7 poderá ser manter esta dinâmica. Os recursos económicos não são ilimitados e todos enfrentam pressões internas à medida que os seus países continuam a recuperar da pandemia. 

Mas o presidente dos EUA, Joe Biden, parece inabalável. 

"Vocês recordam-nos de que a liberdade não tem preço; vale a pena lutar pelo tempo que for preciso", disse a Zelensky em Kiev, em Fevereiro. "E é por esse tempo que vamos estar consigo, sr. presidente: pelo tempo que for preciso." 

Uma cimeira à porta da China 

A cerca de mil quilómetros a oeste de Hiroshima fica Pequim, cujo desenvolvimento militar é uma grande preocupação para Kishida, anfitrião do G7, e para o aliado mais importante do Japão, os Estados Unidos. 

Com um olho na China e outro na Coreia do Norte, Kishida prometeu em dezembro duplicar o orçamento militar de Tóquio. O plano poderá fazer com que o Japão tenha o terceiro maior orçamento militar do mundo, atrás dos Estados Unidos e da China. 

Não parece haver qualquer dúvida de que Biden apoia Kishida no que respeita à China. Afinal de contas, dezenas de milhares de tropas americanas têm base no Japão e, em janeiro, os dois aliados anunciaram um reforço significativo das suas relações militares, com a criação de novas unidades de fuzileiros navais americanos para reforçar a defesa do Japão. 

Também a Grã-Bretanha está a reforçar os laços militares com o Japão, tendo anunciado em janeiro um "acordo de defesa histórico" que lhes permitirá enviar forças para os países um do outro. 

Uma das maiores preocupações de Tóquio com Pequim é a sua posição em relação a Taiwan, a ilha autónoma sobre a qual o Partido Comunista Chinês reivindica soberania, apesar de nunca a ter controlado. O líder chinês Xi Jinping não excluiu o uso da força para colocar Taiwan sob o controlo de Pequim. 

Em agosto passado, durante exercícios militares, mísseis chineses caíram na zona económica exclusiva do Japão, nas proximidades das ilhas japonesas perto de Taiwan. 

Mas o G7 não está tão unido em relação à China como está em relação à Rússia. 

Após a visita do presidente francês Emmanuel Macron a Pequim, em abril, este afirmou que a Europa não deve tornar-se "apenas seguidora da América", quando questionado sobre a perspetiva de a China invadir Taiwan. 

A Europa não deve ser "apanhada em crises que não são nossas, o que a impede de construir a sua autonomia estratégica", afirmou Macron. 

Isto não caiu bem nos EUA e entre alguns dos parceiros europeus de Macron, e é de esperar que seja um tema de conversa, pelo menos à porta fechada, no G7. 

Multiplicação de cimeiras

A reunião de Hiroshima deveria ser seguida, na próxima semana, por uma cimeira na Austrália dos líderes da aliança informal Quad: EUA, Japão, Índia e Austrália. 

Mas com as preocupações económicas internas a fervilhar em Washington, Biden disse que seria necessário no seu país logo a seguir ao G7, pelo que a reunião do Quad foi agora encaixada à pressa em Hiroshima. 

O primeiro-ministro australiano Anthony Albanese espera que as discussões do Quad não sejam um evento secundário. 

"O Quad é um órgão importante e queremos ter a certeza de que se realiza ao nível da liderança e vamos ter essa discussão durante o fim de semana", afirmou. 

A reunião será a terceira reunião presencial de líderes do Quad. Conhecido formalmente como o Diálogo de Segurança Quadrilateral, o grupo foi fundado há mais de 15 anos, mas tem vindo a ganhar destaque nos últimos anos, no que os analistas consideram ser uma resposta à política externa cada vez mais assertiva da China. 

De acordo com um comunicado divulgado pela Casa Branca no mês passado, os líderes deverão discutir o aprofundamento da cooperação numa série de questões, desde as tecnologias críticas e emergentes até às alterações climáticas e ao conhecimento do domínio marítimo. 

Teto da dívida 

O facto de Biden ter encurtado a sua viagem ao Pacífico é, por si só, simbólico: apesar de toda a conversa sobre novas ordens económicas no mundo, a economia dos EUA continua a ser a força mais significativa. 

O Presidente dos EUA disse que não podia justificar a viagem à Austrália, com uma escala na Papua Nova Guiné, porque a sua presença em Washington poderia ajudar o Congresso dos EUA a aprovar legislação que aumentasse o teto da dívida pública americana. 

Se o Congresso não o fizer até 1 de Junho e o governo dos EUA não cumprir a sua dívida, os efeitos poderão destruir a economia dos Estados Unidos e pôr em perigo a segurança financeira de milhões de americanos. 

A situação iria ter repercussões em todo o mundo. De acordo com o Congressional Research Service, cerca de 30% da dívida pública dos EUA é detida por estrangeiros e os juros pagos sobre esses 30% da dívida totalizaram 184,4 mil milhões de dólares em 2022.  

Dois dos maiores detentores dessa dívida, o Japão e a Grã-Bretanha, estarão à mesa com Biden em Hiroshima.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados