Relatório revela mais oito substâncias ou agentes que levam ao aparecimento de cancro

Agência Lusa , BMA
27 dez 2021, 19:39
Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Relatório sobre carcinógenos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos não traça estimativas de risco de cancro para cada um dos oito agentes ou substâncias

PUB

Oito substâncias ou agentes foram adicionados no mais recente relatório sobre carcinógenos do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, elevando para 256 o total de agentes ou substâncias que levam ao aparecimento de cancro.

A bactéria estomacal 'Helicobacter pylori', o composto químico trióxido de antimónio (usado para retardar a propagação de chamas em plásticos, borrachas ou têxteis) e seis ácidos halocéticos (que se formam durante o tratamento da água potável a partir de uma reação entre os agentes de desinfeção à base de cloro e a matéria orgânica da fonte de água) passaram a fazer parte da lista de carcinógenos (agentes ou substâncias que causam o aparecimento de cancro) deste departamento.

PUB

Os seis ácidos halocéticos incluídos são o bromocloroacético, o bromodicloroacético, o clorodibromoacético, o dibromoacético, o dicloroacético e o tribromoacético. Melhorias nas tecnologias de desinfeção, como métodos de filtração, podem reduzir, segundo o relatório, os níveis destes ácidos na água potável.

PUB
PUB
PUB

Estimativas de risco

O relatório não traça estimativas de risco de cancro para cada um dos oito agentes ou substâncias, e para as quais tem de se ter em conta fatores como o nível e a duração da exposição ao carcinógeno.

Para muitos, a bactéria 'Helicobacter pylori', que coloniza o estômago, passa despercebida, sem causar sintomas de infeção.

Contudo, a infeção, uma das mais frequentes, pode, nas situações mais graves, causar cancro do estômago e um tipo raro de linfoma (cancro do sangue). A infeção adquire-se, por exemplo, pela ingestão de alimentos ou água contaminados com a bactéria.

Quanto ao trióxido de antimónio, a maior exposição a este químico acontece entre os trabalhadores das fábricas que o produzem ou usam na composição de substâncias que retardam a propagação de chamas, realça o relatório do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.

Legislação neste país prevê limites à exposição deste químico no local de trabalho e no ambiente.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados