Fungo do Whiskey obriga Jack Daniels a interromper obras em armazéns de barris

MCT
3 mar 2023, 16:48
Jack Daniels

O fungo é alimentado por vapores de etanol. População está preocupada com a segurança do ar e acusa a empresa de falta de licenças

Carros, casas e placas no Condado de Lincoln, Tennessee, nos Estados Unidos, têm sido cobertos por uma espécie de mofo preto ou, como os moradores da região lhe chama, "fungo do whiskey”. A Baudoinia compniacensis é um fungo que tem vindo a ser alimentado através do vapor de etanol proveniente das instalações da Jack Daniels. Este problema já vem desde 2018, quando a empresa comprou seis armazéns para armazenar os seus barris. A população está preocupada e tem exigido que a empresa de bebidas Jack Daniel não só assuma a responsabilidade por estar a espalhar o fungo, como que apresente um certificado que esclareça se é ou não seguro respirar o ar contaminado. Até lá, a empresa estará impedida de aumentar para 14 as instalações onde guarda barris de álcool.

Muitos moradores têm mostrado publicamente os seus receios, tendo mesmo organizado uma audiência pública com funcionários da empresa, e pedem à Jack Daniels que instale sistemas de filtragem de ar para combater o problema. À BBC, Christi Long, que tem um espaço de eventos perto da zona dos armazéns, diz que o fungo está a obrigá-lo a gastar milhares em produtos de limpeza. Por causa disso e do risco que vê na infestação do ar, Long está a processar aquele armazém com a acusação de não terem as devidas licenças.

O advogado de Long, Jason Holleman, refere que este tipo de empresas de bebidas alcoólicas costuma referir-se ao processo de evaporação como “a parte dos anjos”, sem nunca mencionar o mofo que gera. “Infelizmente isso resulta num fungo do diabo”, brinca o advogado.

O presidente do Tribunal, James B. Cox, ordenou a interrupção da construção de novos armazéns ao compreender que o processo de licenciamento não chegou a ser concluído.

A assessora da Brown-Forman, a detentora da marca Jack Daniels, garantiu ao jornal Lexington-Herald Leader, citado pela BBC, que vai respeitar a ordem do Tribunal e que espera “trabalhar com o Condado de Lincoln para obter as licenças atualizadas". E acrescenta “A empresa irá continuar a cumprir os regulamentos e padrões da indústria em relação ao projeto, construção e licenciamento dos nossos armazéns em Lincoln Co.”, assinala.
 

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados