Taça: FC Porto-Tondela, 3-1 (destaques)

Adérito Esteves , Estádio do Jamor
22 mai, 19:31
Final da Taça de Portugal

O encantador de Dragões também faz magia na Taça

A FIGURA: Taremi

O encantador de dragões voltou a fazer magia. O avançado iraniano que já tinha sido um dos nomes principais da caminhada do FC Porto rumo ao título nacional. E na hora da dobradinha, voltou a ser protagonista. Abriu o marcador aos 21m de penálti e logo após o Tondela reduzir para 2-1, devolveu a vantagem de dois golos ao FC Porto. E mesmo quando acertou no poste o penalti que daria o 3-0, ouviu os adeptos entoar o seu nome.

O MOMENTO: classe de Otávio, bis de Taremi e dobradinha

A classe com que Otávio assistiu Taremi para o iraniano apontar o 3-1 seria suficiente para valer o bilhete para a final da Taça de Portugal. O golo é ainda mais importante por ter surgido instantes após o Tondela ter reduzido, mas aquele passe... Aquele passe é que fez valer a pena.

OUTROS DESTAQUES

Otávio

Os holofotes andam muitas vezes longe do internacional português. São quase sempre os outros que marcam os golos. Mas é ele que marca o compasso do jogo do FC Porto. Otávio é o motor inesgotável. O jogador que aparece com a tanta raça a recuperar uma bola na área defensiva como classe a assistir os companheiros. Que o diga Taremi, que recebeu um presente embrulhado num passe picado sobre a defesa do Tondela para apontar o 3-1.

Vitinha

Classe em estado puro. O médio do FC Porto cresceu barbaridades com a regularidade que teve esta época. Está um jogador cheio de confiança que se diverte a jogar como se estivesse com os amigos no parque. Marcou na final do Jamor, como poderia ter marcado numa praceta com duas pedras a fazer de baliza. Dá gosto ver jogar de tão simples que parece o seu futebol.

Pepê

Grande exibição do extremo brasileiro na final da Taça que vale a dobradinha ao FC Porto. Assistiu Vitinha para o 2-0, sofreu um penálti que Taremi desperdiçou e esteve em quase todos os lances de perigo que a equipa criou. Termina a época em grande forma.

Zaidu

O estado de graça do lateral nigeriano é tal que parece que pode fazer tudo, continuará a ser amado pelos adeptos que não esquecem o golo na Luz que deu o título ao FC Porto em casa do Benfica. Não fez uma exibição particularmente exuberante, mas foi dos nomes mais repetidos em êxtase nas bancadas do Jamor. Até no momento do segundo penálti de Taremi, muitos pediam que fosse Zaidu a marcar.

Neto Borges

Fica com o nome associado a um dos mais importantes da história do Tondela. O lateral brasileiro marcou o golo dos beirões, deu-lhes esperança e até ficou perto do bis quando cabeceou à trave já nos 10 minutos finais.

Niasse

O guarda-redes do Tondela já tinha vestido a capa de herói na segunda mão da meia-final, ao defender um penálti e fazer mais uma mão cheia de defesas importantes. No Jamor, não foi capaz de travar o bis de Taremi nem impedir o golo de Vitinha, mas garantiu que o Tondela não saísse do Jamor com uma derrota mais pesada. E ainda «assustou» Taremi num segundo penálti que o iraniano acertou no poste.

 

Patrocinados