É oficial. Finlândia avança com pedido de adesão à NATO: "Este é um dia histórico. Uma nova era começou"

15 mai, 11:22
Finlândia (AP Photo)

O parlamento finlandês irá aprovar o pedido de adesão nos próximos dias

O presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, anunciou formalmente, este domingo, a candidatura à NATO. Uma decisão que rompe com a neutralidade militar do país.

"Este é um dia histórico. Uma nova era começou", disse o Presidente finlandês, Sauli Niinistö, numa conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra, Sanna Marin.

"De acordo com a orientação elaborada na reunião do Presidente da República e do Comité de Política Externa e de Segurança do Primeiro-Ministro, a Finlândia deve candidatar-se à adesão à NATO após consulta do Riksdag [parlamento]", pode ler-se na nota publicada pela página do governo finlandês no Twitter.

É expectável que o parlamento finlandês aprove esta decisão nos próximos dias.

Depois de aprovado pelo parlamento, o pedido formal de adesão à NATO será submetido à sede deste organismo, em Bruxelas, sendo previsível que tal aconteça durante a próxima semana.

Líderes europeus e da NATO partilham "otimismo"

Entretanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, João Gomes Cravinho, afirmou hoje que existe uma “boa base de otimismo” relativamente à adesão da Finlândia e Suécia à NATO, que permitirá resolver as “questões em aberto”, nomeadamente as divergências apontadas pela Turquia.

A oposição de última hora demonstrada pela Turquia, membro da Aliança, à integração dos dois países nórdicos coloca a incerteza quanto ao resultado do processo.

“Penso que há uma boa base de otimismo [porque] todos nós estamos conscientes de que divergências que possam existir são sempre pequenas face àquilo que é verdadeiramente importante, que é o reforço da Aliança e o reforço da segurança da Finlândia e da Suécia”, apontou João Gomes Cravinho.

Falando no final da reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Berlim, o chefe da diplomacia portuguesa realçou que “a Turquia, a Finlândia e a Suécia estão num processo de diálogo para resolver as divergências”, após a Turquia se ter mostrado reticente face ao alargamento da Aliança Atlântica.

No mesmo sentido, também o ministro dos Negócios Estrangeiros da Croácia, Gordan Grlic Radman, referiu que a discussão para a integração da Finlândia e da Suécia “está no bom caminho”.

"Acho que a discussão está no bom caminho (...) Espero que tenhamos uma discussão final frutífera e um bom resultado para mostrar a nossa solidariedade", afirmou o ministro croata.

O otimismo foi também partilhado tanto pela secretária-geral adjunta da NATO, Mircea Geona, como pela ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, que manifestaram confiança num consenso dos membros deste organismo e perspetivaram que a adesão da Finlândia e da Suécia possa ocorrer “muito rapidamente”.

"A Alemanha preparou tudo para que o processo de ratificação fosse rápido", assegurou Annalena Baerbock.

Para permitir a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO, é necessário o aval dos 30 membros da Aliança Atlântica.

Na véspera da reunião na capital alemã, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, manifestou-se desfavorável à entrada da Finlândia e da Suécia na NATO, por acolherem militantes curdos que a Turquia considera como terroristas.

Foi a primeira voz dissonante no seio dos 30 aliados a propósito desta matéria.

A entrada de um novo Estado-membro na NATO requer unanimidade, o que significa que a Turquia poderá bloquear a adesão dos dois países escandinavos, cuja candidatura deverá ser formalizada nos próximos dias.

Porém, já no sábado, o porta-voz de Recep Tayyip Erdogan veio garantir que a Turquia “não fecha a porta” à entrada destes dois países nórdicos na Aliança Atlântica.

Na sequência da guerra na Ucrânia, a Finlândia e a Suécia iniciaram um debate sobre a adesão à NATO, que, a concretizar-se, significará o abandono da histórica posição de não-alinhamento dos dois países.

A Rússia, que partilha 1.340 quilómetros de fronteira terrestre com a Finlândia e uma fronteira marítima com a Suécia, avisou que será forçada a tomar medidas de retaliação se Helsínquia aderir à NATO.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados