Aumento da cobrança de impostos coloca Portugal com o maior excedente da UE

Agência Lusa , AM
21 out, 10:38
Preços, dinheiro, euro, inflação, economia. Foto: Marijan Murat/picture alliance via Getty Images

Dívida pública recua na zona euro no 2.º trimestre, Portugal mantém 3.ª maior

O défice recuou na zona euro, no segundo trimestre, para os 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro e os 1,8% na União Europeia (UE) e Portugal teve o maior excedente (3,0%), segundo o Eurostat.

Nas duas áreas, o défice público mantém uma tendência em baixa desde o primeiro trimestre de 2021 e compara-se, entre abril e junho, com o de 6,8% na zona euro e o de 6,2% na UE face ao período homólogo.

Também na comparação em cadeia, o défice recuou face aos 2,5% do PIB nos países da moeda única e aos 2,3% no conjunto dos 27 Estados-membros.

Segundo o serviço estatístico da UE, o recuo do rácio défice em relação ao PIB diminuiu, na zona euro, devido a um maior aumento das receitas totais em relação às despesas totais, bem como a um PIB mais elevado, em comparação com o primeiro trimestre de 2022.

As receitas e despesas totais continuaram a ser influenciadas pelas políticas públicas em resposta à pandemia de covid-19, mas em menor medida do que nos trimestres anteriores, salienta o Eurostat.

Entre os países para os quais há dados disponíveis, Portugal (3,0%), Países Baixos (2,4%), Lituânia (1,9%), Estónia (1,8%), a Dinamarca (1,2%), a Áustria (1,0%) e o Luxemburgo (0,6%) apresentaram excedentes nas contas públicas.

Já Malta (-6,6%), Espanha (-4,2%) e Bélgica (-4,0%) registaram os maiores défices públicos no segundo trimestre.

Portugal mantém 3.ª maior dívida pública

O peso da dívida em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) recuou, no segundo trimestre, para os 94,2% na zona euro e os 87,5% na União Europeia (UE), mantendo Portugal a terceira mais alta (123,4%), divulga o Eurostat.

De acordo com os dados hoje divulgados pelo serviço estatístico europeu, na zona euro, a dívida pública recuou para os 94,2% do PIB face à de 97,9% do período homólogo e à de 95,2% dos primeiros três meses do ano.

Na UE, o rácio da dívida pública compara-se com 90,5% do PIB no segundo trimestre de 2021 e o de 87,5% registados entre janeiro e março deste ano.

A Grécia (182,1%), a Itália (150,2%), Portugal (123,4%), Espanha (116,1%), França (113,1%) e Bélgica (108,3%) apresentaram, entre abril e junho, os maiores pesos das dívidas públicas em relação ao PIB e os menores foram registados, por seu lado, na Estónia (16,7%), na Bulgária (21,3%) e no Luxemburgo (25,4%).

Economia

Mais Economia

Patrocinados