Eu, Franz Kafka, estou bloqueado (e alguém vai pagar mais de 80.000€ por esta história)

CNN , Amarachi Orie
3 jun, 15:16
Franz Kafka

Fez esta segunda-feira 100 anos que Franz Kafka morreu mas há coisas que morrem nunca - como o génio dele, por exemplo. Ou o bloqueio de escritor, que atinge génios e não génios. Há uma prova disso que vai a leilão

Carta de Franz Kafka queixando-se de bloqueio de escritor é leiloada

por Amarachi Orie, CNN


Uma carta que dá uma visão rara da luta de Franz Kafka contra o bloqueio de escritor vai ser leiloada.

Conhecido pela novela “A Metamorfose”, de 1915, ou "O Processo", o escritor judeu nascido em Praga debateu-se durante toda a sua curta vida com ansiedade, desespero e isolamento - temas que vieram a definir a sua obra - mas pouco se sabe sobre o seu processo criativo.

Carta assinada de Franz Kafka escrita em alemão para o seu amigo, o poeta vienense Albert Ehrenstein, numa altura em que estava a receber tratamento para a tuberculose foto Sotheby's

A carta de uma página - que deve ser vendida por 82.000€ a 106.000€ na Sotheby's em Londres - data da primavera de 1920, segundo a casa de leilões.

Isto significa que terá sido escrito enquanto Kafka estava a receber tratamento para a tuberculose, que lhe tinha sido diagnosticada três anos antes. Kafka teve uma baixa intermitente do seu emprego numa companhia de seguros e passou frequentemente períodos em sanatórios. Reformou-se em 1922 e morreu numa clínica perto de Viena dois anos depois.

Kafka descreve um bloqueio de escritor que durou três anos e as “preocupações” que o afligiam foto Sotheby's

“Há três anos que não escrevo nada, o que se publica agora são coisas velhas, não tenho mais nenhuma obra, nem sequer comecei”, lamenta Kafka na carta, escrita em alemão e dirigida ao seu amigo, o poeta austríaco Albert Ehrenstein.

Dando uma razão para este período de seca literária, Kafka escreveu: “Quando as preocupações penetram numa certa camada da existência interior, a escrita e a queixa cessam obviamente, de facto a minha resistência não foi muito forte”.

A carta foi escrita em resposta a um pedido de Ehrenstein para que contribuísse para a sua revista, segundo um comunicado da Sotheby's. Ehrenstein fez o pedido depois de ver uma obra recém-publicada de Kafka - provavelmente a coleção de contos “Ein Landarzt” (“Um médico do campo”), de 1919.

“A vida e a obra de Franz Kafka são, desde há muito, uma fonte de fascínio em todo o mundo”, afirma Gabriel Heaton, especialista da Sotheby's Books & Manuscripts, no comunicado.

“A carta revela como a escrita lhe impunha exigências intensas e requeria reservas profundas de força interior, enquanto se debatia com uma profunda insegurança e preocupação com a futilidade do seu trabalho. Podemos também estar gratos pelo facto de Kafka ter continuado a pegar na caneta apesar do seu bloqueio de escritor", acrescentou.

Na altura em que a carta foi escrita, Kafka tinha também iniciado uma intensa relação amorosa com a jornalista e escritora checa Milena Jesenská. Assim, apesar de a sua saúde física continuar a deteriorar-se, Kafka ganhou confiança renovada com o apoio de Jesenská e pôde iniciar os seus últimos projetos literários, incluindo “Um artista da fome” e “O Castelo”, segundo o comunicado.

Ambos os livros foram publicados postumamente, em 1924 e 1926, respetivamente - apesar de Kafka ter pedido que os seus manuscritos não publicados fossem destruídos após a sua morte.

Embora tenha sido procurado por editores de vanguarda durante a sua vida, a maior aclamação literária de Kafka veio postumamente.

As suas obras, todas escritas em alemão, foram redescobertas na Alemanha e na Áustria depois de 1945 e começaram a ter uma enorme influência na literatura alemã, que se estendeu a todo o mundo na década de 1960. As suas obras foram amplamente adaptadas ao cinema, à televisão e ao teatro.
 

O leilão decorre de 26 de junho a 10 de julho

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados