Comerciante português investigado pela explosão em Beirute apanhado no Chile

Agência Lusa , BMA
20 abr, 23:22
Novo incêndio no porto de Beirute

Quase dois anos após o desastre de Beirute, investigação continua a decorrer e foi feito pouco progresso

A polícia do Chile intercetou esta quarta-feira, no aeroporto de Santiago, o comerciante português procurado pela Interpol suspeito de introduzir “elementos explosivos no Líbano”, que resultaram na trágica explosão ocorrida em 2020 no porto de Beirute.

O português, que tinha embarcado em Madrid com destino a Santiago do Chile, foi intercetado por agentes da Polícia de Investigação do Chile, na sequência de um “aviso amarelo emitido pela Interpol”, explicou a chefe da Polícia Internacional do Aeroporto Arturo Merino Benítez, citada pela agência EFE.

Por ter introduzido “elementos explosivos no Líbano”, este "comerciante de nitrato" português é suspeito numa investigação sobre a explosão em Beirute em agosto de 2020, onde morreram mais de 200 pessoas e 6.500 ficaram feridas, incidente que causou a devastação de bairros inteiros na capital libanesa.

Em agosto de 2020, a Fábrica de Explosivos de Moçambique (FEM) confirmou à Lusa que encomendou as 2,7 toneladas de nitrato de amónio que estiveram na origem das explosões em Beirute, salientando que a carga apreendida pelas autoridades libanesas foi substituída por outra remessa.

A encomenda foi feita pela FEM, em 2013, à empresa Savaro, da Geórgia, e o local de descarga previsto era o porto da Beira, em Moçambique, mas aquela carga "nunca foi entregue", uma vez que o navio ficou retido em Beirute, por ordem das autoridades locais, acrescentou fonte da empresa na altura.

Em janeiro de 2021, a Interpol tinha emitido um mandado contra o comerciante português que, em 2014, examinou o armazém no porto de Beirute onde estava o carregamento de nitrato de amónio.

Segundo noticiou na altura o jornal Público, o português alvo de investigação é Jorge Moreira, comerciante de nitrato.

Após o mandado da Interpol ao funcionário português, a FEM explicou que este visitou o porto de Beirute em 2014 como prática profissional habitual.

A FEM é detida pela empresa Moura, Silva & Filhos, com sede na Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga.

As autoridades do Chile adiantaram ainda esta quarta-feira que, depois de identificado, o português foi devolvido a Espanha, onde será recebido de acordo com a legislação espanhola e as instruções da Interpol.

Quase dois anos após o desastre de Beirute, a investigação continua a decorrer e foi feito pouco progresso, devido ao que várias organizações de direitos humanos consideram obstrução deliberada por ex-autoridades consideradas suspeitas neste processo.

A explosão

A explosão, anunciada como uma das mais poderosas detonações artificiais não nucleares da história, levou o governo libanês a declarar estado de emergência durante duas semanas, em resposta ao desastre.

Como resultado, eclodiram protestos contra o Executivo pela sua incapacidade em evitar o desastre.

Em 2013, o navio “Rhosus”, com bandeira da Moldávia e proveniente da Geórgia, fez uma escala em Beirute, a caminho de Moçambique, de acordo com uma fonte de segurança libanesa, mas a embarcação nunca mais saiu daquele porto, devido a problemas técnicos.

A bordo tinha 2.750 toneladas de nitrato de amónio, que pode ser usado na composição de certos explosivos para uso civil, mas também pode ser usado como fertilizante.

Líderes como o presidente libanês, Michel Aoun, e o então primeiro-ministro, Hasan Diab, reconheceram que sabiam da sua existência antes do incidente.

A explosão de cerca de três mil toneladas desse fertilizante causou uma onda de choque que devastou vários bairros da capital libanesa, deixando ainda cerca de 300 mil pessoas temporariamente desabrigadas.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados