Foguetão chinês descontrolado obriga a suspender voos em Espanha. Portugal está na rota

4 nov, 09:48
Avião

Objeto atravessou o espaço aéreo português, mas acabou por cair no Oceano Pacífico. ANAC emitiu aviso à NAV , que não registou constrangimentos no tráfego aéreo em Portugal

A reentrada descontrolada de um foguetão chinês na atmosfera afetou o tráfego aéreo espanhol esta sexta-feira, avança a imprensa espanhola. Segundo as previsões do Eurocontrol, citadas pelo El Mundo, a trajetória da aeronave atravessou o espaço aéreo de Espanha durante cerca de uma hora, o que obrigou a suspender os voos em alguns aeroportos do país.

O aeroporto de Barcelona suspendeu todas as operações, tanto descolagens como aterragens, durante uma hora a partir das 9:19 desta sexta-feira. Fonte do aeroporto indicou à imprensa espanhola que a interrupção do tráfego aéreo durante esta hora causará atrasos ao longo do dia, embora advirta que ainda é cedo para prever como a situação evoluirá.

 A suspensão das operações aéreas afeta também outros aeroportos da Catalunha, bem como as Ilhas Baleares, Aragão e Navarra , segundo a Proteção Civil.  "Devido ao risco associado à passagem do objeto espacial CZ-5B pelo espaço aéreo espanhol, os voos foram totalmente restringidos das 9:38 às 10:18 na Catalunha e em outras comunidades", informou também no Twitter.

Detritos também vão entrar em espaço aéreo português

O fragmento que está a alarmar as autoridades é parte de um grande objeto espacial chamado CZ-5B (2022-143B), que foi lançado a 31 de outubro. Embora o módulo do foguetão pese cerca de 20 toneladas, estima-se que a maior parte se desintegrará ao entrar na atmosfera.

O objeto espacial sobrevoou os espaços aéreos da Grécia e de Itália. E a trajetória prevista traça um arco que inclui as Ilhas Baleares, Catalunha e Madrid. Depois entrará no espaço de Portugal e no Oceano Atlântico, mas desconhece-se onde poderá cair.

Contactadas pela CNN Portugal, a ANA Aeroportos indica que já entrou em contacto com a NAV - que controla o tráfego aéreo em Portugal - que, por sua vez, adianta que recebeu uma ordem da ANAC para reservar espaços aéreos em determinadas áreas do país. Não há a registar, para já, constrangimentos ao tráfego. Também as companhias aéreas que operam em Portugal já foram avisadas.

Também a Agência Espacial Portuguesa está a acompanhar a situação, adiantando que as previsões estimam que o fragmento reentre cerca das 11:20 desta sexta-feira.

Esta não é, contudo, a primeira vez que a China cria alarme global na sequência do lançamento de um foguetão parte do seu ambicioso programa espacial - o Long March-5B Y4, que colocou a última fase da sua estação espacial em órbita.

Aliás, em apenas dois anos, esta é a terceira vez que as autoridades espaciais chinesas perdem o controlo dos fragmentos de um foguetão, situação que já levou a NASA a classificar como irresponsável .

A última vez que a China provocou um susto deste género a 30 de julho, quando grande parte de um foguetão se desintegrou no Sudeste Asiático. Em maio de 2021, estes restos do foguete também colocaram em risco a Península Ibérica, embora finalmente tenha caído no Oceano Índico, perto da Índia e do Sri Lanka. A NASA respondeu com uma declaração altamente crítica: "Está claro que a China não está a cumprir os padrões responsáveis ​​em relação aos seus detritos espaciais".

Segundo explica o EUSST, órgão de Vigilância e Rastreamento Espacial da União Europeia, o programa espacial chinês deliberadamente deixa cair uma parte dos foguetãoes Longa March de forma descontrolada na Terra cada vez que são usados. 

Patrocinados