Itália
8'
0 - 1
Albânia

Querem obrigar-nos a comer insetos? Vêm aí confinamentos climáticos? As mentiras que a Rússia ajuda a espalhar sobre as eleições europeias

CNN , Ivana Kottasová
8 jun, 22:00
Rússia e eleições europeias (Ilustração feita pela CNN/Getty Images)

Se acreditarmos em tudo o que lemos, parece que a União Europeia (UE) quer proibir os condutores de mandarem reparar os seus carros velhos, ou que planeia limitar os voos que as pessoas podem fazer, implementando “passaportes de carbono”. Poderá mesmo impor “confinamentos climáticos” ao estilo da covid.

Nenhuma destas coisas é verdade, mas como 373 milhões de eleitores vão às urnas esta semana para eleger um novo parlamento da UE, uma torrente de desinformação está a inundar o continente.

A UE e vários dos seus países membros criaram agências de investigação para combater a desinformação antes da votação - e estão diretamente concentradas em campanhas com origem na Rússia.

As alegações de desinformação russa em torno de eleições não são novidade - já foram uma caraterística do período que antecedeu as votações nos Estados Unidos, no Reino Unido e na UE, embora a Rússia tenha sempre negado a realização de tais campanhas. Mas as táticas estão a tornar-se mais sofisticadas e a passar das plataformas em linha para os parlamentos e o discurso público.

Inteligência artificial e deepfakes estão a tornar-se rapidamente as ferramentas de escolha para aqueles que procuram espalhar narrativas falsas, confirma Morgan Wright, consultor-chefe de segurança da SentinelOne, uma empresa americana de segurança cibernética.

A SentinelOne, juntamente com o grupo de pesquisa independente EU DisinfoLab, trabalhou para descobrir uma rede de influência baseada na Rússia que opera na Europa desde 2022, apelidada de “Doppelgänger”.

A rede coloca sites clones de organizações de mídia europeias proeminentes, incluindo publicações importantes como o Guardian e o Bild na Alemanha, como veículos para espalhar conteúdo enganoso e falso. O objetivo principal é divulgar histórias falsas para influenciar as atitudes em relação a temas como as guerras na Ucrânia e em Gaza. Mas, no último ano, a crise climática foi o segundo tema mais visado, de acordo com o Observatório Europeu dos Meios de Comunicação Digitais (EDMO).

Uma dessas histórias falsas, publicada num site que imitava o Bild, descrevia como um ciclista adolescente sangrou até à morte depois de as luzes da rua terem sido desligadas para poupar eletricidade. O artigo falso afirmava que o governo alemão tinha cortado as luzes devido a uma crise energética alimentada pelas sanções impostas à Rússia por causa da guerra na Ucrânia. Antes da guerra, a Alemanha dependia fortemente do gás russo para obter energia. A história foi desmentida por vários meios de comunicação social alemães, mas continuou a espalhar-se no Facebook.

Paula Gori, secretária-geral da EDMO, afirma que a divulgação de falsas narrativas sobre o clima se enquadra nos objectivos geopolíticos da Rússia, uma vez que o lucrativo sector do petróleo e do gás do país foi alvo de sanções e de uma proibição de importações por parte da UE.

“É muito fácil para os russos espalharem a desinformação de que a UE está a ter dificuldades devido às sanções e os cidadãos europeus estão a ter dificuldades porque não há gás da Rússia”, acrescenta.

Também surgiram falsas narrativas de que as energias renováveis estão a contribuir pouco para a segurança energética da UE, refere Gori. As estatísticas oficiais, no entanto, contam uma história diferente: em 2022, as energias renováveis representaram 23% da energia consumida na UE. Alguns países europeus estão atualmente a utilizar mais energia renovável do que combustíveis fósseis.

O EU DisinfoLab encontrou outras histórias que alegavam falsamente que as turbinas eólicas estavam a causar poluição tóxica.

O objetivo parece ser também semear a confusão e a divisão, em vez de provocar uma mudança na política climática, garante Wright.

"A Rússia tem sido muito oportunista. Procura a controvérsia e a discórdia, e quaisquer questões atuais que possam explorar", acrescenta o especialista, indicando que "o objetivo é fazer com que as pessoas lutem umas com as outras. Não lhes interessa a política climática".

A Rússia tem outro interesse em minar as mensagens da UE sobre o clima. À medida que procura reforçar as suas relações no Sul Global, particularmente em África e na Ásia, onde compete com o Ocidente por negócios e influência, está a tentar descrever as políticas climáticas da Europa para explorar os países mais pobres e impedi-los de se industrializarem, refere Gori.

Esta ideia de utilizar a desinformação para alargar as divisões existentes vem diretamente do velho manual de desinformação da Rússia, segundo Wright.

“Se recuarmos a 1917, à criação da Cheka, a primeira organização de informação russa, há mais de 100 anos que eles são mestres da desinformação”, lembra. “Há décadas que usam as mesmas táticas, são as ferramentas que mudam - agora é a inteligência artificial e as redes sociais”.

Forçados a comer insetos?

As campanhas que começam na Internet estão a chegar aos parlamentos europeus, onde os políticos populistas estão a vender algumas das mesmas narrativas falsas.

Os políticos em França e Itália partilharam notícias falsas de que as políticas climáticas para reduzir a poluição da agricultura obrigarão os cidadãos da UE a comer insetos, enquanto os cidadãos da Croácia, Alemanha e Polónia foram informados de que os políticos em Inglaterra estavam a impor “confinamentos climáticos” aos seus cidadãos e que restrições semelhantes poderiam estar a chegar aos seus países.

As campanhas estão a ter consequências na vida real, em especial para a legislação do Acordo Verde da UE, a visão global do bloco para a ação climática.

A UE é considerada um líder mundial na luta contra a poluição que aquece o planeta, mas a desinformação sobre o clima pode comprometer o ambicioso objetivo do bloco de reduzir as emissões de carbono em 90% até 2040, em comparação com os níveis de 1990.

Esse objetivo global já está ameaçado. A “onda verde” que levou muitos políticos focados no clima ao poder nas eleições europeias de 2019 parece ter acabado, com os partidos verdes previstos para sofrer grandes perdas este mês, o que significaria menos vozes climáticas progressistas no parlamento.

Outras histórias falsas têm visado as políticas agrícolas da UE, nomeadamente através de protestos de agricultores que varreram vários estados da UE, incluindo França, Alemanha, Espanha e Polónia este ano.

Gori diz que os investigadores do EDMO encontraram provas claras de tentativas de sequestro dos protestos, que começaram como iniciativas de base sobre preocupações genuínas dos agricultores. Apontou para uma história falsa amplamente divulgada que afirmava que os agricultores em França e Espanha seriam “expulsos das suas terras” para dar lugar a centrais solares.

Foram muitas as razões que levaram os agricultores a sair para a rua, mas alguns dos impactos negativos das propostas de agricultura verde levaram a UE a abandonar ou a diluir algumas das políticas.

A UE abandonou um plano para reduzir para metade a utilização de pesticidas até 2030 e adiou novas regras sobre a saúde dos solos e a biodiversidade. Também abandonou a exigência de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa não carbónicos na agricultura.

“Os protestos foram legítimos, claro... mas foram usados e explorados pela Rússia para partilhar desinformação que ataca as instituições da UE e causa polarização”, garante Gori.

Pallavi Sethi, bolseira de política de desinformação sobre as alterações climáticas no Grantham Research Institute da London School of Economics, indica que o clima é apenas o último de uma série de questões que alguns políticos de extrema-direita têm visado para alimentar a divisão. Antes do clima, foi a migração.

A Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita, por exemplo, transformou o debate em torno das bombas de calor numa arma. Quando o governo de coligação no poder propôs a eliminação progressiva dos sistemas de aquecimento doméstico a gás metano, a AfD classificou-os como uma “ditadura ecológica” e fez da questão uma parte essencial da sua campanha, apesar das provas científicas que demonstram os benefícios climáticos da eletrificação do aquecimento.

“A ideologia política do populismo de direita enfatiza muitas vezes os direitos dos cidadãos comuns e demoniza a ‘elite corrupta’ - os governos que querem fazer alguma coisa em relação às alterações climáticas, que estão a formular estas políticas climáticas e a comunidade científica que está a fornecer provas”, afirma.

A resposta da UE ao problema foi o Ato dos Serviços Digitais, que visa especificamente os conteúdos ilegais, a publicidade enganosa e a desinformação. A UE tem vindo a utilizar a nova legislação para obrigar as grandes empresas de redes sociais a limpar as suas plataformas. Mais recentemente, a Comissão Europeia - parte do governo executivo da UE - abriu um processo formal contra o Facebook e o Instagram por causa da desinformação que afectou as eleições europeias.

E, no mês passado, a UE impôs sanções à Voz da Europa, com sede em Praga, um meio de comunicação social em linha que acusou de dirigir uma operação de influência pró-russa. Não foi possível contactar a Voz da Europa, uma vez que a sua página de contactos apresenta uma mensagem de erro.

Mas estes esforços só podem ir até certo ponto para resolver o que se tornou um enorme problema. A Climate Action Against Disinformation, uma coligação internacional de grupos, afirmou que a resposta das empresas de comunicação social e dos governos tem sido lamentavelmente inadequada.

Em fevereiro, a CNN noticiou a existência de uma gravação áudio falsa, gerada por inteligência artificial, de um candidato de topo na Eslováquia a “admitir” que iria manipular as eleições parlamentares, que foi publicada no Facebook poucos dias antes de uma votação importante no outono passado.

Na altura, um porta-voz da Meta, a empresa-mãe do Facebook, afirmou num comunicado: “A nossa rede independente de verificação de factos analisa e classifica a desinformação - incluindo conteúdos gerados por inteligência artificial - e rotulamo-la e reduzimos a sua classificação no feed para que menos pessoas a vejam”.

Embora a declaração diga que o conteúdo que viola as políticas da empresa é removido, não aborda a razão pela qual algumas publicações que contêm o deepfake eslovaco não foram marcadas como falsas.

O Facebook tem removido conteúdos que violam as suas políticas há vários anos, mas não remove automaticamente conteúdos apenas porque foram adulterados ou gerados por IA. Em vez disso, o seu objetivo é rotular os conteúdos alterados como tal.

No passado, a sua política de normas comunitárias visava apenas o vídeo, mas em abril foi alargada para incluir o áudio.

Na Eslováquia, porém, os danos podem já ter sido causados. O candidato visado - um político pró-ocidental - foi derrotado por outro com ligações estreitas a Moscovo.

"Havia uma falha na forma como o Meta - Facebook - analisava as coisas. Só retiravam as coisas se se tratasse de um vídeo adulterado", diz Wright. "Não tinham qualquer política para retirar áudio adulterado. Isso era uma falha, e eles exploraram-na."

Europa

Mais Europa

Patrocinados