Furacão Beryl acabou de fazer história. E os meteorologistas estão preocupados com o que poderá acontecer a seguir

CNN , Mary Gilbert
10 jul, 14:09
Furacão Beryl (Associated Press)

Beryl quebrou o padrão da época de furacões - que se avizinha prolífica

O Beryl acabou de quebrar todas as expectativas do que um furacão de início de época poderia tornar-se, e deixou os especialistas preocupados com o que poderá vir a seguir.

Normalmente, as tempestades do início da estação não são indicativas do que está para vir mais tarde na estação, porque as condições atmosféricas necessárias para tempestades poderosas ainda não estão criadas. Mas o Beryl quebrou o padrão.

"Normalmente, a atividade das tempestades no início da época não nos diz muito sobre o que vai acontecer no resto do tempo", explicou Phil Klotzbach, especialista em furacões e cientista pesquisador da Universidade Estadual do Colorado, à CNN. "Mas quando as tempestades são fortes no Atlântico tropical e nas Caraíbas orientais, tendem a ser um prenúncio de uma época muito agitada."

A parte mais intensa da temporada de furacões no Atlântico só começa em meados de agosto e atinge o pico em setembro, mas o Beryl - que se formou inicialmente no final de junho - comportou-se como se já tivesse chegado. A água que o Beryl atravessou estava tão quente como deveria estar em setembro, pelo que se comportou como um furacão de setembro.

É algo que os meteorologistas avisaram que poderia acontecer mesmo antes do início da época.

"O Beryl confirma o que pensávamos sobre (esta) época, que, dadas as temperaturas extremamente quentes (da água) que temos atualmente, poderíamos ter tempestades do tipo da época intermédia mais cedo do que o normal", afirmou Klotzbach.

As temperaturas dos oceanos na bacia atlântica continuam a estar historicamente quentes e têm-no estado há mais de um ano, em especial no local onde o Beryl se tornou um furacão. O aquecimento dos oceanos é uma das principais consequências do aquecimento do planeta devido à poluição causada pelos combustíveis fósseis e fornece o combustível para que os sistemas tropicais aumentem a sua força a um ritmo alucinante.

Segundo Klotzbach, o Beryl intensificou-se mais rapidamente do que qualquer outra tempestade registada neste início de estação, tendo os ventos aumentado 65 mph em apenas 24 horas. A intensificação rápida está a tornar-se mais provável à medida que a crise climática avança.

"A rápida e precoce intensificação do Beryl é indicativa dos tipos de fenómenos meteorológicos extremos a que poderemos assistir com maior frequência num mundo em aquecimento", segundo Mona Hemmati, investigadora de pós-doutoramento da Escola do Clima da Universidade de Columbia. O Beryl " representa muitos dos receios que os cientistas têm em relação a esta época de furacões", disse Hemmati à CNN.

A tempestade aproveitou as águas extremamente quentes e acabou por se fortalecer, tornando-se no furacão de categoria 5 mais antigo de que há registo no Atlântico - um dos vários marcos que nenhum outro furacão do início de julho atingiu.

O furacão Beryl, de categoria 5, agita-se no Mar das Caraíbas na terça-feira, 2 de julho de 2024. CNN Stormbot

Meteorologistas agravam previsões da época de furacões depois do Beryl

Os meteorologistas agravaram as previsões da temporada de furacões depois do desempenho sem precedentes de Beryl ter solidificado um coro de vozes de especialistas - incluindo a equipa de Klotzbach no Estado do Colorado - que previam uma temporada de furacões hiperactiva muito antes da formação das três primeiras tempestades nomeadas - Alberto, Beryl e Chris.

"Esta atividade no início da época é um sinal de alerta de que as coisas vão ser muito movimentadas quando nos aproximarmos do pico da época", advertiu Klotzbach.

O grupo de meteorologistas de Klotzbach, do Colorado State, aumentou o número de tempestades, furacões e furacões importantes previstos para esta época, numa atualização da previsão da época de furacões feita na terça-feira. Prevêem agora que a estação atlântica terá 25 tempestades designadas, incluindo 12 furacões, metade dos quais se tornarão grandes furacões de, pelo menos, categoria 3.

A previsão também se baseia num La Niña crescente que deverá aliviar o cisalhamento do vento - a mudança na velocidade ou direção do vento a diferentes alturas da atmosfera - sobre o Atlântico. Níveis elevados de cisalhamento do vento podem destruir uma tempestade ativa ou impedir a sua formação. Sem ele, poderiam formar-se e fortalecer-se mais tempestades.

Mas a água extremamente quente manter-se-á durante o pico da época dos furacões e as tempestades poderão tirar partido dela para ultrapassar o cisalhamento do vento, tal como aconteceu com o Beryl.

A água extremamente quente manteve o Beryl incrivelmente forte, mesmo perante o cisalhamento perturbador do vento que o deveria ter enfraquecido consideravelmente. O mesmo aconteceu durante a época de furacões do ano passado, quando o El Niño provocou um aumento do cisalhamento do vento, mas as águas incrivelmente quentes ajudaram à formação de 20 tempestades.

Por agora, espera-se uma breve pausa na atividade tropical atlântica durante a próxima semana ou duas devido, em parte, a uma grande área de ar seco e poeirento e a alguns episódios de cisalhamento do vento moderadamente disruptivo.

As nuvens de ar seco cheias de poeira do Sahara que atravessam o Atlântico vindas de África são típicas nesta altura do ano. Por vezes, podem mesmo chegar aos Estados Unidos e ajudar a produzir pores-do-sol deslumbrantes.

Um modelo de previsão mostra a poeira do Sara a espalhar-se por grande parte do Oceano Atlântico tropical no final desta semana. CNN Weather

Mas o ar seco e poeirento não é amigo dos sistemas tropicais. Corta a humidade de que um sistema necessita para sobreviver, pelo que o Centro Nacional de Furacões não está a destacar quaisquer áreas a vigiar para o desenvolvimento tropical durante a próxima semana.

Quando a pausa vai terminar e a parte mais movimentada da temporada de furacões vai começar é a "pergunta de um milhão de dólares", de acordo com Klotzbach. A atividade tropical pode voltar a aumentar no final de julho ou esperar até agosto, dependendo de vários factores atmosféricos nas próximas semanas, afirmou à CNN.

De qualquer forma, com um calor oceânico tão extremo para aproveitar, Beryl provou que a porta está aberta para uma temporada prolífica.

Rachel Ramirez, da CNN, contribuiu para este artigo.

Relacionados

Clima

Mais Clima

Patrocinados