Fnam considera "aumento transversal de 3,6%" insultuoso para médicos

Agência Lusa , PF
7 set 2023, 20:50
Médicos (imagem Getty)

Em comunicado, o sindicato contesta, ainda, a proposta do Governo para o novo regime de dedicação plena que, segundo a estrutura, assenta em "critérios economicistas ao invés de critérios clínicos"

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) considerou esta quinta-feira o "aumento transversal de 3,6%" para os médicos proposto pelo Governo "um insulto a toda a classe", apontando ao executivo "falta de vontade política".

A posição é expressa num comunicado após uma nova reunião negocial extraordinária que decorreu entre sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde, e que terminou sem acordo.

No comunicado, a Fnam contesta, ainda, a proposta do Governo para o novo regime de dedicação plena que, segundo a estrutura, assenta em "critérios economicistas ao invés de critérios clínicos".

"Não aceitamos que 16 meses de negociações resultem num negócio que não vai salvar as carreiras médicas ou o Serviço Nacional de Saúde", refere a Fnam, que mantém a greve nacional agendada para 14 e 15 de novembro e a manifestação à porta do Ministério da Saúde, em Lisboa, em 14 de novembro.

As negociações entre sindicatos dos médicos e Governo foram iniciadas em 2022, mas continuam num impasse.

Uma nova reunião negocial extraordinária está marcada para terça-feira.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados