Governo dos Açores garante apoio às famílias afetadas pelo mau tempo

Agência Lusa , NM
31 dez 2021, 15:25

Desde o início da madrugada, a Proteção Civil regional já respondeu a mais de 85 ocorrências. Há 15 pessoas desalojadas

PUB

O presidente do Governo dos Açores garantiu esta manhã “apoio e solidariedade” do executivo, em articulação com a Câmara de Ponta Delgada, para as 15 pessoas das Feteiras que viram as casas afetadas pelo mau tempo “retomarem a normalidade”.

O chefe do executivo PSD/CDS-PP/PPM, José Manuel Bolieiro, referia-se ao alojamento, limpeza e recuperação das 13 casas e respetivo mobiliário e eletrodomésticos, danificados pelas inundações de lama provocadas pelo transbordo de uma ribeira naquela freguesia do concelho de Ponta Delgada.

PUB

De acordo com Bolieiro, que falava no local, as famílias que passaram a noite em casa de familiares “já estão todas realojadas, com os serviços sociais do município e do governo a tratar do assunto”.

“Está tudo encaminhado”, frisou.

Questionado sobre a recuperação de bens danificados pela enxurrada, o presidente do Governo Regional indicou que “podem as populações contar com a máxima solidariedade e apoio para retomar a normalidade depois desta situação”.

Alertando para o “impacto real das alterações climáticas” no arquipélago, um “território difícil” e vulnerável às mesmas, Bolieiro disse querer “implementar o mais rápido possível” o Plano de Gestão para os Riscos de Inundações preparado pelo executivo.

PUB
PUB
PUB

O governante indicou também terem sido “resolvidas com prontidão e eficácia” a “maior parte das ocorrências” relacionadas com o mau tempo, nomeadamente na ilha de São Miguel, onde se localizaram a maioria dos incidentes (76, num total de 87 em todo o arquipélago, durante a madrugada e manhã desta manhã, segundo a Proteção Civil regional).

Saudando os serviços pela resposta célere, Bolieiro indicou a resolução da maioria dos cortes de vias.

Fonte do executivo disse à Lusa que permanece interditada uma via na ilha de São Miguel: a E. E. 1-1ª, entre o acesso à Gaiteira e a lagoa das Furnas, no concelho da Povoação.

Por outro lado, o chefe do executivo manifestou a preocupação do Governo Regional em “avaliar as causas deste incidente” na freguesia das Feteiras.

Boleiro esclareceu que os serviços estão a “percorrer todas as vias e ribeiras para conter o mais possível” futuras situações, “porque mau tempo vai continuar”.

“Meios não faltarão e toda a dedicação de todos os serviços”, garantiu, referindo que as equipas vão continuar “no terreno intensamente a trabalhar”.

PUB
PUB
PUB

Além disso, acrescentou, tanto quanto à “recuperação dos prejuízo públicos e nas propriedades privadas, a população pode contar com a colaboração pronta do governo”.

A Proteção Civil de Ponta Delgada estima vários dias para a limpeza dos estragos provocados pelo mau tempo nas Feteiras, disse fonte municipal.

“A Proteção Civil está ainda a avaliar os estragos e esperam-se também os serviços sociais para uma avaliação. Nas 13 casas afetadas, há sete que ficaram com o rés-do-chão cheio de água e inertes e cinco que, estando mesmo em frente à linha de água, sofreram um impacto maior da descarga”, explicou à Lusa Pedro Azevedo, coordenador da Proteção Civil Municipal de Ponta Delgada.

Em declarações no local, o responsável esclareceu ainda que há “móveis e eletrodomésticos danificados”, o que torna difícil fazer já uma previsão sobre se e quando é possível o regresso a casa dos 15 moradores das 13 habitações afetadas, que passaram a noite junto de familiares.

Quanto às 15 viaturas que estavam estacionadas na rua, “algumas deslocaram-se por 100 metros, arrastando ou passando por cima de outras” e deixando pelo menos “três soterradas até ao tejadilho”, descreveu o coordenador.

PUB
PUB
PUB

Os automóveis acabaram por parar no Largo da Fonte, “junto à sede dos escuteiros e à escola”, também afetados pelas lamas que se foram juntando no percurso percorrido pela água da ribeira que transbordou.

NO caso das habitações, o coordenador esclareceu estar a referir-se a inundações quase até ao teto, mas não de água limpa: “Estamos a falar de pedras, lama, terra, madeira, etc.”.

Relacionados

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Meteorologia

Mais Meteorologia

Patrocinados