Já há data para as eleições na Hungria e Órban enfrenta, pela primeira vez, uma oposição unida

Agência Lusa , BCE
11 jan, 23:53
Viktor Orban
Viktor Orban

Opositores querem "derrubar o governo mais corrupto dos últimos mil anos"

PUB

A Hungria realiza eleições legislativas a 3 de abril, anunciou esta terça-feira o presidente Janos Ader, um escrutínio que se prevê difícil para o primeiro-ministro nacional-conservador, Viktor Orbán, no poder desde 2010.

Orbán, que se candidata a um quarto mandato consecutivo, depois de também ter liderado o governo entre 1998 e 2002, enfrenta pela primeira vez uma oposição unida.

PUB

A sua taxa de popularidade permanece elevada no país da Europa central com 9,8 milhões de habitantes. Os seus apoiantes elogiam a estabilidade e a sua defesa dos interesses nacionais, como a identidade cristã.

Em contrapartida, o dirigente de 58 anos é criticado pela sua linha dura contra a imigração desde a crise de 2015 e as suas posições “iliberais” sobre muitas questões, como a independência da justiça, a liberdade de imprensa e os direitos das pessoas LGBT+ (lésbicas, ‘gays’, bissexuais, transgénero e outros).

Juntamente com os seus parceiros polacos, Orbán impôs-se ao longo dos anos como um feroz crítico das políticas da União Europeia (UE), que abriu processos contra ele.

PUB
PUB
PUB

A sua ação valeu-lhe, no início de janeiro, a declaração de “apoio total” do ex-presidente norte-americano Donald Trump, que o saudou como “um grande líder, que ama com todo o coração o seu país e procura a segurança do seu povo”.

Nas últimas eleições, em 2018, o Fidesz e o seu parceiro de coligação, o Partido Cristão-Democrata, obtiveram 48% dos votos, conquistando 133 dos 199 assentos parlamentares.

Oposição quer "derrubar o governo mais corrupto" do país

Desta vez, a oposição uniu-se para apresentar um só candidato ao cargo de primeiro-ministro e nos 106 círculos eleitorais, fazendo com que nunca umas eleições gerais no país tenham sido tão incertas desde 2006.

Contra Orbán, Peter Marki-Zay, de 49 anos, impôs-se inesperadamente em outubro, como o vencedor das primárias organizadas por seis partidos, da direita nacionalista aos social-democratas.

“Se nos mantivermos unidos, então seremos capazes de derrubar o governo mais corrupto dos últimos mil anos na Hungria”, prometeu na semana passada este presidente da câmara conservador de uma cidade de província, católico praticante.

PUB
PUB
PUB

A aliança inédita espera derrubar “o autoritário” Viktor Orbán, que introduziu normas eleitorais acusadas de favorecer o seu partido em detrimento das outras formações.

“Ao colocar de lado as suas divisões internas, a oposição deu a si mesma uma verdadeira hipótese de êxito, enquanto Viktor Orbán terá dificuldade em assegurar uma super-maioria de dois terços”, considerou o analista político Daniel Mikecz, do grupo de reflexão Republikon.

“Mas se esta ‘arma milagrosa’ (da união) não funcionar, devemos esperar uma crise profunda” para os adversários do Fidesz, advertiu.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados