A Meta está a construir um supercomputador de Inteligência Artificial

CNN , Rachel Metz
22 fev, 16:00
Mark Zuckerberg

O Facebook aposta há muito tempo no facto de a inteligência artificial poder ajudar na difícil tarefa de moderar as publicações dos seus biliões de utilizadores. Agora, a empresa mãe está a dar um passo que os pode aproximar desse difícil objetivo: construir o seu primeiro supercomputador.

A Meta anunciou recentemente o seu novo AI Research SuperCluster (RSC), um supercomputador destinado a ser usado em projetos de pesquisa de Inteligência Artificial. O supercomputador, que está a ser desenvolvido há dois anos, pode eventualmente ajudar a Meta a criar um software de IA muito mais poderoso - potencialmente útil para tarefas complicadas como detetar discursos de ódio nas publicações.

“Com o RSC, podemos treinar mais rapidamente modelos de IA que usam sinais multimodais - por exemplo, para entender o contexto de uma publicação, incluindo o idioma, as imagens e o tom”, disse à CNN Business Shubho Sengupta, um engenheiro de software da Meta.

A Meta está a construir um supercomputador gigante chamado “AI Research SuperCluster” para treinar modelos de inteligência artificial. A empresa diz que é um dos supercomputadores de IA mais rápidos do mercado e acha que será o mais rápido do mundo, quando estiver totalmente construído, no final deste ano.

Os supercomputadores, caracterizados por muitos processadores interligados e agrupados no que conhecemos como núcleos, tornaram-se cada vez mais populares e poderosos nos últimos anos para a investigação da IA. O Summit do Departamento de Energia dos EUA, que é o supercomputador mais rápido dos Estados Unidos e o segundo mais rápido do mundo, tem sido usado para ajudar em investigações sobre coisas como proteínas desconhecidas. Algumas grandes empresas de tecnologia, como a Microsoft e a Nvidia, também têm supercomputadores para uso próprio.

Numa publicação num blogue, da coautoria de Sengupta, a Meta disse que, em janeiro, o seu supercomputador inclui 6080 GPU divididas entre 760 núcleos, potencialmente tornando-o um dos mais poderosos do mundo. Com o seu tamanho atual, disse Sengupta, está ao mesmo nível do supercomputador Perlmutter, do Centro Nacional de Computação Científica de Pesquisa em Energia, que ocupa o quinto lugar do mundo. No entanto, quando estiver concluído, no final deste ano, a Meta diz que terá 16 000 GPU, e a empresa espera que seja capaz de quase cinco exaflops de desempenho de computação - ou seja, 5 quintiliões de operações por segundo.

“Quando estiver terminado, o cluster quase triplicará de tamanho, o que, tanto quanto sabemos, fará dele o supercomputador de IA mais rápido do mundo”, disse Sengupta.

A Meta disse que os seus investigadores começaram a usar o supercomputador para treinar grandes modelos relacionados com o processamento da linguagem natural e da visão computacional, e que os investigadores poderão usar o supercomputador para “analisar perfeitamente texto, imagens e vídeo em conjunto” e criar novas ferramentas de realidade aumentada. Com o tempo, a Meta espera que permita à empresa “construir sistemas de IA inteiramente novos” que possam realizar tarefas computacionalmente difíceis, como traduções em tempo real para um grande grupo de pessoas que falam idiomas diferentes.

A empresa disse que os primeiros testes mostraram que o supercomputador pode treinar grandes modelos de linguagem três vezes mais depressa do que o sistema que usa atualmente. Isso significa que um modelo de IA que demoraria nove semanas a ser treinado com o sistema existente pode ser treinado em três semanas com o supercomputador.

A Meta espera que o seu novo supercomputador seja capaz de treinar modelos de IA com triliões de parâmetros - existem apenas alguns modelos de IA existentes com essa escala. Também seria muitas vezes maior do que o GPT-3, que é um grande modelo de linguagem da OpenAI, que consegue gerar texto com som humano e que está a ser usado em aplicações de aprendizagem de línguas e software fiscal para trabalhadores independentes.

Eventualmente, disse a Meta, o supercomputador encaminhar-nos-á para as tecnologias necessárias para construir o chamado “metaverso” - um reino virtual interligado e abrangente, no qual as pessoas podem circular com avatares digitais e interagir com outras pessoas que também lá estão virtualmente. O Facebook disse que o metaverso é o futuro da empresa, mas, atualmente, apenas parcelas dessa visão foram realizadas.

Relacionados

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados