Jornalista filipino morto a tiro enquanto via televisão numa loja

Agência Lusa , RL
9 dez 2021, 09:10
Notícias
Notícias

Mais um ataque contra repórteres, num país considerado como um dos mais perigosos do mundo para jornalistas

PUB

Um jornalista filipino foi morto a tiro quando estava a ver televisão numa loja, em mais um ataque contra repórteres, num país considerado como um dos mais perigosos do mundo para jornalistas.

Jesus Malabanan, de 58 anos, correspondente do jornal Manila Standard, morreu enquanto era transportado para o hospital, depois de ter sido baleado na cabeça por um motociclista, na quarta-feira à noite, na cidade de Calbayog, na província de Samar, disseram hoje as autoridades, citadas pela Associated Press (AP).

PUB

Os suspeitos fugiram, estando em curso uma investigação policial.

Dezenas de jornalistas foram mortos durante o governo de Rodrigo Duterte e dos seus predecessores.

Em novembro de 2009, membros de um poderoso clã político mataram a tiro 57 pessoas, incluindo 32 trabalhadores dos media, numa execução no sul da província de Maguindanao.

Em 2019, um tribunal das Filipinas condenou à pena máxima de 40 anos de prisão os mentores do massacre político no sul do país.

Após um julgamento de dez anos, Andal Ampatuan Junior, filho do governador da província de Maguindanao, e outros membros do seu clã familiar e político, foram condenados pelo homicídio das 57 pessoas, incluindo 32 jornalistas, durante a emboscada no sul do país.

PUB
PUB
PUB

A nível mundial, 24 repórteres foram mortos este ano no exercício da profissão, tendo mais 18 morrido em circunstâncias "demasiado opacas para determinar se eram visados", de acordo com o relatório anual do Comité para a Proteção de Jornalistas (CPJ), divulgado hoje.

De acordo com o organismo, o total de jornalistas detidos no exercício da profissão atingiu este ano um novo recorde, com 293 jornalistas presos, com a China a registar o maior número (50) pelo terceiro ano consecutivo.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados