A surpreendente lista de celebridades com ficheiros no FBI

CNN , Lisa Respers France
2 set, 09:00
Princesa Diana

Músico processa o FBI por um ficheiro histórico dos anos 70. Mas são muitas as figuras da cultura pop que foram investigadas ou têm ficheiros nesta força de segurança interna norte-americana.

Os músicos da banda americana dos anos 1960 The Monkeys não foram as únicas celebridades que chamaram a atenção do FBI ao longo dos anos.

Numa altura em que Micky Dolenz, o único membro sobrevivente do grupo, está a processar a aquela força de segurança pelo acesso a quaisquer registos que o FBI possa ter sobre os seus músicos, pareceria um crime não olhar para algumas das outras figuras da cultura pop que o FBI investigou ao longo dos anos.

The Monkeys foram investigados pelo FBI em 1967 por alegadas atividades anti-guerra no Vietname relacionadas com um concerto em que exibiam imagens e mensagens em protesto contra o conflito, de acordo com a queixa apresentada por Dolenz.

Outras estrelas que também tiveram ficheiros relacionados com política incluem o falecido cantor John Denver (cuja aparição num comício anti-guerra em 1971, juntamente com o uso de drogas que documentou na sua autobiografia de 1994 "Take Me Home": An Autobiography", colocou-o no radar do FBI), a famosa ativista surda e cega Helen Keller (que era socialista, o que foi considerado perigoso no início do século XX) e a lenda do basebol Jackie Robinson (cujo ficheiro contém informações sobre o seu trabalho em matéria de direitos civis e suspeitas de que possa ter tido ligações a uma organização comunista).

John Lennon e a sua esposa Yoko Ono foram também alvos de um ficheiro do FBI, uma vez que o membro dos The Beatles era bem conhecido pelo governo dos EUA pela sua posição anti-guerra.

John Lennon e Yoko Ono.

A icónica atriz Marilyn Monroe tinha um ficheiro, em parte devido a um dos seus maridos. O FBI suspeitava que o dramaturgo e argumentista Arthur Miller, que foi casado com Monroe de 1956 a 1961, fosse comunista.

Marilyn Monroe (1926 - 1962) e Arthur Miller (1915 - 2005) fotografados em julho de 1956 em Nova Iorque. Foto Paul Schutzer / Getty Images

Os falecidos rappers Christopher "Biggie Smalls" Wallace, também conhecido como "The Notorious B.I.G", Tupac Shakur, e Russell Tyrone Jones, também conhecido como "Ol' Dirty Bastard" dos Wu Tang Clan, também tinham ficheiros no FBI sobre eles.

Steve Jobs, da Apple.

O fundador da Apple, Steve Jobs, ganhou o “direito” a um ficheiro quando estava a ser considerado para uma possível nomeação para o Conselho de Exportação do Presidente dos Estados Unidos em 1991.

O FBI reuniu também ficheiros sobre algumas celebridades não por causa das suas atividades, mas por causa das ações de outros.

Whitney Houston

O ficheiro sobre a falecida cantora Whitney Houston inclui informação sobre uma alegada tentativa de extorsão contra ela e alguma atenção intensa dos fãs, que incluía várias cartas e cassetes que lhe eram enviadas.

A falecida Princesa Diana tinha dois breves ficheiros do FBI, um relativo a ameaças contra ela e o Príncipe Carlos, quando eram casados, e o outro sobre questões de segurança relacionadas com a sua viagem aos EUA em 1989.

Existe uma declaração na Biblioteca do FBI, a Freedom of Information Act, que contém alguns dos ficheiros relacionados com figuras da cultura pop. De acordo com a declaração, "a informação encontrada nestes ficheiros pode já não refletir as atuais crenças, posições, opiniões, ou políticas atualmente mantidas pelo FBI".

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados