O mistério das carruagens abandonadas do Expresso do Oriente

CNN , Francesca Street
9 jul, 19:00
Expresso do Oriente

O entusiasta francês dos caminhos de ferro Arthur Mettetal estava a ver um vídeo no YouTube quando umas carruagens de comboio estacionadas no canto do enquadramento lhe chamaram a atenção.

As carruagens estavam pintadas numa tonalidade distinta de azul-noite, outrora associada ao Expresso do Oriente, o famoso comboio de passageiros transeuropeu de longa distância sinónimo de glamour nas viagens do século XX.

Apesar de o comboio imortalizado pela autora do crime Agatha Christie já não existir, a empresa de viagens de luxo Belmond opera uma homenagem ao Expresso do Oriente entre Londres e Amesterdão, e o grupo hoteleiro Accor vai lançar um serviço com o mesmo nome em 2023.

Mettetal não era apenas um entusiasta dos caminhos-de-ferro, estava a trabalhar num doutoramento sobre a história do Expresso do Oriente. A sua pesquisa implicava tentar apurar quantas carruagens originais do Expresso do Oriente ainda existem hoje, onde estão localizadas, quem as possui e em que condições estão.

Ele sabia que algumas carruagens antigas estavam em serviço – como as que cumprem a rota Expresso do Oriente da Belmond – e outras estavam em exposição em museus. Mas achou que muitas das carruagens estavam espalhadas pelo mundo, esquecidas.

Mettetal passou a maior parte de 2015 em busca destas carruagens abandonadas, a percorrer arquivos, a falar com entusiastas dos caminhos-de-ferro em fóruns de mensagens e a vasculhar vídeos online. De vez em quando, deparava-se com uma pista promissora, como as carruagens azuis no vídeo do YouTube.

Mettetal fez pausa no vídeo e examinou o frame com mais atenção. O vídeo tinha sido enviado anonimamente e não havia muita informação a acompanhá-lo. Mas era possível ver o nome de uma estação na imagem: Małaszewicze.

Através do Google, Mettetal descobriu que havia vários lugares na Polónia chamados Małaszewicze. Ele analisou cada um desses locais no Google Maps, mudando para a vista 3D e ampliando as imagens, procurando as caraterísticas carruagens azuis com os seus tetos brancos.

E então, bingo, encontrou o que procurava: um comboio de 13 carruagens que se parecia bastante com o Expresso do Oriente, estacionado numa estação de Małaszewicze, na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia.

Em declarações à CNN Travel hoje, Mettetal diz que aquele foi um momento "mágico".

"Treze carruagens de uma só vez!", exclama. "É como descobrir um tesouro."

Localizar o comboio

 Arthur Mettetal viu pela primeira vez as carruagens de comboios do antigo Expresso do Oriente enquanto fazia pesquisas online. Xavier Antoinet

Apesar de observar o comboio no Google ser "uma sensação incrível", Mettetal tentou gerir as suas expectativas, sem saber por que razão as carruagens estavam lá, em que estado poderiam estar e se tinham sido movidas desde que a imagem de satélite fora tirada.

Então viajou para Małaszewicze para verificar pessoalmente.

Mettetal diz que nunca esquecerá o momento em que chegou à fronteira polaca, acompanhado por um amigo fotógrafo.

"Depois de conduzir durante horas para chegar ao local onde pensávamos encontrar o comboio, chegamos à noite a uma zona de fronteira ativa", diz Mettetal.

Não só estava escuro, como a paisagem estava envolta em neve. Mas os dois homens ainda distinguir ver as carruagens azuis. Na parte lateral estava escrito "Nostalgie Istanbul Orient Express", o nome de uma empresa ferroviária privada dos anos 70 que utilizou as carruagens originais do Expresso do Oriente para transportar viajantes de Paris para Istambul. Mettetal e o amigo ficaram contentíssimos.

"É um sentimento indescritível. Estávamos a olhar para o objeto da nossa pesquisa, o comboio que tínhamos visto através das vistas do Google 3D", recorda Mettetal.

Por estarem numa zona fronteiriça, Mettetal e o fotógrafo foram logo mandados embora pela polícia. Os dois regressaram no dia seguinte, acompanhados por um tradutor e Guillaume de Saint Lager, o vice-presidente da Accor's Orient Express, que também estava interessado em inspecionar o comboio.

Mettetal diz que entrar nas carruagens do comboio foi muito empolgante. Xavier Antoinet

À medida que o sol nascia, o grupo passeou pelas carruagens. Mettetal estimou que datavam dos anos 20 e 30 e tinham ficado ali paradas durante, pelo menos, uma década.

Mettetal diz que espreitar dentro das carruagens foi outro "grande momento para um historiador".

"Todas as decorações estavam intactas e era como se o tempo tivesse parado", diz, acrescentando que "quase não tinham danos, apenas o desgaste do tempo".

Das 13 carruagens, nove eram luxuosas carruagens-cama.

"Passámos dois dias inteiros a documentar todo o interior e exteriores das carruagens enquanto prosseguíamos a nossa pesquisa sobre a sua história e as razões pelas quais estavam ali estacionados", afirma Mettetal.

Renovação e restauração

Os interiores do comboio estão agora a ser renovados pelo arquiteto francês Maxime d'Angeac. Xavier Antoinet

Nos dois anos seguintes, a equipa do Expresso do Oriente da Accor localizou o dono das carruagens de Małaszewicze. Também encontraram mais quatro carruagens estacionadas noutros países, incluindo a Alemanha e a Suíça. A Accor negociou um acordo de compra para um total de 17 carruagens, incluindo 12 carruagens-cama, uma restaurante, três lounges e uma do guarda. As carruagens foram então transportadas por comboios da polícia por toda a Europa para a França.

Avancemos para hoje e o grupo do Expresso do Oriente da Accor tem grandes planos para as carruagens redescobertas. O objetivo é que as carruagens operem numa rota de Paris para Istambul a partir de 2024, uma versão reimaginada do Nostalgie Istanbul Orient Express.

As carruagens estão neste momento a ser renovadas pelo arquiteto parisiense Maxime d'Angeac, que diz à CNN Travel que o projeto "de uma vez na vida" era do género que "não se pode recusar".

As carruagens voltarão a transportar passageiros novamente em 2024. Xavier Antoinet

O interior das carruagens redescobertas inclui painéis de marchetaria Art Deco dos decoradores ingleses Morrison e Nelson, bem como painéis de vidro do artesão francês René Lalique. A primeira vez que d'Angeac viu os interiores existentes, diz ter sentido "emoção real".

D'Angeac reconhece que o Expresso do Oriente original era conhecido na sua época como o auge do luxo, conforto e design. Quer que as carruagens renovadas estejam à altura dessa reputação.

"A ambição da Accor é restaurar e reconstruir o mesmo tipo de mito, de lenda, e ter um comboio excecional", diz.

Renovar carruagens centenárias não é fácil, acrescenta D'Angeac, os interiores são menores do que o viajante moderno poderia esperar. Os ativos históricos têm de ser preservados, mas também é necessário incorporar confortos e segurança modernos.

As novas tecnologias e métodos serão utilizados quando for apropriado, mas D'Angeac espera que os viajantes não percebam o toque do século XXI.

"A nossa intervenção deve ser intemporal", como explica D'Angeac.

Quanto a Mettetal, terminou o doutoramento, mas continua fascinado pelo Expresso do Oriente, em particular pelas carruagens que encontrou no YouTube. Ele também é agora o diretor de herança e cultura do Expresso do Oriente da Accor.

"Estas carruagens têm uma história rica, desde a sua construção na década de 1920 até à sua redescoberta", diz Mettetal. "Seria muito interessante refazer toda a sua viagem, pelos países e cidades atravessadas durante todos estes anos."

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados