Conceição reage ao apedrejamento: «Abalou-me a mim e à minha família»

Vítor Maia , Olival, Vila Nova de Gaia
29 set, 19:00

Treinador do FC Porto comenta pela primeira vez o caso e lembra visita que fez ao IPO-Porto na quarta-feira para sublinhar a importância da família

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, assumiu esta quinta-feira que o apedrejamento ao carro da sua família, após o jogo com o Club Brugge, (derrota por 4-0), a 13 de setembro, o «abalou» a si e à família, sublinhando a importância da mesma ao lembrar a visita que fez na quarta-feira ao IPO-Porto.

«Obviamente que foi uma situação que me abalou e que abalou a minha família. Claramente que sim e aproveito para agradecer o apoio, que foi de todos os quadrantes e sem distinção clubística. Deram uma palavra, tiveram um gesto de apoio para mim e para com a minha família», começou por dizer, na conferência de imprensa de antevisão a jogo com o Sporting de Braga, da 8.ª jornada da I Liga.

No seguimento da primeira reação ao caso, e numa conferência em que Conceição quebrou o silêncio perante os jornalistas ao fim de 16 dias, o técnico lembrou a visita que teve na quarta-feira ao IPO-Porto para sublinhar a importância da família.

«Eu ontem [quarta-feira] tive uma visita que me tocou bastante ao IPO e, no final, tive uma declaração algo emocionada, onde dizia que trocava todas as vitórias e conquistas e momentos felizes que passei - e foram alguns neste clube e na minha carreira - pela vida daqueles miúdos. Tive oportunidade de estar presente e perceber o estado deles e, com a minha família, é exatamente a mesma coisa. Nada é mais importante do que a minha família e trocava tudo aquilo que é esse sucesso desportivo que tive pela minha vida, pelo bem-estar na mesma. Nada mais a acrescentar, penso que toda a gente, não só os sócios e adeptos do FC Porto, se revê nestas minhas palavras. São palavras sentidas. Alguém sofreu, não eu e antes fosse, um ataque feio, gente que não está diretamente ligada ao sucesso ou não desportivo, neste caso», disse.

«Está sob investigação. Cheguei ao FC Porto com 15 anos. Fui campeão todos os anos em que aqui joguei como jogador e como treinador fui campeão três vezes em cinco anos. Tive a ajuda de toda a estrutura, da equipa técnica e dos jogadores para ser o técnico mais titulado a par do Artur Joge. Mas nada conta. E para as pessoas, pelos vistos, também não. Não podemos passar a linha limite entre a paixão e a vontade de vencer e a estupidez. Foi um gesto inqualificável e isolado. Não revejo nesse gesto todos os que amam o FC Porto», acrescentou ainda.

O FC Porto-Sporting de Braga joga-se a partir das 21h15 de sexta-feira, no Estádio do Dragão. Siga o jogo, ao minuto, no Maisfutebol.

Relacionados

Patrocinados